sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Empréstimo de igreja à mulher de Cunha era lavagem de dinheiro

Lava Jato suspeita que transação envolvia propinas recebidas pelo ex-deputado

Após a prisão do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), começam a surgir novas denúncias relativas às investigações da força-tarefa da Operação Lava Jato. Nesta quinta-feira, foi revelado que a Igreja Evangélica Cristo em Casa fez um empréstimo de R$ 250 mil para Cláudia Cruz, mulher do ex-presidente da Câmara.
De acordo com o Estadão, o pedido de prisão de Cunha, emitido pela Procuradoria da República, no Paraná, afirma que ocorreu um ‘empréstimo simulado com estratagema para lavagem de dinheiro’. A igreja citada é presidida pelo radialista Francisco Oliveira da Silva, ex-deputado federal e aliado de Cunha.
O empréstimo em questão aparece na Declaração do Imposto de Renda de Cláudia relativo a 2008. Contudo, “com a quebra de sigilo bancário de Cláudia Cruz e de Francisco Oliveira da Silva, não foram identificados relacionamentos financeiros entre as partes”, destacam os procuradores.
Para os investigadores do caso, parece “lógico que a simulação do contrato de mútuo serviu apenas como uma fraude para dar lastro para o ingresso de recursos espúrios provenientes dos crimes praticados por Eduardo Cunha no patrimônio da investigada”.
Além disso, em abril deste ano Cláudia Cruz prestou depoimento à Lava Jato, onde afirmou, que conhece Francisco Oliveira da Silva e também que ‘nunca teve situação de necessidade financeira’. Na ocasião foi questionada sobre o empréstimo, mas insistiu em dizer que nada sabe ‘sobre este fato’.
A mulher de Eduardo Cunha também é ré na Lava Jato. Ela é acusada de lavagem de dinheiro. O Ministério Público acredita que Cláudia tenha evadido cerca de US$ 1 milhão por meio de contas secretas no exterior. O dinheiro seria proveniente de dinheiro da corrupção na Petrobrás. O presidente da Evangélica Cristo foi procurado, mas não foi localizado.

Outra Igreja envolvida na Lava Jato

Esta não é a primeira igreja evangélica que aparece ligada a Eduardo Cunha. Em agosto de 2015, a Procuradoria Geral da República (PGR) denunciou que o ex-parlamentar recebeu pelo menos R$ 250 mil em propinas por intermédio da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em 2012.
A documentação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) afirma que o lobista Júlio Camargo foi orientado a fazer depósitos na conta da Assembleia de Deus Madureira em Campinas.
Por causa disso, em maio deste ano, o pastor Samuel Cássio Ferreira, por decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) passou a ser investigado pela Lava Jato.
Samuel é o filho caçula do bispo Manoel Ferreira, presidente do Ministério Madureira. O delator Fernando Baiano mostrou à Justiça provas que foram feitos depósitos na conta da igreja.
Baiano é apontado como “operador” do PMDB no esquema de corrupção instalado na Petrobras, conhecido como “petrolão”. A “doação” orientada por ele para a igreja serviria para quitar parte do débito com o parlamentar.
Segundo o procurador-geral Rodrigo Janot, “não há dúvidas de que referidas transferências foram feitas por indicação de Eduardo Cunha para pagamento de parte do valor residual da propina referente às sondas”. Ele desataca ainda que Júlio Camargo nunca frequentou a igreja evangélica e “professa a religião católica”.
Fonte: Gospel Prime

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...