sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

CGADB - Porque os pastores não votam na chapa fechada - Por Pr.Jesiel Padilha

CGADB - 7a. AGE - Pastores votariam na chapa fechada?


A proposta da Comissão de reforma do Estatuto da CGADB pretende suprimir direitos básicos dos Convencionais.

O edital de reforma prevê mudança no Artigo 7º  para retirar o direito de votar e ser votado através de emenda supressiva ou modificativa. Se a chapa fechada for aprovada o convencional perderá o direito de votar na pessoa. Será obrigado votar na chapa.

Vamos supor que um convencional queira votar no Presidente da chapa 1, mas nessa chapa tem um divorciado como primeiro vice ou um candidato a 2º Tesoureiro que já se envolveu em escândalos sexuais. O convencional entende que esses dois não são dignos do seu voto. Entretanto terá que votar na chapa fechada. Não terá opção para escolher os melhores entre as diversas chapas como é atualmente.

Outro direito básico que será suprimido é o direito de indicar seu próprio nome na inscrição para concorrer a cargos da Mesa Diretora da CGADB.

Se o pretendente tentar protocolar seu nome para concorrer terá que ser escolhido antes por uma cabeça de chapa. Caso não seja escolhido o mesmo estará alijado do processo eletivo. A menos que tenha recursos para viajar o Brasil inteiro captando pessoas para formar um chapa arregimentando 38 nomes conhecidos. Sendo doze na região sudeste e seis de cada região para concorrer a Mesa e seus suplentes incluindo o Conselho Fiscal. Esse projeto de peregrinação e articulação ficará inviável para o aspirante ao cargo. O que acarretará sua desistência. Se não for Presidente de um grande Ministério, detentor de milionários recursos para montar uma chapa no afã de convencer outros a aderir com chances probatórias de um em um milhão, qualquer tentativa inviabilizará o projeto.

A chapa fechada além de fomentar a elitização da concorrência matará no ninho o sonho de milhares de pastores que no futuro, jamais terão a mínima chance de pelo menos concorrer a algum cargo na CGADB. Somente os escolhidos pelos detentores que estão na cabeça da chapa terão a chance de concorrer.

Quanto à terceira via que é um sonho de muitos, ficará totalmente inviável. Gerando assim uma polarização sem precedente na CGADB com a formação de dois polos maniqueístas. Um polo dirá: ou sou do bem e o outro é do mal. O outro polo dirá a mesma coisa.

A vantagem de permanecer como está, traz enriquecimento de representatividade na Mesa. Nossa Mesa diretora hoje é formada de pastores de diversos níveis sociais, culturais e intelectuais. Inclusive, vários pastores que eleitos por outra chapa, hoje estão na Mesa Diretora. Essa diversidade Ministerial será inviável com a chapa fechada. Os valores devem ser aproveitados. E eles sempre estarão nas duas ou três chapas.

Os pioneiros nacionais como Macalão, Cicero Canuto, Alcebíades, Túlio Barros, José Pimentel, João Batista, e o próprio Pastor José Wellington não aceitavam a chapa fechada. Eles votavam primeiro para Presidente e depois acomodavam o derrotado para Presidente em algum outro cargo da mesa para que não houvesse ressentimentos.

Por mais de cem anos a chapa aberta ajudou na diversidade de opiniões e deu oportunidades para todos. Não há razão para mudar isso agora. Existem muitos outros temas importantes para ser reformado. Votar na chapa fechada é votar contra o próprio votante, suprimindo direitos já adquiridos ao longo da história.

Pastor Presidente da AD Santos Ministério do Belém

2 comentários:

Pb. José Roberto da Rocha disse...

Tá parecendo voto de cabresto! Coisas dos politicos coronéis la do Nordeste,que absurdo!

Anônimo disse...

SE FOR MESMO DESTA FORMA EM QUE ACABEI DE LER,COMO CERTOS HOMENS QUE SE DIZEM SER
""homens de DEUS"",FICA ALHEIO A ESTA SITUAÇÃO.
ALGUEM TEM QUE LEVANTAR E FAZER ALGUMA COISA.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...