sábado, 14 de dezembro de 2013

A ilusória prosperidade dos ímpios - EBD /CPAD - Subsídio Teológico

Por Eliseu Antonio Gomes

O humanismo secular está impregnado em nossa sociedade, coloca o ser humano como centro de tudo e põe Deus para fora. O escritor do excepcional livro Eclesiastes aborda o caos dessa situação, totalmente contrária à revelação das Escrituras Sagradas.

A prosperidade do ímpio

A Teoria da Evolução introduziu na mente das pessoas a filosofia que o ser humano é apenas um animal superior aos bichos, e que a sua morte é semelhante a morte de animais irracionais. Faleceu, acabou, alega.

E seguindo essa alegação equivocada, o ímpio põe a si próprio no centro do universo, não tem interesse pelo bem-estar das outras pessoas, pensa mais em si mesmo e muito pouco nos outros. Alimenta o desejo egoísta por poder e riquezas, intenção esta que o leva a desconsiderar valores morais, dignidade e bondade humana. Sem misericórdia, é capaz de oprimir quem não pode se defender. Este estilo de vida preza pelo amor ao dinheiro e tudo que ele pode comprar, faz o mundo estar repleto de situações opressivas.

Quando uma pessoa assume o controle de sua vida, acreditando ser autosuficiente, não precisar seguir a orientação do Senhor, a vida desta pessoa perde o propósito e a bênção divina. Mesmo que conquiste uma posição financeira privilegiada, viverá carregando sua existência como um fardo pesado para sua alma.

Quem é o ímpio?

Você já parou para pensar quem são os ímpios? Um pai que joga a filhinha da janela do apartamento ou uma filha que coloca indivíduos dentro de casa para matar o pai e a mãe? Sim, são pessoas más, sem compaixão, impiedosas. É comum pensar que o ímpio está longe das igrejas e deplora as religiões. De acordo com a Bíblia Sagrada, é possível ao ímpio ser extremamente religioso e usar a aparência piedosa (2 Timóteo 3.1-5, 13). Quem odeia o próximo, segundo as palavras de Jesus também é assassino (Mateus 5.21-25; 38-48; 1 João 3.15).

A frustração com o materialismo

Salomão, o homem mais rico de sua geração, procurou o sentido da vida sem o Criador no centro do coração humano, apresentou os aspectos da filosofia onde prevalece o pensamento que não leva em consideração a importância de reverenciar a Deus. Ele empreendeu uma busca inútil para encontrar a felicidade neste mundo.

Percebemos que o acúmulo de bens e riquezas que Salomão possuiu não o tornaram um homem feliz. Ao final da procura, ele concluiu que a felicidade não reside em coisas materiais, que buscá-la neste mundo é uma vaidade. O termo vaidade pode ser entendido como correr atrás do vento, que é uma atividade totalmente sem sentido.

Em Eclesiastes capítulo 4, Salomão observa o sentimento da avareza como pano de fundo de algumas opressões que predominavam no dia a dia contra trabalhadores. Ele percebeu que o esforço para conquistar condições de vida melhores causava desilusão; também, que algumas pessoas com objetivo de levar vantagem e enriquecer rapidamente provocavam o mal-estar de seus vizinhos. Ponderou que a pessoa obsessiva para ser superior aos demais pode se fartar daquilo que quer, porém, junto com seu aparente sucesso encontrará infelicidade interior e frustração. É melhor ter um pouco menos e desfrutar de uma consciência limpa (versículo 6).

Aflição e prosperidade espiritual

A injustiça está em curso desde a queda de Adão e há de permanecer até o retorno de Cristo. A vida não é sempre fácil para os crentes. E por este motivo alguns cristãos podem estar embaraçados com a filosofia humanista. Às vezes pode passar o pensamento na cabeça do cristão que ele poderia ser mais feliz se tivesse algumas coisas que outras pessoas têm. No entanto, a experiência de Salomão demonstra que as coisas materiais não podem tornar a pessoa feliz, embora provoque alguma felicidade parcial e passageira.

Não devemos nos concentrar apenas nas dificuldades. Deus é misericordioso e faz o sol nascer e a chuva cair sobre todos. Portanto, lutas e oportunidades da vida estão perante  justos e ímpios, bons e maus. Enquanto estivermos neste corpo de sangue e carne, estaremos tão sujeitos às intempéries quanto ao céu de brigadeiro. Isto é: ao clima inóspito e também ao clima agradável, ao infortúnio e do mesmo modo ao sucesso, à doença e igualmente à saúde (Eclesiastes 9.2; Mateus 5.45).

A inveja de Asafe

O verdadeiro sentido da vida não se encontra no raciocínio humano, mas na revelação divina. Devemos fixar a nossa atenção no conhecimento do Senhor, que oferece a indicação correta à resposta certa para todos os problemas.

O Salmo 73 nos revela sentimentos inquietantes de Asafe. Levita, servo fiel, ministro da música na Casa de Deus, tinha problemas em seu raciocínio sobre a situação financeira do justo, que sofria injustiças, e do ímpio, que usufruía prosperidade, e como o Senhor exercia sua soberania sobre ambos, e se sentiu desanimado ao passar por aflições. Ao ir ao templo, passou a meditar sobre o paradoxo e Deus lhe fez entender o resultado final da vida em impiedade e a consequência de se viver em fidelidade ao Senhor.

A prosperidade do cristão

Por que os ímpios prosperam e os justos sofrem? Quando o cristão está confuso devido passar por circunstâncias complicadas, pode encontrar consolo e fortaleza na oração, na comunhão com os irmãos, nos ensinamentos contidos na Bíblia Sagrada. Na oração, se aproxima de Deus em primeiro lugar. Na união fraterna Deus o vê e ordena que seja abençoado (Salmo 133). Através do contato com a Palavra o Espírito Santo ensina os propósitos de Deus para sua vida.

Uma das bênçãos de se conhecer a Cristo é que, mesmo quando não encontramos facilmente as respostas, temos o poder para superar o problema e prosseguir com o Senhor.

As filosofias deste mundo não são capazes de nos fazer realmente prósperos e felizes e nem nos dar a vida eterna. Ser próspero pela perspectiva bíblica não significa apenas estar acima da linha da pobreza, assim como ser salvo em Cristo é muito mais do que ser liberto da condenação ao inferno. Ser próspero e salvo é, entre muitas outras coisas, entender a vida através do ponto de vista de Deus e viver neste mundo, que despreza ao Senhor, triunfando segundo a vontade e graça divinas.

Conclusão

Enquanto o cristão estiver neste mundo estará sujeito a sentir dor e experimentar sofrimento, mas deve considerar e esperar também que um dia estará livre das lágrimas e dores para sempre ao receber um corpo totalmente incorruptível, imortal, glorificado (Romanos 8,18-23; 1 Coríntios 15.52; Apocalipse 21.4).

Em todas as ações que realizamos, devemos levar em conta que a eternidade existe e que ela será sem Deus para todas as pessoas que não obedecem ao mandamento do Senhor. Amar é uma ordem do Senhor, não é uma sugestão. Então, coloque-se sempre na posição de servo fiel e ame ao Todo Poderoso em primeiro lugar e ao próximo como a si mesmo.

Um dia todos teremos que enfrentar a morte, tanto justos quanto ímpios. Do ponto de vista natural, o ímpio desconsidera que há uma existência após a morte, não analisa que esta existência será o começo da sua aflição na eternidade. Mas o Dia do Juízo chegará para eles, se não se arrependerem de seus maus feitos antes que venham a morrer (Hebreus 9.27; 2 Pedro 3.9). Terão que enfrentar o julgamento do trono branco e após condenados prantearão e rangerão os dentes numa aflição sem-fim (Apocalipse 20.11-15; Mateus 13.41-43).

Às vezes podemos ter a impressão que os ímpios levam vantagem em relação aos servos de Deus. O cristão não deve se deixar abalar por circunstâncias adversas que enfrente neste mundo e nem pela aparente prosperidade do ímpio debaixo do sol, porque a riqueza material não resolve sua condição além-túmulo, o destino do impio e do justo são completamente diferentes no porvir. A prosperidade deles é só nesta vida, enquanto a dos justos pode ser nesta vida e também na vida eterna. Assim sendo, o crente precisa manter viva a esperança e confiança no Senhor, que lhe preparou moradas celestiais (João 14).

A felicidade plena e duradoura da alma está em assumir o compromisso de viver com e para Deus. É assim que o cristão se renova espiritualmente todos os dias e retém a perspectiva do propósito de Deus para si.

E.A.G.

Texto baseado em:
Ensinador Cristão, ano 4, nº 56, lição 11, A ilusória prosperidade dos ímpios, página 41, Rio de Janeiro (CPAD).
O Mestre - Vida Radiante, volume 9, lição 20, O sentido da vida, páginas 141 a 146, ano 1998, São Paulo (Editora Vida).

Fonte: Belverede

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...