quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

DEUS DÁ A SUA LEI AO POVO DE ISRAEL - EBD/ CPAD Lições Biblicas - Subsídio Teológico


DEUS DÁ A SUA LEI AO POVO DE ISRAEL

Prof. Adaylton de Almeida Conceição

A lição da CPAD para o primeiro trimestre de 2015 é uma lição que dispensa comentários. Primeiro por tratar de um tema quase que inédito e em segundo lugar pelo nível da pessoa que faz os comentários. Se trata do Reverendo Dr. Esequias Soares, da cidade de Jundiaí-SP. Ao ser galardoado com sua amizade, tenho podido ao seu lado, aprender, além das profundidades bíblicas, uma lição de verdadeira humildade. Um verdadeiro cientista da Bíblia, conhecedor das línguas originais e um verdadeiro amante das verdades eternas. A clareza de seus escritos, a profundidade traduzida de forma simples e colocado ao alcance de todos faz com que os estudantes da lição deste trimestre se sintam privilegiados em ter em suas mãos um conteúdo tão claro, esclarecedor e de fácil compreensão. Assim que, para nós que resumimos o conteúdo dos estudos, só temos que nos juntar aos demais leitores e desfrutar de tão preciosa lição.

INTRODUÇÃO

Quando Wyclif escreveu de sua Bíblia em inglês que “Esta Bíblia é para o governo do povo, pelo povo, e para o povo”, sua declaração não atraiu nenhuma atenção até onde dizia respeito sua ênfase sobre a centralidade da lei bíblica. Que a lei deveria ser a lei de Deus era mantido por todos; Wyclif afastou-se da opinião aceita ao dizer que o próprio povo deveria não somente ler e conhecer essa lei, mas também em algum sentido governar bem como ser governado por ela.

Aproximadamente entre os anos de 1440 e 1290 a.C. mais de 2 milhões de ex-escravos iniciaram uma longa jornada do Egito para a Terra Prometida…Os israelitas foram levados para a base da península do Sinai, um deserto estéril e causticante, com uma dimensão aproxima de 38.400km2. Uma multidão de pessoas acompanhadas de seus rebanhos e criações moviam-se vagarosamente, às vezes até 18km por dia. Caminhavam seguindo rastros das nascentes de água, seguindo um caminho antigo utilizado muito tempo antes por escravos egípcios que trabalhavam nas minas de bronze e pedras preciosas do sul. Três meses depois da saída do Egito, os israelitas chegaram ao Monte Sinai, uma altura de 2.400m no topo das montanhas do sul, estabelecendo um acampamento numa colina à sombra da imponente montanha. Ficaram ali por cerca de 1 ano.

Foi durante esse tempo que Deus estabeleceu sua aliança com o povo que Ele mesmo milagrosamente livrara da escravidão. Esta aliança, de acordo com os contratos da época do Oriente Médio, era uma combinação de privilégios e obrigações.

Do monte Sinai Deus entregou a aliança durante um encontro face a face com Moisés, o líder escolhido. E foi Moisés quem transmitiu a mensagem aos filhos de Israel, carregando pelas montanhas duas peças de pedra, nas quais, Deus havia escrito as leis com suas próprias mãos. 

 “…e Ele deu a Moisés no Monte Sinai duas tábuas de pedra escritas com o dedo de Deus”. Êxodo 31.18.

MOISÉS, O INSTRUMENTO DE DEUS PARA A ENTREGA DA LEI.

Por intermédio de Moisés, Deus deu leis à casa de Israel para substituir a lei mais elevada que eles deixaram de obedecer (Êx. 34; Êx. 34:1–2; Deut. 10:2). A lei de Moisés consistia de muitos princípios, normas, cerimônias, rituais e símbolos que tinham o fim de fazer o povo lembrar-se de seus deveres e responsabilidades. Incluía a lei moral, ética, religiosa, mandamentos e cerimônias físicas—inclusive sacrifícios (Lev. 1–7)—com a finalidade de fazer com que se lembrasse de Deus e da obrigação que tinham para com ele.

Nosso estudo sobre os Dez Mandamentos será grandemente enriquecido se primeiramente considerarmos o panorama geral da lei de Deus como apresentado nas Escrituras.

A Palavra "Lei" e os Seus Múltiplos Significados

A palavra "lei", com frequência é usada para descrever as diferentes partes da revelação de Deus a respeito de si mesmo. Quando encontrarmos esta palavra, é necessário discernirmos seu sentido específico e o contexto no qual ela está sendo usada.

A palavra "lei" é muitas vezes utilizada para se referir ao Pentateuco ou os primeiros cinco livros de Moisés (Lucas 24:27). Moisés numa maneira única e singular recebeu e relatou a lei de Deus (João 1:17).

A LEI  E OS 10 MANDAMENTOS

Quando se menciona Assêret Hadibrot, mais comumente conhecida como os Dez Mandamentos, algumas pessoas possuem uma falsa impressão de que existem Dez Mandamentos que foram separados como sendo os mais importantes da Torá. Mas na verdade a tradução correta de Assêret Hadibrot é "Dez Falas" ou "Dez Ditos", sendo que estes são dez princípios que incluem toda a Torá e seus 613 preceitos, inclusive estes dez. Assim que a LEI não se resume em apenas dez mandamentos.

A palavra "lei" é muitas vezes utilizada para designar todo o sistema cerimonial de adoração entregue à Israel. Isto incluiria o tabernáculo, sacerdócio, ofertas, dias santos e as leis de dieta alimentar do Velho Testamento (Hebreus 10:1; Hebreus 9:22).

As leis civis que Israel deveria obedecer são chamadas de “lei”. Êxodo 22- 24 nos dão um exemplo desta parte da lei.

Um certo grau de conhecimento do certo e do errado foi implantado por Deus na consciência humana (Romanos 2:14-15). Num sentido mais profundo, a lei é escrita no coração daqueles que nascem de novo (Hebreus 8:10; Romanos 7:22). 

A NATUREZA DO DECÁLOGO

O decálogo está dividido em duas partes. Os primeiros quatro mandamentos tratam dos nossos deveres para com Deus (Êxodo 20:1-11). Eles são resumidos nas Escrituras pelo primeiro grande mandamento (Mateus 22:35-38). Os seis mandamentos restantes tratam dos nossos deveres para com os homens. Eles são resumidos no segundo grande mandamento. Isto prova a doutrina de Paulo em Romanos 13:8-10. 

Cada um dos Dez Mandamentos somente apontam para o dever principal de uma série de deveres. Esta forma de representar o “todo” através do singular é chamada de "Sinédoque”. 

Vamos tomar por exemplo a ordem “não matarás” que nos proíbe de ferir ou mesmo de desejar ferir nosso próximo de alguma maneira (I João 3:15; Mateus 5:21-22). De fato o dever oposto está também incluído e subentendido. A ordem de “não roubarás” inclui o dever de proteger a propriedade do nosso próximo de prejuízo ou perda quando está em nosso poder fazê-lo (Êxodo 23:4).

As leis de Deus proíbem aquilo que incite ou dê ocasião ao pecado (Compare Êxodo 20:14 com I Coríntios 7:1-2).

OS ANTECEDENTES BÍBLICOS DOS 10 MANDAMENTOS

Os dez mandamentos são relatados duas vezes no Velho Testamento: a primeira vez no livro de Êxodo (Êxodo 20:2-17), na passagem que descreve o presente de Deus a Israel, e a Segunda vez em Deuteronômio (Deuteronômio 5:6-21), no contexto de uma cerimônia de renovação da aliança. Moisés lembra o seu povo da substância e do significado dos mandamentos, enquanto eles renovam a sua lealdade à aliança com Deus. 

O CONTEXTO DOS MANDAMENTOS E A ALIANÇA COM DEUS

Os mandamentos são inseparáveis da aliança. Deus garantiu o seu comprometimento com Israel e em retorno ele impôs certas obrigações sobre o povo israelita. 

Apesar das obrigações de Israel serem expressas detalhadamente mais pra frente, a expressão mais precisa e sucinta é dada nos Dez Mandamentos. Os mandamentos listaram os princípios mais fundamentais da lei hebraica. As leis detalhadas que estão no Pentateuco, na maior parte, aplicam os princípios em situações específicas. Desta maneira, o papel dos dez mandamentos na Israel antiga era de dar direção a um relacionamento. Eles não deveriam obedecer só por obedecer ou para ganhar algum tipo de crédito, mas sim para descobrir a riqueza e a plenitude de um relacionamento com Deus. 

O CONCERTO – PACTO, ALIANÇA ENTRE DEUS E ISRAEL.

Tão grande é a distância entre Deus e a criatura, que, embora as criaturas racionais lhe devam obediência como seu Criador, nunca poderiam fruir nada dele, como bem-aventurança e recompensa, senão por alguma voluntária condescendência da parte de Deus, a qual agradou-lhe expressar por meio de um pacto.

O primeiro pacto feito com o homem era um pacto de obras, também conhecido como “pacto edênico”; nesse pacto foi a vida prometida a Adão e, nele, à sua posteridade, sob a condição de perfeita e pessoal obediência.

Tendo-se o homem tornado, pela sua queda, incapaz de ter vida por meio deste pacto, o Senhor dignou-se a fazer um segundo pacto, geralmente chamado o pacto da graça ou “pacto adâmico".

 O texto do livro de Gênesis fala de dois pactos ou alianças feitos com o ser humano. O primeiro foi feito com Adão antes da queda e o segundo, feito depois da queda, onde a salvação e a vida são oferecidas a todos. Esses dois pactos estão "centralizados em torno do primeiro Adão e do segundo Adão, que é Cristo."

CONCEITO DE PACTO OU ALIANÇA

O substantivo pacto significa, segundo o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, "ajuste", "convenção" ou "contrato". Estes três substantivos são também usados para definir o significado do substantivo aliança. Diferentes versões da Bíblia em português usam os substantivos pacto, aliança, acordo e concerto para traduzir o substantivo hebraico “berith” que aparece cerca de 290 vezes no Antigo Testamento.  Para todos esses sinônimos a ideia básica que encontramos é a de união entre duas partes, um pacto ou acordo bilateral.

A diferença fundamental entre os pactos humanos e o pacto divino-humano encontra-se na motivação do soberano Criador, que se propôs a criar e sustentar a sua criação, estabelecendo assim um vínculo que, segundo a própria Escritura, só pode ser um vínculo de amor. 

O conceito de pacto, portanto, é um conceito que deve ser entendido dentro dos vários contextos onde aparece. Várias nuanças do pacto são dadas através dos verbos que acompanham o substantivo. 

Portanto, quando se trata do pacto divino-humano pode-se dizer que o pacto é um vínculo/elo de amor, iniciado e administrado pelo Deus triúno com a sua criação, representada pelos nossos pais. 

Verificamos que nesse relacionamento, fruto dessa “aliança” ou “pacto” existe a verbalização clara da parte de Deus do que seriam as bênçãos e as possíveis maldições do pacto. Bênçãos e maldições são parte integrante dos pactos entre soberanos e vassalos no antigo Oriente Próximo.

MOISÉS E O LIVRO DA LEI

Após proclamar Sua lei no monte Sinai, Deus orientou Moisés a escrever um livro contendo diversas leis civis, levíticas, sanitárias, tributárias, militares, judiciais, e etc. (Êxodo 24:1-7 cf. Deuteronômio 4:13-14, Deuteronômio 31:24-26). E este livro é identificado como: livro de Moisés, livro da Aliança, livro da Lei, livro da lei de Moisés e, lei de Moisés. Embora Moisés tenha sido o responsável por escrevê-lo, os israelitas tinham plena convicção de que todas as suas instruções eram provenientes de Deus, e isso os motivaram a chamá-lo também de: "livro da lei do Senhor" e "livro da lei de Deus".  Assim, por este meio literário, a nação israelita obtinha direcionamento tanto nas questões políticas-administrativas quanto nas questões religiosas. Nota-se ainda que o seu vasto conteúdo guiava, direta ou indiretamente, os israelitas aos princípios exigidos pela lei de Deus (Dez Mandamentos). Deste modo, eles poderiam aprender, vivenciar e ensinar os propósitos de Deus para a humanidade.

Revdº. Adaylton de Almeida Conceição – (TH.B.Th.M.Th.D.)

Facebook – Adayl.Manancial

BIBLIOGRAFIA.

1- Adaylton de Almeida Conceição – Introducción a  las  Dispensaciones – STEM – Buenos Aires - Argentina.
2- Alexander Roberts e James Donaldson, eds., Nicene and Post-Nicene Fathers, First Series: Volume II, (Oak Harbor, WA: Logos Research Systems, Inc.) 1997.
3- Charles MacCoy e J. Wayne Baker, Fountainhed of Federalism: Heinrich Bullinger and the Covenantal Tradition (Louisville: Westminster/Jonh Knox, 1991), 99-138.
4- Paul Helm, "Calvin and the Covenant: Unity and Continuity," The Evangelical Quarterly  (1983), 65-81, 67.  
5- Ron Crisp – Introdução aos 10 Mandamentos
6- R. J. Rushdoony – A importância da Lei

Prof. Adaylton de Almeida Conceição, é Ministro do Evangelho, tendo exercido seu ministério no Amazonas e por mais de vinte anos trabalhou como Missionário na Argentina e Uruguai. É Escritor, Bacharel, Mestre e Doutor em Teologia, Pós graduado em Ciências PolíticasPsicanalista e Jornalista Profissional. É o Diretor da Faculdade Teológica Manancial.

5 comentários:

Creio no Evangelho disse...

Quero ver como o reverendo vai defender que a Lei é imutável, sendo que quando chega no 4º mandamento ela muda. Quero compreender isso..

Muito boa a bostagem meu amado Pastor..

Creio no Evangelho disse...

Postagem kkk .. 1000 desculpas Pr Carlos..

Carlos Roberto Silva, Pr. disse...

Prezado leitor e comentarista que assina como Creio no Evangelho.

A Paz do Senhor seja contigo.

Agradeço suas constantes visitas neste singelo blog.

A respeito do seu comentário anterior, venho esclarecer que, minha intenção neste espaço, não é desconstruir o pensamento doutrinário de quem quer que seja, porém, muito pelo contrário, alicerçar aqueles que já comungam da mesma fé e pensamento doutrinário. Veja que no meu bloglist, tenho muitos blogs indicados, e nem sempre comungam do mesmo pensamento que o meu, no entanto, entendo ser a net um espaço democrático para para essas exposições.

Mesmo pensando de maneira diferente, creio não ser de bom alvitre, visitar tais espaços para confrontar seus editores e ou colunistas, para isso que o leque de oportunidades e veículos são muitos, justamente para que o leitor faça suas comparações.

Grato pela compreensão, desde já despeço-me na Paz do amado Mestre

Deno Lemes disse...

A paz Pr Carlos Roberto, muito bom o seu site conheci o seu site pelo Site viva bons momentos. E gostaria de saber se faz parceria com blog site. Deus continue lhe abençoando cada dia mais.

http://esbocobibliapentecostal.blogspot.com.br/

Carlos Roberto Silva, Pr. disse...

Prezado Deno Lemes,

A Paz do Senhor.

Grato pela honrosa visita.

Seu blog site já está add no meu bloglist. Seja sempre bem vindo por aqui.

Saúde & Paz!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...