quinta-feira, 31 de julho de 2014

Brasil, um anão diplomático na questão de Israel - Por Valmir Nascimento

@Coisas de Judeu
O Estado de Israel respondeu à desastrosa nota divulgada recentemente pelo Ministério de Relações Exteriores do Brasil na qual afirmava considerar inaceitável "a escalada da violência entre Israel e Palestina", e o "uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza". De acordo com matéria do Estadão, o Ministério de Relações Exteriores israelense chamou o País de "anão diplomático". 
"Essa é uma demonstração lamentável de por que o Brasil, um gigante econômico e cultural, continua sendo um anão diplomático", disse o porta-voz Yigal Palmor, segundo o jornal The Jerusalem Post. Palmor destacou ainda que "o relativismo moral por trás dessa atitude faz do Brasil um parceiro diplomático irrelevante, que cria problema ao invés de contribuir para solucioná-los". 
A infeliz nota divulgada pelo Brasil revela completo desconhecimento do conflito israelo-palestino e a tendência anti-Israel por parte do comando do Itamaraty, que em nenhum momento sequer censurou o grupo terrorista do Hamas. Uma atuação diplomática no mínimo responsável exigiria pelo menos a análise imparcial do acontecimento, sem emitir juízo de valor antes de compreender toda a extensão do problema.
O que faz do Brasil um "anão diplomático" é o atual perfil ideológico do comando do Estado Brasileiro, no momento conduzido pela esquerda, cuja presidência tem como "assessor especial para Assuntos Internacionais", ele, Marco Aurélio Garcia, o apoiador das ditaduras.
Valmir Nascimento
Jurista, teólogo e mestrando em teologia. Possui pós-graduação em Direito e antropologia da religião. Professor universitário de Direito religioso, Ética e Teologia. Editor da Revista acadêmica Enfoque Teológico (FEICS). Membro e Diretor de Assuntos Acadêmicos da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure). Analista Jurídico da Justiça Eleitoral. Articulista em periódicos nacionais. Escritor e palestrante. Presbítero da Assembleia de Deus em Cuiabá/MT.
Fonte: CPADNews

terça-feira, 29 de julho de 2014

Papa Francisco pede a perdão a pastor por perseguição de católicos a evangélicos


O papa Francisco visitou nesta segunda-feira, 28 de julho, um pastor na cidade de Caserta, no sul da Itália. A visita já é vista como histórica, pois foi a primeira vez que um pontífice católico sai do Vaticano para se encontrar com um sacerdote protestante.
O encontro entre Francisco e Giovanni Traettino, pastor da Igreja Evangélica da Conciliação aconteceu durante um evento com a presença de 350 fiéis protestantes de todo o mundo.
Conhecido por seu discurso de unidade entre cristãos, Francisco pediu perdão aos evangélicos por conta da perseguição feita contra eles por muitos católicos: “Entre as pessoas que perseguiram os pentecostais também houve católicos. Eu sou o pastor dos católicos e peço perdão por aqueles irmãos e irmãs católicos que não compreenderam e foram tentados pelo diabo”, afirmou o papa.
Francisco disse ainda que a pluralidade no meio cristão é fruto do Espírito Santo, e que é preciso dar espaço para que através da reconciliação, os seguidores de Cristo voltem a ser um só: “O Espírito Santo cria diversidade na Igreja. A diversidade é bela, mas o próprio Espírito Santo também cria unidade, para que a Igreja esteja unida na diversidade – para usar uma palavra bonita – uma diversidade reconciliadora”, discursou.
Em sua conclusão, Francisco pediu que os cristãos sejam mais solidários, ajudando os mais fracos e necessitados, além de sugerir que se busque uma vida ao lado de Deus: “Não compreendo um cristão que está quieto, o cristão deve caminhar. Há cristãos que caminham ao lado de Jesus, mas em alguns momentos não caminham na presença de Jesus. Isto é porque são cristãos que confundem caminhar com andar, são errantes”, finalizou.
Ao final, Francisco dirigiu-se à casa do pastor Traettino, onde tiveram uma conversa privada. Depois, o papa visitou o templo da igreja evangélica na cidade e cumprimentou os fiéis e curiosos que estavam à porta antes de entrar. Lá dentro, segundo o G1, reuniu-se novamente com o pastor, longe das câmeras.

Fonte: Gospel+

Meu comentário:

Em que pese o gesto ser nobre e bíblico, até que haja uma reversão nas heresias pregadas e mantidas pela Igreja Católica Apostólica Romana, a atitude se mostra no mínimo muito estranha e com uma motivação duvidosa.

Na realidade, o atual sumo pontífice, aperta o acelerador, em sua missão de influenciar e comandar as diversas religiões existentes num verdadeiro ecumenismo global.

É preciso muito discernimento e vigilância.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

NOTA DE FALECIMENTO - Pr Rune Soderberg - 27.07.2014

Pr Rune Soderberg - 1927/2014


Morreu Pr Rune Soderberg - 1927 - 2014

É  com profundo pesar que informo a promoção às mansões celestiais no dia de hoje, do Rev. Rune Sodeberg,  fundador e pastor emérito da Igreja Batista Filadélfia de Santos, mais conhecida hoje como Ministério 100% Vida.
O corpo estará sendo velado amanhã, 2ª Feira, a partir das 09:00 no Templo da Igreja Filadélfia, em Santos, localizado à Rua da Liberdade, 442 - CEP 11025-031 - Embaré - Santos – SP - Brasil Fone: (13) 3877-5900
À família enlutada e à toda a comunidade do Ministério 100% Vida, os votos de que o Espírito Santo venha cnsolá-los.
"Preciosa é à vista do Senhor, a morte dos seus santos"  - Salmos 116:15



O corpo estará sendo velado na Igreja Batista Filadélfia, a partir das 13:00 hs
Rua da Liberdade, 442 - Embaré - Santos - SP

Culto de Gratidão   -   19:00 horas, na Igreja Filadélfia de Santos

Sepultamento   -   21:00 horas   -   Cemitério Memorial de Santos

Biografia do Pr. Rune Sodeberg


CARL AXEL RUNE SÖDERBERG, Sueco, 87 anos, nasceu em 13 de março de 1927, em Domsjö – SjälevadSuécia, filho de Olov Albin Söderberg, falecido em 1959 e Sara Sofia Söderberg falecida em 1982, casou-se em 19 de junho de 1953 com Sif Ingrid Ulla-Britt Söderberg, 82 anos e tem 3 filhos: Staffan Carl Olov Söderberg, , médico cirurgião cardio-vascular, Tomas Edvard Rune Söderberg, com 52 anos, médico cirurgião ortopedista e Annika Ingrid Maria Söderberg Campos, com 48 anos, cirurgiã dentista. Filhos estes que lhe proporcionaram 6 netos.
Estudou na escola regulare de sua cidade natal, tendo posteriormente, após 6 anos intensivos, obtido o Registro Profissional na Domsjö Eletriska (Härnösand). Esta qualificação para a eletricidade já despontara nas forças armadas suecas, onde serviu de 1947 a 1948, como mestre de linha, o responsável em caso de guerra pelas instalações de alta tensão (380.000 volts), compondo então a chamada tropa de engenharia.
Em 1952 por ocasião do incêndio da hidrelétrica de Gideabacka, trabalhou na sua recuperação sob o comando do prestigiadoEngenheiro Barremo, chefe de unidade.
Entre 1953 e 1955 foi o responsável pelo fornecimento de energia na região, vinculada à Mo-DO Domsjö, então a maior industria de celulose do mundo.
Entrelaçado à a sua formação e exercício profissional, os acontecimentos na vida deRune Söderberg foram marcados pela sua conversão à fé evangélica aos dezoito anos, bem como à sua vocação natural para música.
Aos 5 anos de idade, influenciado pelo tio concertista Isidor, então com 45 anos, começou seus estudos de violino que o levaram aos 18 anos a credenciar-se ao ingresso na Escola Superior de Musica da Academia Nacional Sueca em Estocolmo.
Exatamente no momento em que teve um encontro com Jesus como Senhor e Salvador, veio a comissão dada por Deus, para servi-lo como pastor e missionário em terras estrangeiras. Já em 1949, servia como evangelista em igrejas da região do interior da Suécia, embora jamais tivesse deixado neste período de tocar violino. Em 1950, por exemplo, enquanto evangelizava em Arvika, tocava na orquestra de câmara da cidade.
Foi neste mesmo ano (50), que juntamente com a esposa, iniciou a sua formação religiosa no Seminário Teológico de Örebrocujo reitor, Sven Lagerquist e o inesquecível teólogo Erik Sollerman, proporcionaram-lhe solidez de fé e caráter.Este último aliás, lembrado até os dias atuais pelos seus ensinos que momento após momento, amadurecem no coração e mente de Rune Söderberg.
Permaneceria até em 1953 no Seminário onde aprendera também os inglês, alemão e o grego, fundamentais para o futuro que se aproximava.
Foi em Örebro mesmo que a vocação sacerdotal encontrava-se novamente com a musica. A Escola Nacional de Musica abrira uma filial naquela cidade, e por pressão dos colegas de seminário habilitou-se às provas para violino sob os rigorosos ouvidos do examinador russo Max Pelz encantado não apenas pelo violino de Rune Söderberg, mas também pela sonoridade produzida pelo jovem músico, não apenas foi recebido na escola, como foi convidado a participar juntamente com o mestre do Quarteto de cordas Max Pelz. Estudou também com Thorsten Foreaues por 2 anos tendo neste período tocado em orquestra sinfônica estudado composição e contra-ponto com Ingvar Lidholm e regência com o belga George Raymond. Participa como spala da orquestra sinfônica da escola.
Nem mesmo quando retorna de Örebro para Örnskoldsvik abandona a música. Lá, passa a integrar a Orquestra Sinfônica Municipal.
Participando da Sociedade de Poetas em Örebro, o chamado “Grupo 4ª feira “é também membro da Liga dos Luthiers onde participava como um entre três juízes que avaliavam a qualidade dos instrumentos produzidos e nesta perspectiva, foi autor de vários artigos em jornais e revistas especializadas na Suécia, onde participou como solista em consertos, destacando-se ” O Canto do Pássaro”  de Vivaldi em sol menor. Já formado, recebe convite do reitor da escola musical da TV Estatal Sueca, o compositor Sven Erik Back para ser violinista na mais rigorosa seleção entre os músicos nacionais.
Rune Söderberg, contudo retorna à sua cidade, atendendo ao já delineado futuro que daria uma dimensão nova na vida do jovem casal.
Abandonaria sim, a profissão de músico, mas também a industria onde era profissional de eletricidade alias sob o lamento do seu diretor presidente Erik Kompe que marcou a vida do jovem Rune com uma frase de despedida: “ É importante que você possa trabalhar como 10 homens. Mais importante contudo é que você consiga fazer 10 homens trabalharem como você”.
 Este caçula de uma família de 13 filhos convertera-se ao cristianismo em 1944, recebera o chamado de Deus em 1949 e é consagrado como Missionário em outubro de 1955.
Como preparação ao exercício pastoral, foi co-pastor na Igreja Elim em Ö-vik ao lado do querido pastor Nils-Nilsson, tendo neste período intersticial, redigido outros artigos em jornais e revistas suecas, bem como realizado preleções em escolas superiores sobre etnografia e geologia na América Latina, revelando assim não apenas a sua grande versatilidade, como também o amor à região pela qual dedicaria a maior parte de sua vida e de seus familiares.
Finalmente em 11 de novembro de 1955 o casal à bordo do navio Margareth Johnson  da Johnson Lines sai da Suécia e em 5 de dezembro chega ao Rio de Janeiro e no dia seguinte em 6 de dezembro atraca em Santos.
Os pastores Rune e Ulla-Britt sem conhecer a Língua Portuguesa, dirigem-se à São Paulo na  Igreja Filadélfia de Água Rasa e em conato com o missionário Alfred Winderlich e Wolfgang Kundrich com os quais se comunicavam em inglês e alemão, iniciaram o trabalho de evangelização tendo ali assumido o pastorado da Igreja até a vinda do Pastor Pedro Mendes.
De fevereiro de 1958 à março de 1962 pastorearam no Rio Grande do Sul, n município de Santa Rosa onde além de construírem dois templos na cidade que se tornou inesquecível, tiveram os dois primeiros  filhos Staffan e Tomas.
De volta à Suécia em 1962 onde por dois anos pastorearam a Igreja Elim, tiveram a filha Annika e ali permaneceram até poderem retornar ao Brasil, ao assumir aquela igreja o grande amigo Henry Holm.
Em 15 de abril de 1964 deu-se a nova chegada ao Rio Grande do Sul. Porém em junho de 1964, a cidade de Santos o receberia definitivamente iniciando o período de 32 anos na Terra da Liberdade e da Caridade.
Iniciando o trabalho evangélico na ante-sala  de sua própria casa no bairro do Estuário, à Avenida Afonso Pena 477, o Pr. Rune Söderberg participaria ativamente da Convenção das Igrejas Batistas Independentes.
Como professor do Seminário Teológico Batista Independente em Campinas, de 1965 até 1967, lecionou Teologia Sistemática, Homilética, Grego e Música. Presidiu o departamento de Literatura sendo autor de textos e artigos especializados, e também o concílio dos missionários Batistas Independentes da Sociedade Missionária.
Aos a difícil cirurgia a qual se submeteu em 1976 qua quase lhe ceifou a vida, dedica-se à construção do templo da Igreja Batista Filadélfia de Santos à rua Liberdade, 442 no Embaré em Santos.
Nestes anos, ao trabalho pioneiro do Pr. Rune Söderberg somaram-se não apenas outros pastores, dentre os quais seu próprio filho, Dr. Tomas, como também outros templos em Santos e São Vicente.
A dimensão de seu trabalho estendeu-se à construção do acampamento para retiros espirituais, fundação do Instituto Bíblico Filadélfia, associação beneficente, programas de rádios e de tv diários, ou seja, a todas as formas possíveis para anunciar a Salvação em Jesus Cristo.
O hoje chamado Ministério 100% VIDA, é fruto amadurecido da semente plantada no passado pelos missionários Rune e Ulla-Britt Söderberg.
Reconhecido como autoridade eclesiástica respeitável pelo governo sueco, tem acompanhado e interpretado as visitas de autoridades Suecas no Brasil bem como realizado para a TV Sueca 6 filmes documentários sobre o Brasil, bem como realizado para a TV sueca onde, diferentemente de outros trabalhos que apontam nossas deficiências, apresenta, de forma positiva.
Fonte: Lifevida

domingo, 27 de julho de 2014

Gerados pela palavra da verdade - EBD / CPAD - Subsídio Teológico




Deus é sempre bom

A sabedoria de Deus é pura, boa, humilde, repleta de benignidade e bom senso. A carta de Tiago nos mostra que Ele em sua sabedoria age fazendo apenas o bem, jamais houve ou haverá nEle a variação entre benignidade e malignidade e entre luz e trevas.

Sejamos sempre bons, tratando o próximo como Jesus o trataria.
Os pobres e os ricos da igreja

Tiago usa enfoque escatológico para apresentar lições sobre ética cristã. A perspectiva de libertação ou julgamento na futura volta do Senhor é um fator motivacional que tem como objetivo nos incentivar a viver uma vida santa e agradável ao Senhor. Ele lembra que os cristãos são "herdeiros do reino" e "como que as primícias de suas criaturas", recorda que existe uma recompensa àqueles que se mostrarem fiéis e frutíferos, e faz admoestação dizendo que "o Juiz está às portas" para pedir prestações de contas aos que não vivem ordenadamente (1.10-11, 18; 2.5, 12-13; 3.1; 5.1-6, 9).

Os cristãos que não ocupam posições elevadas na sociedade, embora às vezes sejam desprezadas até dentro das igrejas por serem pobres, não devem ficar tristes, porque são grandes aos olhos do Senhor e jamais serão desprezadas e maltratadas por Deus (Marcos 4.18-19).

Os acumuladores

Tiago afirma que a acumulação de ouro e prata enferrujam e que a tal ferrugem servirá de testemunho contra acumuladores e a devorará como fogo. Diz que o dinheiro atrai desgraça ao que o adora, pois quem trata o dinheiro como "deus" é incapaz de ser justo, não o usa para ajudar o próximo, antes usa o próximo para enriquecer-se ainda mais.

Quem enriquece tendo como meio de enriquecimento a injustiça contra seus irmãos, um dia receberá a cobrança do Senhor dos Exércitos por não ter aliviado o sofrimento de seus filhos (Confira: Tiago 5.3-4).

O apóstolo não condena o rico apenas porque ele é rico, em 1.10-11, esclarece que a pessoa abastada também é considerada um irmão. Ele descreve os pecados que tornam alguns ricos censuráveis: uma maneira egoísta de acumular dinheiro (5.2-3); fraude contra o trabalhador (5.4); luxo sem sentido (5.5); perseguição ao justo (5.6).

Pobreza e riqueza são temas que aparecem em diversas passagens bíblicas. Deus tem um interesse todo especial pelas pessoas humildes de coração, sejam elas pobres ou ricas. Ele põe os pobres, se humildes, em lugares de honra e manda os ricos para longe de sua presença de mãos vazias, se estes forem avarentos e orgulhos (1 Samuel 2.1-8; Salmo 35.10; Provérbios 22.22-23; Amós 8.4-6; Lucas 1.51-53; 6.20, 24; 1 Timóteo 6.17-19).

Posições sociais e o acúmulo de dinheiro não tornam as pessoas mais dignas diante de Deus, então, jamais devemos atribuir a essas coisas importância exagerada e nem honrar as pessoas apenas porque elas os têm.

Os crente maduros

Tiago, usa o termo grego "teleios" ao referir-se a "perfeito" -  o dom perfeito. Tal palavra significa completo, maduro, pleno. Quando o crente recebe este dom, amadurece por intermédio dele, aperfeiçoa-se como cristão, torna-se pronto para toda boa obra. Então, que cada um de nós, aperfeiçoados pela dádiva divina, incorporemos ao procedimento diário verdades bíblicas que proporcionem maior equilíbrio e a completa maturidade espiritual. E maduros na fé, tenhamos a oportunidade de acrescentar coisas positivas à vida de outras pessoas, fazendo a diferença necessária ao nosso círculo de influência e para toda à nossa geração.


O Pai das luzes

A descrição de Deus como o Pai das Luzes é única nas Escrituras, restrita à passagem de Tiago 5.17. Com certeza, Tiago fazia referência à Lua, ao Sol e outras estrelas ao usar o vocábulo "luz". Tal abordagem alude à obra criadora e o contínuo exercício de poder de Deus sobre os corpos celestes para nos fazer entender a benevolência do Criador ao gerar o ser humano. (Jó 38-4-15, 28; 19-21; 31-33; Salmos 136.4-9; Isaías 40.22, 26;  38.38).

No mesmo verso bíblico as palavras "sombras" e "variações" são usadas com sentido astronômico, embora não sejam termos técnicos apontam claramente às constantes mudanças observadas na criação. Indicam movimentos cíclicos de rotações de planetas e satélites naturais, fenômenos de eclipses solares e lunares, alternância entre dia e noite, entre a clareza e a escuridão.

Deus, em sua imutabilidade contrastante com a mutação de toda a natureza criada, nos gerou a partir de sua determinação espontânea e gratuita pela palavra de verdade. E nos colocou como as "primícias de suas criaturas" - "criatura" no texto, em grego, é "ktismata", faz referência à criação não-humana.

É importante lembrar que a palavra grega, vertida ao português como "gerou" (apokyeo) significa "dar à luz", ou produzir uma nova vida (Efésios 2.10; 2 Corintios 5.17; Gálatas 6.15). Também, que a afirmação sobre o cristão ser como a primícia de toda a criação encontra paralelo em Romanos 8.19-23, e alude à vida espiritual.

O novo nascimento só é possível através da palavra de verdade, e ocorre por intermédio da soberania do Espírito, sendo o homem totalmente passivo nesta questão (Ezequiel 11.19; João 1.11; Filipenses 2.13). O cristão renasce através da palavra do Evangelho, cresce espiritualmente, e amadurece na fé através da aplicação da Palavra de Deus em seu viver. A disponibilidade deste desenvolvimento, cuja capacidade vem da boa dádiva e dom perfeito de Deus, visa à qualidade de uma vida de santidade, para dessa maneira glorificar ao Criador (2 Corintios 6.7; 2 Timóteo 2.5; 1 Tessalonicenses 2.13; Apocalipse 14.4).

Conclusão

As riquezas jamais deveriam dirigir os objetivos e ser a razão de viver do ser humano, pois é um estado transitório. Os recursos financeiros podem ser facilmente perdidos. sendo assim os crentes ricos e pobres devem se sentir felizes por saber que a fartura e a falta de dinheiro não significam nada para Deus. O que importa para Deus é o que a pessoa tem em seu coração e não o seu status social e saldo da conta bancária.

Que a bondade do Pai Celestial inunde a vida de cada cristão, para que, assim como Ele amou o mundo inteiro, também decida fazer o bem ao próximo. Que nós entendamos e abramos o coração ao agir de Deus e alcancemos maturidade espiritual.

Fonte: Belverede - E.A.G.

Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, páginas 1752, 1753, edição 2004, Rio de Janeiro (CPAD).
Bíblia de Estudo de Avivamento e Renovação Espiritual, página 1244, edição 2009, Barueri, (Sociedade Bíblica do Brasil).
Lições bíblicas - Mestre, Eliezer de Lira e Silva; 3º trimestre de 2014, páginas 27, Rio de Janeiro (CPAD).
Revista Exposição Bíblica - Liberdade, Fé e Prática - Gálatas e Tiago; Arival Dias Casimiro; páginas 34; 3ª edição em julho de 2013; Santa Bárbara d'0este/SP (Z 3 Editora Ltda). 
Tiago - Introdução e Comentário, Douglas. J. Moo, páginas 44, 75, 76; 1ª edição 1990, reimpressão 2011, São Paulo (Edições Vida Nova)..

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...