domingo, 10 de janeiro de 2016

LIBERTAÇÃO - CRENTE PRECISA?


Recentemente fui convidado a participar de uma festividade em uma igreja, e chegando lá o pastor me informou ser um culto de libertação.

Ao perguntar a ele quantas pessoas não crentes estavam no plenário do templo, ele mesmo admitiu que praticamente todos eram membros da própria igreja, e, em que pese ser uma dia de semana, é bom registrar que o templo estava praticamente lotado.

Isso chamou minha atenção e comecei a falar com Deus, orando no espírito, quando veio paz ao meu coração e como uma luz interior clareou:

HÁ CRENTES QUE PRECISAM DE LIBERTAÇÃO!

É comun entendermos que precisam de libertação, somente aquelas pessoas cuja manifestação demoníaca se apresenta em forma de possessão. É bom que se registre que muitos não estão possessos, porém estão opressos, ou seja oprimidos.

A Bíblia diz:

"Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." 2 Coríntios 5: 17

Como pode alguém que se diz cristão genuíno, produzir em suas palavras e ações, atitudes que não condizem com a vida de um verdadeiro cristão, mas sim de alguém que nunca conheceu a Jesus?

Reitero aqui que, em assim sendo, nada conta a favor dessa pessoa, nem a denominação, ou mesmo o tempo de evangelho, a idade, o cargo eclesiástico que tenha onde congrega, a carteirinha de membro, ou seja, absolutamente nada. O inimigo nada respeitará, a não ser que esse "irmão" se converta de direito e de fato.

Nós seres humanos, na condiçao de cristãos, graduamos e rotulamos alguns níveis de pecado como se isso fosse verdade. Entendemos, via de regra, que alguns pecados como adultério, fornicação, roubo declarado e alguns tipos de escândalos, são pecado graves e "para a morte".

Onde está escrito isso na Bíblia?

Pecado é pecado e não tem classificação.

A Bíblia diz:

"Todos pecaram e destituidos estão da glória de Deus." - Romanos 3: 23

Não existe essa classificação do que é mais pecado ou menos pecado.

O problema consiste em que, nessa cultura criada, muitos pecados permanecem no seio da igreja como se fossem coisas comuns: Inveja, ciúme, palavras torpes, maledicência, inimizades, porfias, guerra pelo poder, mentira, bebedeira, glutonaria, feitiçarias disfarçadas de superstições, e outras coisas mais. O apóstolo Paulo em Gálatas 5: 20 traz uma grande relação do que acontecia naquela época, eu creio que hoje a lista cresceu.

São pecados considerados de "menor importância", dos quais a maioria não se arrepende, não pede perdão e muito menos perdoa, e nessa "toada" continuamos brincando de ser crentes, ou seja, enganando e sendo enganados. No dia da celebração da ceia, não produzimos qualquer exame introspectivo como a Palavra recomenda e "venha cá pão, venha cá o vinho" e está tudo certo. Como diz uma pessoa que conheço, são os "papa-ceia".

Quando Paulo fala aos coríntios: "Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice". I Coríntios 11: 28, está dizendo que devemos fazer o exame, aarrependermo-nos do que está errado, e mudarmos nossos caminhos.

Por esse motivo, nossa geração "canta", "louva", "determina", "profetiza", "decreta", "expulsa", porém na prática na prática, nada ou muito pouco para ser otimista, acontece. É culto de libertação, vitória, sete dias e sete semanas disso e daquilo, campanhas e correntes e...... NADA! Tenho a nítida impressão que isso tounou-se uma maneira prática de arrecadar dinheiro, quando em todos os tempos a igreja sobreviveu financeiramente com os dízimos e ofertas alçadas, mesmo a neotestamentária.

Não estaríamos tentando conciliar todas essas práticas "aparentemente maravilhosas, porém discutíveis à luz da Palavra" com os citados pecados, numa tentativa de uma conciliação espúria e que desagrada a Deus? Não seria uma tentativa inglória de enganarmos a Deus?

Meus amados e queridos irmãos, me coloco entre todos pois não sou melhor do que ninguém, vamos abrir os olhos porque algo está errado.

Esses pecados, tidos como menores ou sem importância, são brechas por onde o inimigo entra e se aloja, e pra falar a verdade nem se manifesta para não ser expulso. É exatamente isso que ele quer, a acomodação do pecado no meio do povo de Deus.

E vejamos que isso acontece entre a maioria, do mais novo crente e infelizmente até mesmo no meio da liderança da igreja, e olhe lá se a coisa não for pior ainda entre esses, de onde deveria sair o exemplo. Servindo ao Senhor e à Igreja na condição de pastor, digo isso com muito temor e tremor, pois a Bíblia diz: "Aquele pois, que cuida estar em pé, olhe não caia." I Coríntios 10: 12.

Por conta disso estamos vivendo uma tempo de "inchaço" da Igreja, ou seja, muita transferência de crentes de igreja para igreja, alguns até mesmo motivados por essas desavenças, seja com seus pares ou mesmo com a lideranças. Gente que não se conserta, não se arrepende e nem perdoa. Mudam de Igreja e continuam com os mesmos pecados. Alguns ainda levam essas maledicências para onde vão. Pastores, cuidado com essas ovelhas que andam de rebanho em rebanho. Digo isso registrando que, entendo perfeitamente que para toda regra existem as excessões. Existem também as situações nas quais a própria liderança provoca tais situações, por isso a bíblia diz: "Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria" Romanos 12: 8 - (o grifo é meu)

Como atual presidente do Conselho de Pastores na cidade onde resido e congrego, conheço algumas que já passaram por todas as igrejas, e quando não há mais nenhuma pela qual não tenham passado, trazem um ministério de fora, até que lá arrumem nova confusão e então tragam outro. É lamentável, e isso não tem outra explicação, a não ser a motivação do pecado, para o que somente a LIBERTAÇÃO através de Jesus Cristo. Onde fica para esses "crentes" a Palavra que diz: "Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres." João 8: 36


Quando digo que muita gente está enganando aos outros e enganando-se a si mesmo, é justamente porque pensam que Deus é amor e no fim tudo vai dar certo. Deus é amor, mas ao mesmo tempo é Justiça e Fogo consumidor.
Não brinquemos com Deus.

Vejamos o que diz a Palavra de Deus:

"Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus." Gálatas 5: 19-21

Repito o final do versículo:

"NÃO HERDARÃO O REINO DE DEUS"

Quem diz isso não sou eu, mas a Palavra de Deus.

Por isso meus irmãos, finalizo dizendo:

PRECISAMOS PREGAR A PALAVRA QUE LIBERTA PARA OS CRENTES

Que o Eterno tenha misericórdia de nós e através do Espírito Santo, nos conduza aos princípios da sua vontade.

Soli Deo Glória,

Pr. Carlos Roberto Silva
Servo de Jesus e da Igreja

Publicado aqui originalmente em 20.05.2009 

22 comentários:

Ubirajara Crespo (Bira) disse...

Excelente, meu amigo Carlos. Você está fazendo um excelente trabalho.

Nosso velho homem morreu e precisamos proclamar isto.

Robson Silva de Sousa disse...

A Paz do Senhor, prezado Pr. Carlos.

Li com muito pesar e temor no Senhor o referido artigo. É realmente de se lamentar que tenhamos chegado a tão decadente e triste situação.

O que me pergunto é "por que esses ditos 'cultos de libertação' direcionados em sua grande maioria para 'crentes' nunca se encerram em uma ou duas 'edições'? Falta arrependimento? Sobram ofertas? Ou é mero modismo?”

Não quero desdenhar dos líderes sinceros e preocupados com o resgate dessas almas, posto que perdido por perdido, tanto faz aquele que já teve contato com o evangelho ou o que nunca teve: TODOS PRECISAM DE UMA OPORTUNIDADE...

No entanto, penso se não seria hora de esses pastores reverem seus conceitos, suas chamadas, seus papéis como líderes espirituais...

Curiosamente postei hoje no Prossigo para o Alvo a parte final do capítulo 20 de Atos dos Apóstolos em que Paulo exorta os líderes espirituais da igreja primitiva acerca de lobos devoradores no meio do rebanho...

Infelizmente muitos desses líderes se têm feito lobos...

Que o Senhor tenha misericórdia de nós!

Robson Silva
Prossigo para o Alvo... Fp 3:14

Cristiano Santana disse...

Maravilhosa postagem Pr. Carlos Roberto

Trabalho de libertação para crentes é realmente algo paradoxal, pois por "crente" ou "cristão" já se subentende que a pessao seja liberta, conforme Jesus escreveu "E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará"

Mais impressionante ainda são as campanhas dos sete mergulhos (Naamã), das sete voltas (Jericó), nas quais as pessoas têm de ir a sete cultos seguidos, sendo que, se faltar a um deles corta a corrente e perde a benção.

Meu Deus! Onde na Bíblia diz que o cristão tem de fazer campanha ou corrente para ser abençoado?

A única corrente ou campanha que eu conheço é a da OBEDIÊNCIA.

Obedecendo a Palavra do Senhor Jesus Cristo, estejamos certos de que a provisão de que necessitamos nos alcançará naturalmente. "Buscai o Reino de Deus e a sua justiça e todas essas coisas vos serão acrescentadas".

Um grande abraço

Cristiano Santana
http://cristisantana.blogspot.com

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Pr. Ubirajara Crespo,
A Paz do Senhor!

Grato pela visita e palavras de incentivo!

Continuemos nessa marcha de soprar as cinzas, quem sabe há brasas vivas por debaixo de tudo isso!

O preclaro amigo tem sido um excelente professor nessas questões.

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Pr. Carlos Roberto disse...

Prezado amigo e irmão em Cristo,
Dc. Robson!

Graça e Paz!

Infelizmente muitos se aproveitam dessas ovelhas feridas e opressas que nunca encontram a libertação, na realidade são as ofertantes da próxima campanha.

Quem liberta é Jesus e a sua Palavra, e uma vez liberto, muitos líderes nem saberiam cuidar de um rebanho sadio.

Falar em libertação para quem já é liberto, e em bençãos para quem já é abençoado é chover no molhado, aí meu caro, tem que ler e pregar bíblia, a cruz de cristo, o calvário, a volta do Senhor Jesus e po aí se vai.
Por isso é mais cômodo campanhas e mais campanhas. Não resolvem mais trazem de volta a clientela.
Lamento, mas glorifico a Deus que tem um exército que está de olhos abertos.

Um grande abraço meu amigo.
Pr. Carlos Roberto

Pr. Carlos Roberto disse...

Olá Pb. Cristiano Santana,
Graça e Paz!

Obrigado pela visita, pelas palavras de incentivo bem como pelo comentário que agregou valores à este post.

São tantas invenções, que tem gente que já está "navegando na maionese" como diz o ditado popular.

Onde já se viu isso meu irmão?
A questão é que tem igrejas sobrevivendo da amarguras desses não libertos!

Tem uma dessas igrejas, que em seus programs de rádio ou TV, só fala de gente que ficou rica, de gente que era empregada e todos viraram patrões. O interessante é que nunca encontrei ninguém que more em minha rua, bairro ou cidade que tenha acontecido isso.
Não é estranho?

Conheço até pessoas que deixaram suas igrejas de origem e foram para lá, mas continuam hà anos na mesma situação, pelo menos na prometida melhora financeira.

Prefiro ficar com o evangelho sem aditivos como diz nosso amigo pr. Unirajara Crespo.

Obrigado pela atenção dispensada à este singelo blog.

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Creia Sempre. disse...

Caro Pr:Carlos Roberto.

É lamentavel essa situação,mais o seu texto acaba por confirmar a realidade que faz parte de muitas pessoas.

Também o que nos deixa triste é que o propósito dessas campanhas é para recadar dinheiro,falo isso pois já presenciei de perto algumas conversas de supostos líderes dizendo que sem campanha dentro da Igreja eles passam fome.

Parabéns pelo texto,precisamos de líderes com essa visão.

A paz.

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Lucimauro,
A Paz do Senhor!

Obrigado pela visita e comentário.
Sua abordagem confirma o que é no mínimo lamentável entre nós.

Façamos a nossa parte, pregando e escevendo a respeito e à luz da Palavra de Deus.

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Pr. Carlos Roberto disse...

Recebi um respeitoso e-mail de um dos leitores, por sinal um amigo, o qual por questão de ética preferiu não polemizar o fato, mas por entender que é de importância para todos os leitores publico aqui:

"Pr. Carlos, permita-me fazer 2 considerações sobre seu texto.

Crentes precisam de libertação

1) Amado, há "graus" de pecado sim. O próprio Jesus disse em Jo 19.11 : [...] aquele que me entregou a ti MAIOR PECADO TEM (enfase minha). O que Jesus queria dizer com isso? Que o pecado é maior, conforme o entendimento e o conhecimento que temos de Deus e das Escrituras. Uma coisa é um cristão de 20 anos pecar. Outra coisa é um novo convertido pecar. É lógico que tudo é pecado. Mas o julgamento será diferente. Conforme o entendimento que temos, Deus nos julgará.

2. Um exemplo singelo deste fato acima, é o seguinte: Pneumonia e AIDS. Ambas são doenças. Agora uma é maior que a outra. Um coisa é vc pensar em roubar. Outra coisa é vc praticar o ato.

Com carinho e humildade!"

Baseado na abordagem sincera, deixo aqui minha resposta:

Caro amigo,
Agradeço a sua abordagem e confesso que entendi perfeitamente, no entanto, para que possamos contribuir definitivamente com a blogosfera, acredito que vc.poderia postá-la sem qualquer problema, pois darei a minha explicação concernente a "minha forma de expressão":

Mesmo atitudes que via de regra julgsmos menos graves, também são pecados pelos quais teremos que prestar contas a Deus, as quais aqui no presente, são brechas deixadas que trazem impedimentos espirituais às nossas vidas e à Igreja.

Acredito sinceramente que estamos todos aqui para aprender, e isso trará benefícios a outros, por isso postei sem mencionar nome para respeitar sua idéia de não polemizar.
Grato pela participação.

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Robson Silva de Sousa disse...

A Paz do Senhor prezado Pr. Carlos.

Em relação ao comentário do colega acima, gostaria de fazer algumas ponderações.

Uma rápida leitura da expressão “Não existe essa classificação do que é mais pecado ou menos pecado”, dá ao leitor bem intencionado a clara percepção de que pecado é pecado, não importa o “TAMANHO”.

Se considerarmos que o termo pecado significa ERRAR O ALVO, não importa se aquele que ERRA O ALVO o faz de LONGE ou de PERTO.

A bem da verdade, ao julgarmos segundo nosso raso entendimento, teríamos que maior indulgência deveria ter aquele que ERRA DE LONGE, posto que mais distante, e em maior grau de dificuldade.

No entanto, a Bíblia declara em apocalipse que “quanto aos medrosos, e aos incrédulos, e os abomináveis, e aos homicidas, e aos adúlteros, e aos feiticeiros, e aos idólatras, e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre” (Ap. 21:8). Ver também Ap. 22:15.

Se pudéssemos pesar o pecado do “medroso” em relação ao do “homicida”, ou o do “incrédulo” em relação ao do “feiticeiro”, talvez fossemos TENTADOS a julgá-los distintamente, uma vez que alguns pecados, na prática, produzem mais graves conseqüências que outros, tanto para quem peca, quanto para quem é vitimado pelo transgressor. No entanto não é o que denotam os referidos versículos.

Obviamente que a lista acima é exemplificativa e não exaustiva. Também aqueles que praticam “Inveja, ciúme, palavras torpes, maledicência, inimizades, porfias, guerra pelo poder, mentira, bebedeira, glutonaria, feitiçarias disfarçadas de superstições, e outras coisas mais” ficarão de fora.

Daí porque entendemos também não existir uma “classificação do que é mais pecado ou menos pecado”

Considerando o exemplo do comentarista: “Jo 19.11 : [...] aquele que me entregou a ti MAIOR PECADO TEM” (ênfase dele), em que Jesus contrargumenta com Pilatos sobre sua indagação de que “tinha autoridade para soltá-lo ou para crucificá-lo”, vemos que Jesus em nenhum momento inocenta Pilatos de seus pecados, mas é como se dissesse: “Você erra de longe, eles erram de perto; mas ambos erram o alvo”.

Portanto, não haverá indulgência para aquele que se acomoda em seus “pequenos” delitos considerando que porque “pecaram menos” ou “em menor gravidade” alcançarão a misericórdia de Deus se não se arrependerem o quanto antes. Certamente que naquele dia alguns dirão:

“Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci. Apartai-vos que praticais a iniqüidade!” (Mt 7:22-23).

Estes “NÃO HERDARÃO O REINO DE DEUS”.

Em Cristo Jesus,

Robson Silva
Prossigo para o Alvo... Fp 3:14

Marcos Antônio de Souza, Pr. disse...

Pastor Carlos Roberto,
Pparabéns pelo ártigo ótimo, Crentes que precisam de libertação, continue assim.
Deus te abençõe, me envie um link. obrigado!

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Robson,
Graça e Paz!

Grato pela honrosa visita e comentário que agregou valores à este post, clareando ainda mais a idéia original, lembrando que entendi perfeitamente, a idéia do comentarista que me enviou em apartado o e-mail, o qual cooperou com zelo.
Devemos lembrar que, um mesmo texto às vezes é observado de óticas diferentes.
Isso dá a blogosfera uma amplitude de visão onde todos saem ganhando.

Obrigado.
Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Pr. Marcos Antônio,
Obrigado pela visita e palavras de incentivo.
Já enviei o link para o amado irmão por e-mail.
Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

PR MARCOS CRUZ disse...

Amado Pastor Carlos.
Saudações em Cristo!

Respondendo a sua pergunta se os crentes precisam de libertação digo que sim. Falo por mim é claro...
Eu preciso e estou em processo de libertação. Não falo dos referidos pecados de morte, pois desses já estou liberto e não deixo de pedir ao Senhor que tenha misericórdia de mim, mas falo daqueles que nem ao menos são citados em nossos púlpitos os quais o senhor fez referencia. E acredito até que cometo atos que nem mesmo tenho consciência da pecaminosidade que o envolve. Realmente preciso da misericórdia de Deus. No entanto, não procuro libertação em cultos específicos como os citados em seu texto por compactuar com seu conceito de tais reuniões.
Quero apenas acrescentar ao meu comentário que creio que os maiores cultos de libertação são os de oração, doutrina, escola dominical, públicos e outros. Sendo assim, pra mim todos os cultos são cultos de libertação, vitória, conquista etc. Aqui em Interlagos não tenho cultos específicos de libertação, mas não deixo de crer em um só minuto que em qualquer uma de nossas reuniões na igreja até mesmo aquelas informais alguém poderá ser liberto de qualquer pecado. Isto falo de crente e não crente. Eu fui liberto por Jesus em uma reunião em que a mocidade da igreja se encontrou apenas para escolher a nova liderança de seu grupo e Deus, ali naquele domingo a tarde, me chamou para o evangelho , e a partir daí mudar minha vida gradativamente. Pra mim aquele informal encontro de mocidade foi um poderoso culto de libertação. É assim que eu creio e pratico essa fé.
Ainda dentro do seu texto me permita uma pergunta: Será que nós ministros do evangelho não precisamos de libertação? Exatamente porque não quero servir como instrumento que o adversário vai usar para acomodar o pecado na igreja é que eu faço a analise introspectiva e reafirmo, EU PRECISO.
Pastor!
Parabéns seus escritos são ótimos
Abraços!!
Pr Marcos Cruz

Pr. Carlos Roberto disse...

Prezado Pr. Marcos Cruz,
A Paz do Senhor!

Grato pela sua visita e palavras de incentivo.

Continuemos na marcha de conhecer e prosseguir em conhecer o Senhor.

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

pb.vagner salvino241536 disse...

querido e amado pr.carlos fico feliz por essas palavras que so tem a nos enche de sabedoria e orietação,fico triste que ainda existem muitos crentes que fecham os olhos para estes cultos de bençãos e o Senhor Deus continue semprete iluminando,e se precisar de mim sabe onde me encontrar

Pr. Carlos Roberto disse...

Prezado Pb. Vagner Salvino,
Graça e Paz!

Que o Eterno continue te iluminando para as verdades das sagradas escrituras.

Obrigado pela visita e comentário.

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Gilson disse...

Paz do Senhor, prezado Pr. Carlos.

Creio que o termo corrente usado por alguns "espertalhoes" esta correto (para eles) pois realmente acorrentam "crentes sem entendimento" em suas armadilhas para arrecadar continuamente. Usam o mesmo artificio das novelas, o proximo capitulo é mais excitante ou melhor.
Quanto as campanhas de libertação, tambem é coerente (para o objetivo deles), pois não poderiam colocar "campanha para arrecadar sacolas e mais sacolas de dinheiro".

São pastores que apascentam a si mesmos, sem nenhum escrupulo, alguns literalmente mudam palavras em versiculos isolados para "provar" uma doutrina particular e sempre com objetivo final de arrecadar.

Coitadas das ovelhas incautas sem entendimento.

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Gilson,

Graça e Paz!

Grato pela visita e comentário que só corrobora o conteúdo deste singelo post.

Volte sempre!

Um grande abraço!
Seu conservo,

Pr. Carlos Roberto

Pb. Gilvan Paz disse...

Prezado Pastor Carlos,
A Paz do Senhor Jesus.

Vejo que mais uma vez seu post provocou uma saudável posição de multiplos pontos de vistas; o que me empolga, haja visto que a reboque também provoca uma análise mais detida sobre o assunto. Parabens!

Também "tentando contribuir", veja que a Bíblia registra pecados de ignorancia, de omissão, infidelidade, e um sem número de outros pecados. O apóstolo João em 1 Jo 5:17 evidencia uma das classificações de "grau de pecado" (concordo com meus antecessores que pecado é pecado e Deus o tratará como pecado, ao aplicar sua justiça): "... e há pecado que não é para morte". Ops, quer dizer que há pecado para a morte e outros não (?!?) Noutros versículos correlatos encontramos por ex.: Mc. 3:29 "Mas qualquer que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca obterá perdão, mas é réu de eterno pecado." e assim vai...

Como o assunto principal é Libertação, lembro-me daquela passagem onde Satanás usa os lábios de Pedro (tão apóstolo quanto aos demais, mas, naquele momento não tão "aposto"... Rsss) para falar ao Senhor Jesus quando da preparação dos discípulos antes da caminhada para seu calvário e repreendeu ao próprio Satanás em Mat 16:23 "Ele, porem, voltando-se, disse à Pedro: Para traz de mim, Satanás, que me serve de escandalo."

Caim, também "errou o alvo" mas, como mão houve arrependimento e nem libertação... Outro ponto forte que não o favoreceu é que ele "era do malígno"... Todavia, embaso meu ponto de vista sobre "libertação" no caso de Pedro, supracitado, sem mencionar os demais casos que a Bíblia registra esse resgate.

Amado Pastor: Por esta evidencia apontada, creio que devemos vigiar sim, orar sempre, para que o Senhor Jesus interceda à fim de que Satanás não possa cirandar com o seu povo... e assim, sejamos fortalecidos na fé e caminhemos para o Céu...

Quanto aos enganadores e mercadores da fé, estes não passarão incólumes pela Justiça do Verdadeiro e Justo Juiz...; com esses não nos preocupemos, mas sim com os escolhidos.

Grande abraço,
Gilvan Paz.

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro amigo e irmão
Pb. Gilvan Paz!

Obrigado pela honrosa visita.
Como sempre, seus comentários agregam valores aos artigos aqui pulicados.
Já estávamos sentindo sua ausência neste espaço!
Enfim, oremos e vigiemos...!

Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Atosmenora disse...

Referente a parte de libertação de "crentes possessos", no link abaixo deixo o assunto ao que autorizei e esta postado no blog do lucas.

http://lucasvida2009.blogspot.com.br/2012/08/kundalini-e-possessao-demoniaca-em.html

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...