sábado, 2 de abril de 2016

A Epístola aos Romanos - Lições Bíblicas EBD/ CPAD - Subsídio Teológico



A Epístola aos Romanos - LB - EBD/ CPAD - Subsídio Teológicos por Adaylton Conceição de Almeida


A IMPORTÂNCIA DA EPÍSTOLA

A epístola de Paulo aos romanos, segundo Martinho Lutero, é a principal composição do Novo Testamento e a mais pura descrição dos ensinos contidos nos Evangelhos. Romanos é a maior, mais rica e mais abrangente declaração do apóstolo Paulo sobre o Evangelho. Calvino escreveu “que entre as muitas e notáveis virtudes, a Epístola possui uma em particular, a qual nunca é suficientemente apreciada, a saber: se porventura conseguirmos atingir a genuína compreensão desta Epístola, teremos aberto uma amplíssima porta de acesso aos mais profundos tesouros da Escritura”.

João Crisóstomo, o maior pregador do século V, pedia que Romanos fosse lido em alta voz uma vez por semana. Agostinho, Lutero e Wesley, três figuras extremamente importantes para a nossa herança cristã, viveram a firmeza da fé através do impacto da carta aos Romanos em suas vidas. Todos os reformadores da igreja viam Romanos como sendo a chave divina para o entendimento de toda a Escritura, já que aqui Paulo une todos os grandes temas da Bíblia: Pecado, Lei, julgamento, destino humano, fé, obras, graça de Deus, justificação, eleição, o plano de salvação, a obra de Cristo e do Espírito Santo, a esperança cristã, a natureza e vida da igreja, o lugar do judeu e do gentio nos propósitos de Deus, a filosofia da igreja e a história do mundo, a mensagem do Antigo Testamento, os deveres da cidadania cristã e os princípios de retidão e moralidade pessoal. Romanos nos abre uma perspectiva através da qual a paisagem completa da Bíblia pode ser vista e a revelação de como as partes se encaixam no todo se torna clara.

Foi lendo esta carta que Martinho Lutero foi tocado pela mensagem da salvação gratuita, fazendo-o insurgir-se contra a venda de indulgências que se disseminava entre a classe eclesiástica de então. Em Romanos 1:17 lê-se: "Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o Justo viverá da fé'". Segundo esta epístola, a salvação que Deus proporciona à humanidade é dada gratuitamente através do sacrifício de seu Filho Jesus Cristo, na cruz do Calvário.

Apresentação pessoal e saudação

Na antiguidade, toda carta grega seguia uma metodologia padrão de construção. A primeira parte deveria identificar o remetente e sua saudação. Paulo se vale dessa formalidade para apresentar-se de forma mais clara e ampla possível a uma comunidade de irmãos que até aquele momento ele não conhecia pessoalmente, mas esperava conhecê-los em breve. O apóstolo se apresenta como servo de Cristo. A palavra original "doulos", derivada do verbo "deo" (algemar, aprisionar), significa também escravo. Para um grego dessa época essa era uma expressão de vergonha e rebaixamento. Para os judeus, entretanto, era a mais expressiva forma de se posicionar em adoração ao Senhor Deus. Todo cristão é um servo do Senhor Jesus. O termo “servo” exprime total entrega à vontade de Cristo.

Paulo apresenta a relação entre a história, a humanidade e a divindade. O elemento histórico é o rei Davi. A questão humana é a descendência carnal de Cristo. O elemento divino é a declaração a sua filiação divina. Isso nos mostra que o evangelho está cravado no contexto humano de forma historicamente comprovada.

Interessante é que Paulo sempre justifica suas afirmações com respostas doutrinárias, nunca com o costume da época. Quando ele afirma que não se envergonha ele responde o por quê: “pois ele é o poder de Deus para salvar todos os que crêem. Se nós cremos nesse poder, então NÃO podemos ter vergonha de anunciar o evangelho!

No versículo 17, ele complementa: “Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: "O justo viverá pela fé". (faz referência a Habacuque 2.4). Só podemos ser salvos através da fé.

A FÉ E A LEI

No primeiro século, nem todos concordavam que a justiça era creditada à base da fé. Uma minoria vociferante insistia em que algo mais era necessário. Não dera Javé a Lei mosaica? Como poderia alguém que não se submetesse àquela inspirada provisão ser justo? (Veja Gálatas 4:9-11, 21; 5:2.) Em 49 d.C, o corpo governante em Jerusalém analisou a questão de se aderir à Lei, e a conclusão foi que os gentios que aceitassem as boas novas não precisavam ser circuncidados e submeter-se aos regulamentos da Lei judaica. — Atos 15:1, 2, 28, 29.

Cerca de sete anos depois, Paulo escreveu a carta aos romanos corroborando aquela momentosa decisão. Deveras, ele foi ainda mais longe. Não só era a Lei desnecessária para os cristãos gentios, mas os judeus que fiavam-se na obediência a ela não seriam declarados justos para a vida.

O CONTEXTO DA IGREJA DOS ROMANOS

De quem era formada a comunidade romana cristã nos seus primórdios? Já havia uma comunidade judaica em Roma: prova disto é a própria epístola aos romanos acompanhada por At 28:15.      

Rm 15: 22s: mostra que antes de 50 d.C.,  já existia cristãos em Roma, pois “há muito tempo” o apóstolo pretendia ir visitá-los.

Era formada por Judeus e gentios. A estrutura da carta dá a entender tanto que havia judeus como gentios na sua formação (Rm 1:5, 12-16; 3:27-30, 4:6; 6:19; 11:13,25,28,30; 15:1,8,15; a lista de nomes no cap 16 tanto existem nomes judaicos (16:7,11) como gentílicos), tendo, portanto, as mesmas responsabilidades diante de Deus (Rm 1:16; 2:9ss; 3:29; 10:12); além disto, por exemplo, grande parte das discussões paulinas nesta carta tem a ver com o conhecimento da lei judaica (Rm 9-11 é um exemplo disto), que seriam incompreensíveis se não houvesse cristãos judeus na igreja romana.

ÉPOCA E LUGAR DA ESCRITA

Provavelmente entre 54 - 57 d.C., na cidade de Corinto (Rm 15:25, At 20:2), quando do fim de sua 3ª viagem missionária, ao voltar para Jerusalém, já estando em posse da coleta de mantimentos para os irmãos pobres da Judéia.

Achamos em Romanos 16:23 que Gaio e Erasto estava com Paulo. Estes dois eram  membros da igreja de Corinto (I Cor.1:14, II Tim. 4:20).

A carta foi levada por Febe (Rom.16:1) que morava em Cancréia, perto de Corinto (Atos.18:18). 
Os amigos de Paulo: Priscila e Áquila, já estavam em Roma, (Rom.16:3) onde eles nasceram (Atos 18:2).

Produção da escrita

Paulo passou os dez anos que vão de 47 a 57 A. D. realizando intensa evangelização dos territórios que margeiam o Mar Egeu. Durante aqueles anos, concentrou-se sucessivamente nas províncias romanas da Galácia, da Macedônia, da Acaia e da Ásia. O Evangelho fora pregado e igrejas tinham sido fundadas ao longo das principais estradas dessas províncias e em suas cidades principais. Paulo recebeu com justa seriedade a responsabilidade que lhe foi dada como apóstolo de Cristo entre os gentios.

Mas a missão de Paulo não estava de forma alguma terminada. Durante o inverno de 56-57 A. D., que ele passou em Corinto, na casa de Gaio seu amigo que se convertera, ficou ansioso (com alguma apreensão) para fazer uma visita a Jerusalém no futuro imediato — pois tinha de cuidar da entrega de uma oferta em dinheiro aos presbíteros da igreja de lá, por cuja arrecadação estivera trabalhando alguns anos entre os gentios convertidos pelo seu intermédio. Esperava que essa oferta fortalecesse os laços entre a igreja-mãe, na Judéia, e as igrejas gentílicas.

A excursão à Espanha lhe daria a oportunidade de satisfazer uma velha ambição — a ambição de ver Roma. Embora cidadão romano por direito de nascimento, nunca tinha visto a cidade da qual era cidadão. Quão esplêndido seria visitar Roma e passar algum tempo lá! Seria deveras esplêndido porque havia uma florescente igreja em Roma, e muitos cristãos que Paulo tinha encontrado aqui e ali em suas viagens, residiam agora em Roma e eram membros daquela Igreja. O próprio fato de que o Evangelho tinha chegado a Roma bem antes de Paulo, excluía Roma como lugar onde ele poderia estabelecer-se para fazer evangelização pioneira. Mas sabia que continuaria sua viagem para a Espanha com muito mais gosto se pudesse primeiro renovar seu espírito com algumas semanas de companheirismo com os cristãos de Roma

Portanto, durante os primeiros dias do ano 57 A. D., ele ditou a seu amigo Tércio — cristão posto às suas ordens talvez por seu hospedeiro Gaio, para servir-lhe de secretário — uma carta destinada aos cristãos romanos. Esta carta visava prepará-los para a sua visita à cidade e explicar a finalidade da mesma. E julgou de bom alvitre, ao escrevê-la, oferecer-lhes uma completa exposição do Evangelho como ele o compreendia e o proclamava.

Aproximadamente cinco anos depois de escrita a carta, o apóstolo chega à Roma. Mais tarde do que planejado e em condições (transporte de prisioneiros) que não imaginava na época da escrita.

Autoria

Paulo a ditou para Tércio (cf. Rm 16:22). As evidências internas desta afirmação são basicamente duas: a) a reivindicação da autoria pelo apóstolo na introdução da Epístola (Rm 1:1), como é comum em suas epístolas; b) o conteúdo, estilo literário e vocabulário são próprios de Paulo. Já as evidências externas são muitas: a) Irineu citou Romanos 4:10 num dos seus escritos, atribuindo a autoria ao apóstolo Paulo; b) Policarpo, bispo de Esmirna, citou a Epístola aos Romanos como de autoria paulina. c) No manuscrito mais antigo das epístolas paulinas, o papiro 46, proveniente do Egito, consistindo de dez epístolas, a carta aos Romanos vem em primeiro lugar.

Objetivo da Carta.

Fica claro, pela leitura da carta, que ela foi escrita a uma Igreja cristã composta tanto de judeus como de gentios. Havia muitos judeus em Roma naquela época; eles retornaram depois da morte do Imperador Cláudio, que os banira de lá algum tempo antes. Embora Paulo não tivesse estado em Roma, para sentir pessoalmente os problemas que a igreja enfrentava, é possível que tenha sido informado da condição e dos assuntos da Igreja por seus bons amigos e colaboradores, Priscila e Áquila, e possivelmente também por outros a quem Paulo encontrara. Seus cumprimentos no capítulo 16 indicam que conhecia pessoalmente um bom número de membros daquela igreja.

Em suas cartas, Paulo atacava problemas específicos e lidava com questões que considerava muito vitais para aqueles a quem escrevia. Quanto à oposição judaica, Paulo já havia escrito às congregações da Galácia, refutando-a, mas essa carta tratava mais especificamente dos esforços feitos pelos judeus que professavam o cristianismo, mas que eram “judaizantes” e insistiam que os conversos gentios fossem circuncidados e que em outros sentidos se exigisse deles observarem certos regulamentos da Lei mosaica. Na igreja romana não parecia haver um esforço sério neste sentido, mas, pelo que parece, havia inveja e sentimentos de superioridade da parte tanto dos judeus como dos gentios.

A Igreja de Roma

Roma, capital do império Romano, era maior que Atenas, Alexandria e Antioquia. Exercia domínio em todas as questões imperiais: políticas, sociais, militares, comerciais e religiosas. O calendário romano data a origem da cidade em 753 a.C. envolta em grande mistério. Foi edificada como resultado de conquistas militares e sustentadas pela capacidade de sua força bélica, competência administrativa e rapidez nas comunicações. Durante o primeiro século da era cristã, Roma tinha mais de 1.500.000 habitantes, dos quais 800.000 eram escravos. Através de a sua força militar, conservava as estradas relativamente livre da ação dos salteadores, ao ponto do primeiro século d.C. ter sido considerado a época da Pax Romana, o que facilitou a propagação do Evangelho nas regiões do Império.

A fundação da Igreja

Não há dados históricos sobre a origem da Igreja em Roma. O NT não traz nenhuma referência. Para Irineu, os fundadores foram Paulo e Pedro, mas não há nenhum registro que apoie essa tradição. A tradição mais aceitável é a de Ambrosiastas, um escritor que viveu no século IV d.C. e que era membro da Igreja em Roma. Segundo ele, essa comunidade eclesiástica havia aceitado a fé de acordo com o tipo judaico, sem ter a participação de qualquer apóstolo mais conhecido da época.

Portanto, a suposição histórica mais provável é a de que os que estiveram em Jerusalém, no dia do Pentecostes e também fizeram parte dos três mil convertidos, retornaram a Roma e formaram a primeira Igreja dos seguidores de Jesus Cristo.

Tema central

A justiça de Deus revelada (1:16,17) – Além desse tema central, os principais temas apresentados pelo apóstolo nesta epístola são:

a) Condenação – a falta de justiça da parte do homem (judeus e gentios): não há nenhum justo (1:18 - 3:20);

b) Justificação – a justiça de Deus em Cristo tornada a justiça do homem: todos podem ser justos (3:21 - 5.21);

c) Verdadeiro sentido da circuncisão;

d) O conflito entre as duas naturezapecaminosa (antiga) e a santa (nova);

e) A lei e a graça;

f) Santificação – vida através do Espírito Santo: nossa identificação com Cristo;

g) A soberania de Deus;

h) O propósito de Deus para Israel.

O PECADO DO HOMOSSEXUALISMO (1.26-32)

O apóstolo não poupa palavras para mostrar o quanto Deus odeia as relações sexuais anormais. O homem foi feito para a mulher e a mulher para o homem, para Deus não há meio termo. Todos que cometem homossexualismo terão a punição de Deus, se não se arrependerem. Quem age de maneira devassa sexualmente, despreza o conhecimento de Deus, e estão propensos a cometerem todos os tipos de pecado.

Conclusão

A carta, portanto, não é uma simples carta geral, escrita à igreja romana, sem nenhum objetivo específico, como alguns supõem, mas tratava, evidentemente, das coisas de que eles precisavam, nas circunstâncias existentes. A igreja romana conseguiria captar o pleno significado e a plena força do conselho do apóstolo, pois sem dúvida enfrentava exatamente os problemas de que ele, Paulo, estava tratando. É óbvio que o objetivo dele era solucionar as diferenças de ponto de vista existentes entre os cristãos judeus e os cristãos gentios e conduzi-los em direção à completa união, como um só homem, em Cristo Jesus. No entanto, ao escrever da maneira como o fez, Paulo ilumina e enriquece nossa mente no conhecimento de Deus e exalta a justiça e a benignidade imerecida de Deus, bem como a posição de Cristo com respeito à igreja cristã e a toda a humanidade.

Pr. Dr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.;Th.D.;D.Hu.) 
 Assembleia De Deus em Santos (Ministério do Belém) - São Paulo.

(O Pr. Dr. Adaylton de Almeida Conceição, foi Missionário no Amazonas e por mais de 20 anos exerceu seu ministério na Republica Argentina; é Licenciado, Bacharel, Mestre e Doutor em Teologia, Doutor em Psicologia e em Humanidade, Escritor, Professor Universitário, Pós-graduado em Psicanálise e em Ciências Políticas, Juiz Arbitral do Tribunal de Justiça Arbitral-RJ, membro da Academia de Letras Machado de Assis de Brasília e Diretor da Faculdade Teológica Manancial).

Facebook: adayl manancial

 BIBLIOGRAFIA
  •  Adaylton Conceição de Almeida – introdução à carta aos Romanos
  •  F. F. Bruce I Introdução e Comentário aos Romanos
  •  Nelson Salviano – Análise Bíblica da Epistola aos Romanos
  •  Eduardo Galvão  - Carta aos Romanos
  •  Paulo Corrêa – Estudo da Carta aos Romanos
  •  J. Dias – Estudo da Carta aos Romanos

Um comentário:

Ev. Marcos disse...

bom, sou um membro da Igreja Assembleia de Deus de Taubate , agradeço a Deus por sua vida pastor por postar essa maravilhosa aula como subsideo ,eu sou EV. Marcos e sou uns dos coordenador da EBD ,e usoseu subsideo como canal de benção para mim ,amem Deus te abençõe.

marcos.v.p@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...