segunda-feira, 5 de julho de 2021

Acordo entre Israel e Líbano pode favorecer construção do 3º Templo, diz publicação judaica



O ministro da defesa de Israel, Benny Gantz ofereceu ajuda ao vizinho do norte, em face da grave crise humanitária no Líbano.

Com citação do texto bíblico de Zacarias, uma publicação do Israel 365 News diz que uma ajuda ao Líbano anunciada por Israel é um potencial presságio para a construção do Terceiro Templo.

A citação feita diz: “E Tiro edificou para si fortalezas, e amontoou prata como o pó, e ouro fino como a lama das ruas. Eis que o Senhor a despojará e ferirá no mar a sua força, e ela será consumida pelo fogo.” (Zacarias 9:3,4)

Segundo Adam Eliyahu Berkowitz, autor do texto, o ministro da Defesa, Benny Gantz, ficou tão comovido com a aflição sofrida pelo vizinho de Israel ao norte que ofereceu os “serviços israelenses para ajudá-los em seus terríveis problemas econômicos”.

Em seu Twitter, Gantz escreveu: “Como israelense, como judeu e como ser humano, meu coração dói ao ver as imagens de pessoas passando fome nas ruas do Líbano”.

Ele completa dizendo que “Israel ofereceu ajuda ao Líbano no passado e ainda hoje estamos prontos para agir e encorajar outros países a estender a mão para ajudar o Líbano para que mais uma vez floresça e saia de seu estado de crise.”

Paz com o Líbano como parte do Templo

Segundo o autor, um acordo de paz com o Líbano seria, talvez mais do que um acordo com qualquer outro país, o início de uma nova era que pode ser mais propícia à construção do Terceiro Templo em Jerusalém. Quando o filho de Davi, Salomão, começou a construir o primeiro Templo Judeu em Jerusalém, ele imediatamente recorreu ao governo do Líbano para desempenhar um papel essencial em sua construção.

Salomão enviou a seguinte mensagem ao rei Hirão de Tiro: “Como fizeste com Davi meu pai, mandando-lhe cedros, para edificar uma casa em que morasse, assim também faze comigo. Eis que estou para edificar uma casa ao nome do Senhor meu Deus, para lhe consagrar, para queimar perante ele incenso aromático, e para a apresentação contínua do pão da proposição, para os holocaustos da manhã e da tarde, nos sábados e nas luas novas, e nas festividades do Senhor nosso Deus; o que é obrigação perpétua de Israel.” (2 Crônicas 2:3, 4).

Os cedros, o símbolo nacional do Líbano até hoje, também foram usados ​​como um elemento importante na construção do Segundo Templo.

Os construtores, sob a liderança de Esdras, pagaram os cortadores e artesãos com dinheiro, e os sidônios e os tírios com comida, bebida e óleo para trazer madeira de cedro do Líbano por mar, para Jope, de acordo com a autorização concedida a eles pelo rei Ciro da Pérsia, mostra Esdras 3:7.

Crise humanitária no Líbano

De acordo com o Israel 365 News, após décadas de corrupção e má gestão do governo, a economia do Líbano está em uma espiral mortal desde 2019. Afligida pela hiperinflação, mais de 50% dos libaneses hoje vivem na pobreza. O Banco Mundial classificou a crise financeira do Líbano como provavelmente entre as 10 primeiras, possivelmente até as três principais, as crises mais graves do mundo desde meados do século XIX.

Antes considerado um centro mundial de comércio, apelidado de Paris no Mediterrâneo, o Líbano está atualmente sofrendo sua pior crise econômica em 30 anos, ainda pior do que durante sua guerra civil de 15 anos que terminou em 1990. A lira libanesa despencou para recordes de baixa, perdendo 90% de seu valor em dois anos.

Essa desvalorização tornou difícil para o governo fornecer combustível, eletricidade, suprimentos médicos e serviços básicos. Do jeito que está, o Líbano está sem um governo funcional desde que o gabinete do primeiro-ministro Hassan Diab renunciou após a explosão no porto de Beirute.

Os bancos emprestaram até 70% de seus ativos e muitos estão enfrentando insolvência e falência. Quarto país mais endividado do mundo, o Líbano deixou de pagar sua dívida internacional em março passado pela primeira vez em sua história.

Mas esta crise econômica está afetando a pessoa média com mais força. O Líbano importa cerca de 80% dos bens que consome, então a taxa de câmbio abismal significa que os bens básicos custam cinco vezes o que custavam há dois anos. A inflação no ano passado foi de 84% e deve atingir 77% este ano. A inflação dos alimentos atingiu mais de 400%. Com 40% de desemprego, muitos libaneses se encontram hoje sem condições de pagar suas necessidades básicas.

Líbano: um aliado natural e histórico

Israel se ofereceu para ajudar o Líbano no passado, principalmente após a explosão massiva no porto de Beirute em agosto de 2020. O presidente libanês Michel Aoun e sua filha, Claudine Aoun, expressaram publicamente abertura para tal relacionamento com Israel.

O comércio mutuamente benéfico entre o Líbano e Israel só poderia beneficiar o país. O maior obstáculo é, claro, a influência do Hezbollah no governo, reforçada por suas centenas de milhares de foguetes prontos para disparar contra Israel. Os benefícios do comércio incluiriam permitir ao Líbano começar a explorar suas reservas offshore de gás e petróleo.

O Hezbollah, uma entidade importante na política do Líbano, sugeriu uma fonte diferente de ajuda. O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, afirmou nas últimas semanas que a crise da gasolina no Líbano poderia ser resolvida dentro de alguns dias se o país simplesmente aceitasse os embarques de petróleo iraniano, que estão sob sanções da lei internacional.

Fonte: Guiame

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...