quinta-feira, 17 de julho de 2014

A importância da sabedoria humilde - EBD/ CPAD - Subsídio Teológico





Tiago distingue dois tipos de sabedoria. Aborda o assunto em duas passagens: 1.5 e 3.13-18. Na primeira, estimula seus leitores a pedirem sabedoria a Deus, se tiverem falta dela. E na segunda, censura algumas pessoas ciumentas e causadoras de divisões na igreja, que, reividicavam ser sábias, comparando o tipo de sabedoria que possuem - terrena, animal e diabólica - com a sabedoria que desce lá do alto.

A aplicação que o apóstolo faz do termo está de acordo  com a ênfase do Antigo Testamento, onde se diz que a sabedoria é uma dádiva divina altamente valorizada (Provérbios 2.6) pelo fato de que ajuda aquele que a possui a compreender a vontade do Senhor e a obedecer a esta vontade.

Há uma ligação entre o Espírito e a sabedoria feita pelo profeta Isaías (11.2) e destaca-se que a descrição das virtudes produzidas pela sabedoria, segundo Tiago (3.17), corresponde de perto à descrição que Paulo fez do fruto do Espírito (Gálatas 5.22-23). 


Descrevendo a sabedoria que vem de Deus


A sabedoria genuína pode ser medida pelo caráter de uma pessoa, da mesma maneira que é possível saber que tipo que uma árvore é pela produção de seus frutos.

A verdadeira sabedoria tem origem em Deus e se centraliza em Cristo (Colossenses 2.3; 1 Corintios 1.30). Ela é humilde, é caracterizada por boas obras e produz virtudes que garantem relacionamentos harmoniosos entre os irmãos. Dá capacidade de pensar da maneira mais apropriada, nos faz pessoas melhores quanto ao trato com o próximo. Assinala até onde podemos ir; quanto e como falar. É geradora de amor, cortesia e brandura, sempre manifesta respeito e modéstia e se compraz em fazer o bem.

Não é fator estimulante que leva o crente à arrogância e soberba.


A sabedoria terrena


A falta da sabedoria do alto conduz à desordem, logo a pessoa tola segue à cobiça e à competitividade destrutiva, conforme às pressões da sociedade.

A sabedoria que não vem do alto é a sabedoria do homem sem Deus, que Paulo descreve como "sabedoria deste mundo" (1 Coríntios 1.20, 21). Tiago esclarece que a sabedoria mundana é diferente da sabedoria do alto, é terrena, animal e demoníaca. É terrena porque está em contraste com o que Deus cria a partir do céu e se opõe ao que é sagrado e divino; é animal porque tem origem no homem natural, que não possui condições de entender as coisas de Deus; e, demoníaca, porque é pertinente aos demônios, age de modo contrário aos planos de Deus.

A sabedoria terrena resulta em problemas; inveja, sentimento faccioso (Tiago 3.17), e nos remete aos três inimigos do cristão: o mundo, a carne e o diabo (Efésios 2.1-3).


A necessidade de buscar e ter a sabedoria


Não é o bastante ensinar, é preciso falar e ter o que dizer. Quem pretende ensinar deve ter bom conteúdo e sabedoria para se expressar. Tiago aborda essa questão. Todos os crentes necessitam da sabedoria do alto, pois ela o capacidade a atender ao mandamento de fazer discípulos e o sustenta em todas as situações da vida (Mateus 28.19; Provérbios 4.7). 

Caso haja em si falta de sabedoria em alguma área, peça-a a Deus. Ele é bom e liberalmente dá sabedoria a quem lhe pede, para que seja posta em prática como uma ação concreta através da humildade.

A sabedoria do alto nos é transmitida  pelo Espírito Santo (Efésios 1.17; 1 Corintios 2.1-5), através da Palavra (2 Timóteo 3.15) e pela oração (Tiago 1.5).


Conclusão


A vida obedece à Lei da Semeadura, colhemos o que plantamos. O delineamento daquele que não porta a sabedoria do alto é de alguém que comete muitos pecados, principalmente o pecado que Deus mais abomina, a semeadura de contenda entre irmãos. O perfil do crente portador de sabedoria é retratado em pessoas que realizam a colheita de justiça, que é semeada em paz, pois toda pessoa sábia promove a paz (Provérbios 6.16-19; Tiago 3.18).

Tiago orienta seus leitores a abandonarem seus maus desejos e incentiva-os a viverem de modo sábio. A sabedoria de Deus produz bênção, pois o Senhor ama os pacificadores (Mateus 5.9). Busque-a e use-a sempre.

Fonte: E.A.G. - Belverede

Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, página 1757, edição 2004, Rio de Janeiro (CPAD).
Revista Exposição Bíblica - Liberdade, Fé e Prática - Gálatas e Tiago; Arival Dias Casimiro; páginas 53-54; 3ª edição em julho de 2013; Santa Bárbara d'0este/SP (Z 3 Editora Ltda). 
Tiago - Introdução e Comentário, Douglas. J. Moo, páginas 52 e 53, 1ª edição 1990, reimpressão 2011, São Paulo (Edições Vida Nova).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...