domingo, 27 de julho de 2014

Gerados pela palavra da verdade - EBD / CPAD - Subsídio Teológico




Deus é sempre bom

A sabedoria de Deus é pura, boa, humilde, repleta de benignidade e bom senso. A carta de Tiago nos mostra que Ele em sua sabedoria age fazendo apenas o bem, jamais houve ou haverá nEle a variação entre benignidade e malignidade e entre luz e trevas.

Sejamos sempre bons, tratando o próximo como Jesus o trataria.
Os pobres e os ricos da igreja

Tiago usa enfoque escatológico para apresentar lições sobre ética cristã. A perspectiva de libertação ou julgamento na futura volta do Senhor é um fator motivacional que tem como objetivo nos incentivar a viver uma vida santa e agradável ao Senhor. Ele lembra que os cristãos são "herdeiros do reino" e "como que as primícias de suas criaturas", recorda que existe uma recompensa àqueles que se mostrarem fiéis e frutíferos, e faz admoestação dizendo que "o Juiz está às portas" para pedir prestações de contas aos que não vivem ordenadamente (1.10-11, 18; 2.5, 12-13; 3.1; 5.1-6, 9).

Os cristãos que não ocupam posições elevadas na sociedade, embora às vezes sejam desprezadas até dentro das igrejas por serem pobres, não devem ficar tristes, porque são grandes aos olhos do Senhor e jamais serão desprezadas e maltratadas por Deus (Marcos 4.18-19).

Os acumuladores

Tiago afirma que a acumulação de ouro e prata enferrujam e que a tal ferrugem servirá de testemunho contra acumuladores e a devorará como fogo. Diz que o dinheiro atrai desgraça ao que o adora, pois quem trata o dinheiro como "deus" é incapaz de ser justo, não o usa para ajudar o próximo, antes usa o próximo para enriquecer-se ainda mais.

Quem enriquece tendo como meio de enriquecimento a injustiça contra seus irmãos, um dia receberá a cobrança do Senhor dos Exércitos por não ter aliviado o sofrimento de seus filhos (Confira: Tiago 5.3-4).

O apóstolo não condena o rico apenas porque ele é rico, em 1.10-11, esclarece que a pessoa abastada também é considerada um irmão. Ele descreve os pecados que tornam alguns ricos censuráveis: uma maneira egoísta de acumular dinheiro (5.2-3); fraude contra o trabalhador (5.4); luxo sem sentido (5.5); perseguição ao justo (5.6).

Pobreza e riqueza são temas que aparecem em diversas passagens bíblicas. Deus tem um interesse todo especial pelas pessoas humildes de coração, sejam elas pobres ou ricas. Ele põe os pobres, se humildes, em lugares de honra e manda os ricos para longe de sua presença de mãos vazias, se estes forem avarentos e orgulhos (1 Samuel 2.1-8; Salmo 35.10; Provérbios 22.22-23; Amós 8.4-6; Lucas 1.51-53; 6.20, 24; 1 Timóteo 6.17-19).

Posições sociais e o acúmulo de dinheiro não tornam as pessoas mais dignas diante de Deus, então, jamais devemos atribuir a essas coisas importância exagerada e nem honrar as pessoas apenas porque elas os têm.

Os crente maduros

Tiago, usa o termo grego "teleios" ao referir-se a "perfeito" -  o dom perfeito. Tal palavra significa completo, maduro, pleno. Quando o crente recebe este dom, amadurece por intermédio dele, aperfeiçoa-se como cristão, torna-se pronto para toda boa obra. Então, que cada um de nós, aperfeiçoados pela dádiva divina, incorporemos ao procedimento diário verdades bíblicas que proporcionem maior equilíbrio e a completa maturidade espiritual. E maduros na fé, tenhamos a oportunidade de acrescentar coisas positivas à vida de outras pessoas, fazendo a diferença necessária ao nosso círculo de influência e para toda à nossa geração.


O Pai das luzes

A descrição de Deus como o Pai das Luzes é única nas Escrituras, restrita à passagem de Tiago 5.17. Com certeza, Tiago fazia referência à Lua, ao Sol e outras estrelas ao usar o vocábulo "luz". Tal abordagem alude à obra criadora e o contínuo exercício de poder de Deus sobre os corpos celestes para nos fazer entender a benevolência do Criador ao gerar o ser humano. (Jó 38-4-15, 28; 19-21; 31-33; Salmos 136.4-9; Isaías 40.22, 26;  38.38).

No mesmo verso bíblico as palavras "sombras" e "variações" são usadas com sentido astronômico, embora não sejam termos técnicos apontam claramente às constantes mudanças observadas na criação. Indicam movimentos cíclicos de rotações de planetas e satélites naturais, fenômenos de eclipses solares e lunares, alternância entre dia e noite, entre a clareza e a escuridão.

Deus, em sua imutabilidade contrastante com a mutação de toda a natureza criada, nos gerou a partir de sua determinação espontânea e gratuita pela palavra de verdade. E nos colocou como as "primícias de suas criaturas" - "criatura" no texto, em grego, é "ktismata", faz referência à criação não-humana.

É importante lembrar que a palavra grega, vertida ao português como "gerou" (apokyeo) significa "dar à luz", ou produzir uma nova vida (Efésios 2.10; 2 Corintios 5.17; Gálatas 6.15). Também, que a afirmação sobre o cristão ser como a primícia de toda a criação encontra paralelo em Romanos 8.19-23, e alude à vida espiritual.

O novo nascimento só é possível através da palavra de verdade, e ocorre por intermédio da soberania do Espírito, sendo o homem totalmente passivo nesta questão (Ezequiel 11.19; João 1.11; Filipenses 2.13). O cristão renasce através da palavra do Evangelho, cresce espiritualmente, e amadurece na fé através da aplicação da Palavra de Deus em seu viver. A disponibilidade deste desenvolvimento, cuja capacidade vem da boa dádiva e dom perfeito de Deus, visa à qualidade de uma vida de santidade, para dessa maneira glorificar ao Criador (2 Corintios 6.7; 2 Timóteo 2.5; 1 Tessalonicenses 2.13; Apocalipse 14.4).

Conclusão

As riquezas jamais deveriam dirigir os objetivos e ser a razão de viver do ser humano, pois é um estado transitório. Os recursos financeiros podem ser facilmente perdidos. sendo assim os crentes ricos e pobres devem se sentir felizes por saber que a fartura e a falta de dinheiro não significam nada para Deus. O que importa para Deus é o que a pessoa tem em seu coração e não o seu status social e saldo da conta bancária.

Que a bondade do Pai Celestial inunde a vida de cada cristão, para que, assim como Ele amou o mundo inteiro, também decida fazer o bem ao próximo. Que nós entendamos e abramos o coração ao agir de Deus e alcancemos maturidade espiritual.

Fonte: Belverede - E.A.G.

Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, páginas 1752, 1753, edição 2004, Rio de Janeiro (CPAD).
Bíblia de Estudo de Avivamento e Renovação Espiritual, página 1244, edição 2009, Barueri, (Sociedade Bíblica do Brasil).
Lições bíblicas - Mestre, Eliezer de Lira e Silva; 3º trimestre de 2014, páginas 27, Rio de Janeiro (CPAD).
Revista Exposição Bíblica - Liberdade, Fé e Prática - Gálatas e Tiago; Arival Dias Casimiro; páginas 34; 3ª edição em julho de 2013; Santa Bárbara d'0este/SP (Z 3 Editora Ltda). 
Tiago - Introdução e Comentário, Douglas. J. Moo, páginas 44, 75, 76; 1ª edição 1990, reimpressão 2011, São Paulo (Edições Vida Nova)..

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...