quinta-feira, 21 de outubro de 2021

‘Apesar da herança cristã, o poder da oração está silencioso no Reino Unido’, diz capelão


O fundador do “Muro Eterno da Oração Respondida”, na Inglaterra, diz que “o poder da oração foi removido de nossa consciência nacional”.

Fundador doo monumento The Eternal Wall of Answered Prayer (Muro Eterno da Oração Respondida), que foi inaugurado em 2022, Richard Gamble escreveu um recente artigo, onde fez uma forte exortação ao seu país, dizendo: “Apesar da rica herança cristã de nossa nação, o poder da oração está sendo neutralizado no Reino Unido”.

Segundo o ex-capelão de Leicester City, o problema não se limita à cultura secular, mas até a Igreja está silenciosa sobre essa questão.

Gamble diz que desde a pandemia que manteve as igrejas, estudos e pesquisas encontraram uma abertura para a espiritualidade. E diz:

Um estudo encomendado em maio de 2020 - apenas dois meses após o primeiro bloqueio no Reino Unido - mostrou que um quarto dos adultos no Reino Unido tinha assistido ou ouvido um culto religioso desde o início do bloqueio e um em cada 20 começou a orar”.

Gamble diz ainda que só a Igreja da Inglaterra, a maior do Reino Unido, recebeu 6.000 ligações em sua linha direta de oração nas primeiras 48 horas de operação no mesmo mês. “E não é apenas uma coisa da Covid. Desde a pandemia, as igrejas estão recebendo os recém-chegados regularmente”.

Ele aponta que uma pesquisa recente da Savanta ComRes descobriu que mais de 50% dos jovens de 18 a 34 anos agora oram regularmente, e 36% frequentam a igreja ou participam de um culto - seja online ou offline - pelo menos uma vez por mês.

Contestações

Gamble diz que essas estatísticas foram amplamente contestadas na imprensa, com questionemos sobre a metodologia da pesquisa e alguns até mesmo especulando que um "avivamento religioso inexistente" estava sendo relatado.

Ao lado desse ceticismo em relação a uma aparente renovação espiritual, os algoritmos de mídia social e o movimento do despertar também visaram diminuir a oração, sugerindo que ela é irrelevante e até impotente; uma atividade oculta e vergonhosa”, diz Gamble.

Sinalização de virtude

Autor do livro “Lembre-se: revelando o poder eterno da oração respondida”, Gamble diz que muitos agora percebem a oração como uma atividade de último recurso sem nenhum resultado esperado - a não ser a sensação de interesse próprio de que estamos fazendo o que podemos em momentos em que nos sentimos impotentes.

Quando nosso primeiro-ministro contratou a Covid no ano passado, os jornais traziam as manchetes: ‘Ore por Boris [Johnson]’. Mas alguém esperava que Deus respondesse? E se o fez, alguém ficou grato? Apesar da tendência de #prayforboris, ouvi poucas vozes de agradecimento ao Deus que atendeu”, diz Gamble.

Ele diz que “orar” tornou-se uma abreviatura para mostrar solidariedade em circunstâncias difíceis, raramente traduzida como uma busca sincera de ajuda de nosso criador.

Uma prece lançada descuidadamente ao éter, sem expectativa de resposta nem antecipação do impacto, é um empreendimento sem força e estéril. Se isso é tudo, sugiro que todos nós ganhemos mais valor indo para uma cerveja no pub”, indigna-se.

As autoridades ficam felizes em aceitar as boas obras que a Igreja oferece, mas ai de quem fala sobre o poder da oração que as fortalece”, diz.

Durante aquela visão terrível do corpo de Christian Eriksen caído prostrado recebendo tratamento médico durante a Eurocopa neste verão, milhões de espectadores em todo o mundo se sentiram desesperados e desamparados.

Durante o torneio, Eriksen sofreu uma parada cardíaca no jogo contra a Finlândia, válido pela estreia da competição, e quase morreu em campo. Ele foi socorrido pelas equipes médicas e reanimado, mas, desde então, nunca mais pisou em um campo de futebol.

Mais uma vez, a mídia social se iluminou com hashtags de oração. Poucas horas depois, os médicos estavam sendo elogiados por suas ações, sem dúvida, rápidas para salvar sua vida. Mais tarde naquele dia, recebi um telefonema de um jornalista esportivo que perguntou: ‘Quando é que o seu grandão vai receber parte do crédito, então?” Seu aceno irreverente para o Todo-Poderoso destacou uma mudança cultural significativa. Passamos da apreciação de Deus no trabalho para a negação de qualquer possibilidade de intervenção divina”, avalia Gamble.

Oração poderosa

Gamble diz que apesar disso, centenas de milhares de pessoas, hoje e em toda a história, testemunharam que a oração é a atividade mais íntima, significativa e poderosa em suas vidas.

Elas acreditam que Deus ouve e ag e. Então, como chegamos aqui? A sociedade simplesmente cresceu e se afastou do que o autor Jerry Coyne rotula de ‘a forma mais difundida e prejudicial de superstição’, ou o politicamente correto e, ultimamente, a cultura desperta cancelou o poder da oração?”, questiona.

Memorrial "Muro Eterno das Orações Atendidas", construído na Inglaterra.

(Foto: Reprodução / The Eternal Wall of Answered Prayer)

Mas Gamble relembra que nem sempre foi assim.

Em 23 de maio de 1940, o rei George VI anunciou um dia nacional de oração. No domingo seguinte, enquanto soldados britânicos, canadenses e franceses fugiam sob o fogo torrencial nazista em direção à praia de Dunkirk, o rei da Inglaterra pediu à nação que ‘se voltasse, como nossos pais antes de nós se voltaram em tempos de provação, para o Deus Altíssimo’. Mais de um milhão de pessoas visitaram igrejas em todo o país e oraram pelos meninos nas praias. Os conselheiros de Churchill indicaram que apenas 30.000 seriam resgatados - então veio o ‘milagre de Dunkirk’ e 330 mil foram salvos. No dia 9 de junho a nação voltou à Igreja para agradecer a Deus por seu trabalho”, relata Gamble.

Gamble reclama que esta história real foi omitida pelo diretor de Hollywood, Christopher Nolan, no filme “Dunkirk”, que fala sobre as ações das tropas britânicas na Segunda Guerra Mundial.

As decisões estratégicas bizarras, improbabilidades meteorológicas e milagres físicos que levaram à preservação de tantas vidas foram apagadas da história. O poder da oração que contribuiu para o milagre de ‘Dunkirk’ foi removido de nossa consciência nacional e rebaixado a um relato de esforço humano extraordinário que, embora digno de grande apreciação, não deve ser visto isoladamente”, entende.

Liberdade para comemorar

Gamble diz que para os cristãos, a fé é alimentada quando compartilhamos e celebramos as coisas que Jesus fez em nossas vidas.

Estar em uma jornada de 17 anos para coletar um milhão dessas histórias para uma obra de arte pública chamada Muro Eterno da Oração Respondida - uma escultura que espera preservar o poder da oração sendo construída com um milhão de tijolos, cada um representando uma resposta oração - descobri que a Igreja Cristã está muda”, diz.

Ele fala que “as histórias são, na melhor das hipóteses, sussurradas, não proclamadas. Como nossos irmãos e irmãs cristãos estão se escondendo para salvar suas vidas no Afeganistão sob o regime do Talibã, os cristãos que trabalham nos setores político, de saúde, educação e entretenimento no Reino Unido não podem dizer o que acreditam por medo de serem cancelados”.

Oferecer oração pelas pessoas, fora da versão anêmica mencionada e das hashtags online, colocaria em risco seu trabalho e suas famílias. Desde quando a liberdade religiosa só se tornou disponível para os ricos e famosos?”, questiona.

Gamble diz que “os cristãos parecem ser apontados como as crianças religiosas desobedientes que devem ser vistas e não ouvidas. As autoridades ficam felizes em receber mais de £ 1 bilhão de boas obras que a Igreja oferece a cada ano, mas ai de qualquer pessoa que realmente fale sobre o amor que as inspira ou o poder espiritual da oração que as fortalece!

Poder removido

O poder da oração foi removido de nossa consciência nacional. Claro, a maioria temerosa não está gritando sobre isso, mas, secretamente, a crença no poder da oração permanece”, diz Gamble.

Devemos nos apegar ao importante papel que a oração desempenhou na formação de nossa identidade nacional e ao impacto positivo que a Igreja teve em nossa sociedade - especialmente no ano passado”, exorta.

Nossa nação tem uma rica herança, embutida na oração cristã. Embora muitos possam ver isso como uma falsa esperança ou um cobertor de conforto quando você não pode fazer mais nada, os cristãos devem ser ousados ​​em compartilhar o poder espiritual da oração. Se as gerações mais jovens estão explorando a fé e a oração, não deve ser uma questão de debate. Deve ser encorajado, abraçado e ser um exemplo para todos nós”.

Fonte: Guiame

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...