segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

ESPERANDO A VOLTA DE JESUS - LB EBD/ CPAD - Subsídio Teológico

ESPERANDO A VOLTA DE JESUS por Pr. Adaylton de Almeida Conceição


Mateus 24.42-46: Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis. Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o seu senhor constituiu sobre a sua casa, para dar o sustento a seu tempo? Bem-aventurado aquele servo que o seu senhor, quando vier, achar servindo assim”. 

A Bíblia Sagrada em diversos textos bíblicos exorta os crentes a não perderem a esperança na vinda de Cristo, pois uma característica dos falsos mestres a nublar a visão do crente quanto a este importantíssimo ponto doutrinário.

Uma das características dos últimos dias é a falta de preocupação com a volta de Cristo, esta que é a mensagem que mais se insiste no Novo Testamento. Esta despreocupação é, aliás, um sinal da vinda do Senhor, conforme lemos em Mateus 24.37-39,44.

ESPERANDO A VOLTA DE JESUS

Antigamente, em muitas igrejas se escutava o grito: "Cristo está voltando!". Aos ouvidos dos crentes, isto soava como um temor, pois Ele podia voltar a qualquer momento. Hoje, raramente se ouve na igreja. Não me lembro bem quando foi a ultima vez que ouvi uma pregação da volta de Jesus! Como resultado, quando olho o corpo de Cristo, vejo pouca expectativa pela breve volta do Senhor. É triste, mas só uns poucos e fiéis servos parecem desejar e querer apressar a Sua manifestação.

Na verdade, há uma nova mentalidade quanto a esse assunto entre muitos cristãos. A ideia é: "Jesus não está voltando. Ouvimos isso há anos. De todas as profecias que precisam se cumprir antes de Sua vinda, só poucas se realizaram. Por que devemos esperar a Sua volta?

Então qual é a minha responsabilidade, como cristão, para que isso não aconteça? para que as pessoas não possam pensar desta maneira. O que devo me lembrar sempre?

Em 2 Pedro 3:1-13, nos versículos de 1 à 7 diz: " (v.1) "Amados, esta é, agora, a segunda epístola que vos escrevo; em ambas, procuro despertar com lembranças a vossa mente esclarecida, (v.2) para que vos recordeis das palavras que, anteriormente, foram ditas pelos santos profetas, bem como do mandamento do Senhor e Salvador, ensinando pelos vossos apóstolos, (v.3) tendo em conta, antes de tudo, que, nos últimos dias, virão escarnecedores com os seus escárnios, andando segundo as próprias paixões (v.4) e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque, desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.(v.5) Porque, deliberadamente, esquecem que, ao longo do tempo,  houve céus bem como terra, a qual surgiu da água e através da água pela palavra de Deus, (v.6) pela qual veio a perecer o mundo daquele tempo, afogado em água. (v.7) Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, tem sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios.

Estamos vivendo os momentos finais da igreja sobre a terra e o Senhor nos quer atentos, vigilantes, para este grande momento: “A volta do Senhor Jesus”. Devemos amar a Sua vinda, esperando com fé e mantendo-nos vigilantes, pois o dia e a hora não se sabe, nem os anjos,... somente o Pai (Mt 24:36).

No texto de João 14:1,2,3, o próprio Senhor Jesus fala que ele mesmo iria nos preparar moradas celestiais, desejando a nossa presença ao seu lado. No cap. 17:24 de João, Jesus mostra o quanto nos ama e pede ao Pai que onde ele estiver nós estejamos com Ele para que vejamos a Sua Glória. Hebreus 13:14 diz que neste mundo não temos cidade permanente, mas buscamos a futura que Jesus foi preparar, nos Céus.
Já o texto em Atos 1:9 a 11 mostra a promessa da volta do Senhor e  a certeza que temos, declarada pelos anjos, quando afirmam para os seus discípulos: “… Esse Jesus que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir”.
A BEM-AVENTURADA ESPERANÇA – CRISTO VEM

Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande   Deus e o nosso Senhor Jesus Cristo”. Tito 2.13

O QUE NÃO É A BEM AVENTURADA ESPERANÇA?

A bem-aventurada esperança não é a conversão.
Na conversão, Jesus entra no nosso coração. Paulo tinha Jesus no seu coração quando nos escreveu; mas ainda estava aguardando a sua volta.

A bem-aventurada esperança não é o Pentecoste.
O Dr. Leslie, do City Temple, Londres, disse que as Escrituras, que falam da volta de Cristo se cumpriram plenamente, com o derramamento do Espírito Santo, no dia de Pentecostes. Mas, depois da descida do Espírito Santo, descobri que há  dezenas referencias sobre a vinda do Senhor, como algo que ainda aconteceria.

A bem-aventurada esperança não é a Morte.
Davi disse no momento de sua morte: “Tu estás comigo”; Paulo disse que; “ ...estar ausente do corpo é está presente com o Senhor”. O Dr Bob Jones, disse: “Durante toda a minha mocidade pensei que a morte era a vinda do Senhor, porém a Bíblia chama claramente a morte de um inimigo, e a vinda do Senhor é a vinda de um Amigo”.

O QUE É A BEM-AVENTURADA ESPERANÇA?

A Bem-aventurada esperança é a volta literal, visível e corpórea do nosso Senhor Jesus Cristo, para arrebatar os crentes verdadeiros, para um encontro com Ele nos ares. Muitos não compreendiam expressões tais como: “Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui estão que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do Homem no Seu reino” (Mat. 17.28);Porque  em verdade vos digo que não acabareis de per-correr as cidades de Israel sem que venha o Filho do Homem(Mat. 10.23). Eles creram que Jesus voltaria em sua geração. ...MARANATA.

Martinho Lutero disse: “O mundo corre tão apressadamente para o seu fim, que fico assombrado com o pensa-mento que o último dia romperá antes de que eu completar a tradução das Sagradas Escrituras”. No ano de 1534 ele havia traduzido ambos os Testamentos. Outros marcaram datas para a vinda de Cristo...

"Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai” (Mateus 24:36)

Jesus continua essa afirmação com uma palavra qualificativa: “Pois...” (24:37). Ele prossegue para descrever como será a conduta prevalente da humanidade quando do Seu retorno. Ele não nos deu a data da Sua vinda, mas efetivamente nos diz como será a sociedade de então.

Ele a seguir traz algo das escrituras:
Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem (24:38-39).

Jesus também menciona o tempo de Ló:
O mesmo aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre e destruiu todos. Assim será no dia em que o Filho do homem se manifestar(Lucas 17:28-30).

Jesus Falou de um Grande e Súbito Desaparecimento de Pessoas da Terra
Naquela noite, dois estarão numa cama; um será tomado, e deixado o outro; duas mulheres estarão juntas moendo; uma será tomada, e deixada a outra. Dois estarão no campo; um será tomado, e o outro, deixado (Lucas 17:34-36).

Os discípulos de Jesus perguntaram,
Para onde estas pessoas serão levadas?”.

Ele respondeu,
Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão também as águias” (17:37). 

Ele estava dizendo,
Eu sou o cabeça do corpo. E a cabeça irá ser unida ao corpo”.

COMO DEVEMOS ESPERAR A VINDA DO SENHOR? QUAL DEVE SER A ATITUDE DA IGREJA?

A Igreja deve estar sob a expectativa da vinda do Senhor a qualquer momento. Somente um crente que assim agir, santificar-se-á e estará pronto para ver a face gloriosa do Senhor nos ares – (Mt.25:46Ap.16:15).

A celebração da ressurreição de Jesus nos faz olhar para trás. Relembramos o seu sacrifício, sua ressurreição e sua ascensão. Mas, as comemorações da ressurreição nos motivam a olhar para frente: a segunda vinda de Cristo. E a certeza a vinda de Jesus e do juízo final devem impactar a nossa vida cristã.

O texto de 2 Pedro 3:11-13 diz: Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade, Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão? Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça”.

Estes versículos estão requerendo quatro atitudes da Igreja, uma vez que a volta de Jesus é certa. As quatro atitudes são: 1) Santidade, 2) Piedade, 3) Esperança e 4) Evangelismo.

Primeiro, devemos levar uma vida de santidade e piedade (vv.11 e 14). 
O verbo “dever” indica que há uma obrigação de vivermos em santidade. A expectativa da volta de Cristo deve nos motivar a ter uma vida pura. Devemos amar a vinda do Senhor e levar uma vida santa e piedosa.
Talvez a melhor forma de entendermos o conceito bíblico de santidade é começar refletindo sobre o que não é santidade.

Santidade não é isolamento (Mt 5:14-16):
É bem verdade que a palavra santidade significa separação. Porém, esta palavra, isolada do seu real contexto cristão, pode gerar uma conduta anticristã na igreja de Cristo, por incrível que pareça.

Santidade não é superioridade (2Tm 2:15):
Há quem tenha o péssimo comportamento religioso de achar-se mais santo, mais justo e mais sublime do que os outros. Paulo disse a Timóteo: “Procure apresentar-te a Deus aprovado...”, e não aos homens. Não devemos exibir nossa santidade aos homens, com a intenção de que eles olhem para nós e nos admirem por nossa justiça. Os fariseus dos tempos de Jesus já cometeram esse erro, e foram duramente censurados por Jesus por causa disso.

Santidade não é perfeição (1Jo 1:10; 2:1):
Infelizmente, a nossa atual condição de santidade não é uma condição de perfeição. Gostaríamos de viver em tal estado. Gostaríamos de ter a certeza de que nunca mais, até o fim da nossa vida, cometeremos qualquer pecado. Mas a verdade é que ainda estamos sujeitos ao pecado. O processo de aperfeiçoamento em nós não está completo. Com isso não estou abrindo uma porta para o pecado. Deus é santo e jamais vai tolerar o pecado. Nós simplesmente não devemos pecar. Por isso o apóstolo João disse “não pequeis”.

Santidade é:
1) uma resposta ao amor de Deus, é
2) evidência de que se tem o amor de Deus, e
3) uma obra exclusiva do próprio Deus.

1. Resposta ao Amor de Deus.
(Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima  Cl 3:1): Sabendo que Cristo nos amou primeiro, só nos resta amá-lo também. Por amor e Ele e em gratidão a tudo quanto Ele fez por nós, queremos viver de uma forma que o agrade. Entendemos que a melhor forma de agradá-lo é fazer sua vontade.

2. Evidência do amor de Deus.
(Mas agora que vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus, o fruto que colhem leva à santidade, e o seu fim é a vida eterna. Pois o salário...  Rm 6:22-23): Fruto é resultado. O que o texto diz é que, se de fato fomos libertados do pecado e passamos a servir a Deus, e resultado dessa obra de Deus em nós chama-se santidade. Ou seja: se alguém não vive santidade, é evidente que ainda não foi alvo da libertação de Deus.

3. Obra de Deus:
Santidade não é algo que nós mesmos podemos produzir em nós. Quando tentamos santificar a nós mesmos, o resultado é legalismo e vaidade religiosa. Somente Deus, que é Santo e santificador é que pode nos santificar. Ele é poderoso para criar em nós um coração puro (Sl 51:10) e para nos santificar por Seu sangue (1Jo 1:7) e por Sua Palavra (Jo 17:17).

No versículo 14, Pedro repete: Por essa razão, pois, amados, esperando estas coisas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis”. Ele responsabiliza o crente a se esforçar para ‘manter’ uma vida de santidade irrepreensível.

Piedade:
Não é fácil definir a palavra piedade. Ao recorrermos a bons dicionários bíblicos logo percebemos que os tradutores utilizam várias palavras, ilustrações e contextos para conseguir defini-la. A palavra traduzida por piedade em 2 Pe 3:11 é eusebeia, do grego, que quer dizer (juntamente com suas palavras correlatas) temor, reverência, zelo, respeito, devoção, honra, e ainda serviço e adoração. 

Esperança:
esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda... – v.12”.
O texto base desta mensagem diz também que, diante da inequívoca volta de Jesus, devemos viver com esperança. Mas esta é outra palavra que requer atenção, pois pode ser facilmente confundida com o conceito mundano de esperança. O que é então esperança no contexto bíblico?
O apóstolo Paulo nos ajudará a entender que, de certa forma, esperança cristã é o futuro no presente. “Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, jus-to juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda(2Tm 4:8). Portanto, esperança é o futuro no presente. Trata-se de uma certeza, e não de uma mera possibilidade.

Evangelismo:
Pedro declara:esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão (v.12). A palavra “apressando” tem o sentido de “dar pressa”. Quando Pedro diz que devemos apressar a vinda do Senhor ele está dizendo que devemos evangelizar o mundo. Vários mestres da Teologia na história da igreja fizeram esta mesma afirmação com base em alguns textos bíblicos, especialmente o de Mateus 24:14, que diz: “E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em todas as nações, e então virá o fim– palavras do próprio Jesus. Portanto, a melhor forma de prepararmos os caminhos da volta do Senhor é pregando e levando o Seu Evangelho a todas as nações. Nossa maior missão é evangelizar o mundo.

Devemos nos firmar na Palavra de Deus (vv.15-16).
Pedro nos recomenda que enquanto Cristo não voltar, devemos permanecer fieis a Bíblia. A nossa salvação e santificação estão firmadas na Palavra do Senhor. Pedro reconhece a inspiração, a inerrância e autoridade do escritos de Paulo (v.15). Ele reconhece a inspiração que Paulo recebeu de Deus, para escrever suas cartas. Não devemos imitar os falsos mestres que ignoram e deturpam as Escrituras, para a sua própria destruição (v.16). A palavra “destruição” refere-se à morte eterna causada pela rejeição da Palavra de Deus.
Será que estamos de malas prontas para a nossa longa viagem com Cristo?
Pr. Dr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.Th.D.;D.Hu.) 
(O Pr. Dr. Adaylton de Almeida Conceição foi Missionário no Amazonas e por mais de 20 anos exerceu  seu ministério na Republica Argentina, é Bacharel, Mestre e Doutor em Teologia, Escritor, Professor Universitário, Jornalista Profissional, Pós graduado em Ciências Políticas). 
Facebook: Adayl Manancial

BIBLIOGRAFIA
  • Adaylton de Almeida Conceição – A Bem-aventurada Esperança
  • Prof. Ramos – a Volta de Cristo.
  • Arival Dias Casimirom – Como Devemos esperar a vinda do Senhor
  • Éder Carvalho – Quatro atitudes da Igreja diante da inequívoca volta de Jesus
  • Angelo Reis – Você está esperando e apressando a vinda de Jesus?

Um comentário:

Anônimo disse...

Sou diácono da assembléia de Deus,mas acho a visão dispensacionalista totalmente equivocada,ela foi criada por Darby no século XIX,a igreja cristã primitiva nunca creu nisso.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...