sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Henrique Pizzolato, ex-diretor do BB diz ter aceitado a Jesus como Salvador

Henrique Pizzolato

"Meu único desejo é fazer a vontade de Deus", diz Henrique Pizzolato, ex-diretor do BB


Henrique Pizzolato, o ex-diretor do Banco do Brasil condenado a mais de 12 anos no julgamento do Mensalão, diz que encontrou Jesus e agora frequenta a igreja quase todos os dias.

Henrique Pizzolato encontrou Jesus. Pelo menos é o que o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil condenado a mais de 12 anos no processo do Mensalão anda dizendo para os amigos mais próximos desde que deixou a Penitenciária de Sant’Anna, em Modena, na Itália, onde passou os últimos meses encarcerado.

Praticamente recluso desde que conquistou a liberdade ao ter sua extradição para o Brasil negada pela Justiça italiana no dia 28 de outubro, o ex-diretor de marketing continua vivendo em Modena e se tornou um dos frequentadores mais assíduos da Igreja Pentecostal Cristã Carismática Fonte di Vita, uma denominação protestante localizada na região central da cidade italiana de 180 mil habitantes.

Pizzolato tornou-se religioso na cadeia. O ex-diretor do Banco do Brasil passou a frequentar um grupo de orações e estudos bíblicos organizado pelo pastor Romulus Giovanardi, um dos líderes da Fonte di Vita. Lentamente, Pizzolato passou a frequentar com assiduidade os encontros promovidos pelo religioso todas as quintas-feiras na Penitenciária de Sant’Anna. “Quando chegou à prisão Pizzolato era um homem esfacelado, mal caminhava, não falava, tremia, era confuso, ansioso e tinha medo de tudo”, conta o pastor que se transformou em um amigo e espécie de porto seguro para o condenado pelo Supremo Tribunal Federal. “Depois que encontrou Jesus, Pizzolato é um outro homem, saiu da prisão de cabeça erguida”.

Na manhã do domingo 16, Pizzolato decidiu, pela primeira vez, dar um testemunho público de sua fé. Junto com a mulher, Andrea Haas. Henrique Pizzolato subiu no palco da pequena igreja por volta das 10 horas e durante 30 minutos contou como sua vida se transformou após aproximar-se da religião. “Uma noite, após ter participado da quinta-feira de oração e louvor, senti dentro de mim o desejo de pertencer a Jesus”, disse ele, emocionado e quase indo às lagrimas. “O aceitei como meu Senhor e Salvador e imediatamente me senti leve, cheio de paz e alegria. Eu estava atrás das grades, mas livre.”, disse ele, arrancando lágrimas da mulher, Andrea Haas, que acompanhava o testemunho do marido na primeira fileira.

Pizzolato aproximou-se da religião nos momentos que ele considerava mais difíceis na cadeia e que não tinha certeza se conseguiria realmente evitar a extradição. O executivo condenado a 12 anos de prisão passou a depositar na fé as esperanças de permanecer na Itália, país do qual é cidadão, e livrar-se da cadeia no Brasil. Pizzolato passou a ter certeza que seria liberto ao iniciar um período de leitura quase compulsiva da bíblia, que lia diariamente na prisão. “No dia anterior ao seu julgamento escrevi uma carta a ele dizendo que ‘Jesus é seu advogado’”, conta Giovanardi. “Ele, naquele dia, estava mais seguro que sairia do tribunal um homem livre do que seu advogado”.

Pizzolato e Andrea falam com o padre quase que diariamente. Não raro, saem para almoçar com o pároco e são presença frequente na igreja. Em seu testemunho no domingo, o ex-diretor do Banco do Brasil disse que se precisasse voltar à penitenciária não teria problema algum. “Se me perguntassem quais momentos da minha vida eu gostaria de reviver, não tenho dúvida: todos aqueles dias na (Penitenciária de) Sant´Anna, porque ali eu conheci Deus e sofri uma profunda mudança. Se antes conhecia um Deus distante, que às vezes o percebida como um juiz, agora sei que o Senhor Jesus me ama”, afirmou.

Pizzolato ainda não sabe seu destino final. Nesta segunda-feira o Ministério Público italiano entrou com um recurso na corte suprema do país pedindo novamente sua extradição para o Brasil, onde ele terá que cumprir sua pena em regime fechado. Diante dos fiéis da Fonte di Vita, Pizzolato, no entanto, disse que seu maior objetivo na vida não está mais relacionado a ambições terrenas. “ Hoje meu maior desejo é fazer a vontade de Deus e ajudar os outros.” 

Publicado na IstoÉ via Notícias Cristãs

4 comentários:

Mateus Emilio Mazzochi disse...

Só Deus pode fazer milagres, tanto na vida do Pizzolato, quanto na minha. Deus abençoe.

Juber Donizete Gonçalves Pr. Juber Donizete disse...

Minha vontade é de dizer para uma sujeito desse o seguinte: Se você crê mesmo em Jesus, então faça como um certo funcionário público da receita federal dos dias de Cristo fez quando o Mestre foi em sua casa: tomou a resolução de devolver tudo o que subtraiu de outros, até quadruplicadamente! Aí ele poderia até cantar a música do Regis Danese: "Como Zaqueu eu quero subir!

Eliseu Antonio Gomes disse...

Pr. Carlos.

Sabemos que muitos criminosos mentem sobre a decisão para abrandar o tempo de pena. Haja vista Suzane Richthofen, ela anunciou ser evangélica e com pouco tempo uma revista semanal noticiou que estava em uma relacionamento homossexual com uma prisioneira sequestradora.

Esperamos que a conversão de Henrique Pizzolato seja verdadeira. Além de ser uma bênção para ele, será ao Brasil, pois será um corrupto à menos em atividade. Conhecemos o poder de Deus, sabemos que q transformação é possível.

E.A.G.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Pr. Carlos.

Sabemos que muitos criminosos mentem sobre a decisão para abrandar o tempo de pena. Haja vista Suzane Richthofen, ela anunciou ser evangélica e com pouco tempo uma revista semanal noticiou que estava em uma relacionamento homossexual com uma prisioneira sequestradora.

Esperamos que a conversão de Henrique Pizzolato seja verdadeira. Além de ser uma bênção para ele, será ao Brasil, pois será um corrupto à menos em atividade. Conhecemos o poder de Deus, sabemos que q transformação é possível.

E.A.G.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...