sábado, 21 de maio de 2016

Estudo científico comprova que ir à igreja assiduamente ajuda fiéis a viverem mais e melhor


Muitos fiéis afirmam que frequentam cultos porque isso os ajuda a se manterem com os pés no chão a respeito da vida e recebem orientação espiritual. No entanto, um benefício oculto vem no pacote: a frequência regular também pode ajudar a aumentar a longevidade, aponta um estudo.
Os pesquisadores analisaram dados de quase 75 mil enfermeiras de meia-idade nos Estados Unidos como parte do Estudo de Saúde das Enfermeiras. Os participantes foram questionados se eles frequentaram cultos regularmente a cada quatro anos entre 1992 e 2012, além de outros aspectos de suas vidas ao longo dos anos.
Ao final, foi descoberto que as mulheres que iam à igreja mais de uma vez por semana tiveram um risco 33% menor de morrer durante o período de estudo, em comparação com aqueles que disseram que nunca foram frequentadores assíduos.
O estudo relacionou, também que o hábito de ir à igreja está associado com um menor risco de morte em comparação a quem não vai. Quem ia uma ou mais vezes por semana aos cultos, tinham risco 26% menor, enquanto os voluntários que iam uma ou mais vezes por mês tinham risco 13% menor, comparando com os que não tinham o hábito de frequentar cultos.
As mulheres que frequentavam os cultos regularmente também tiveram taxas mais altas de apoio social e otimismo, tiveram menores taxas de depressão e eram menos propensas a fumar. No entanto, os pesquisadores levaram em conta estas diferenças entre fiéis e não-fiéis quando eles calcularam a diminuição das taxas de mortalidade de 13% para 33%.
“Ir à igreja pode ter uma série de benefícios adicionais, que podem, por sua vez, melhorar a longevidade, mas os pesquisadores não puderam apontar relações diretas entre a frequência e os os demais benefícios. A presença na comunidade religiosa poderia promover a autodisciplina e um senso de significado e propósito na vida, ou poderia fornecer uma experiência sobrenatural”, afirmou Tyler J. VanderWeele, professor de epidemiologia na Harvard T.H. Chan School of Public Health.
“Nosso estudo sugere que para a saúde, os benefícios superam os efeitos potencialmente negativos, como a culpa, ansiedade ou [possível] intolerância”, disse Vander Weele, segundo informações da CNN.
A maioria das mulheres no estudo eram protestantes ou católicas, por isso não está claro se uma associação semelhante seria encontrada entre participação em cultos religiosos e longevidade para as pessoas de outras religiões cristãs, o judaísmo ou o islamismo.
O estudo também não explorou a associação em homens. “Pesquisas anteriores sugerem que fiéis do sexo masculino também se beneficiam, embora a sua diminuição na taxa de morte não é tão grande quanto entre as mulheres”, disse VanderWeele.
“Tem havido literalmente milhares de estudos” investigando se a religião é boa para sua saúde, disse o doutor Dan German Blazer II, professor de psiquiatria e ciências comportamentais na Duke University Medical Center. Os resultados têm sido mistos sobre se os aspectos da devoção religiosa como a oração e espiritualidade – como ler a Bíblia ou outra literatura religiosa – melhorar a longevidade.
“O único (aspecto) que é significativamente mais preditiva de boa saúde é de cerca de atendimento do serviço religioso”, disse Blazer, que publicou um editorial sobre o novo estudo na revista especializada JAMA Internal Medicine.
A maioria das pessoas relatam que eles são espirituais, e é possível que, na verdade, assistir aos serviços religiosos seja bom para a sua saúde porque eles influenciam a tomar ações que estão em consonância com as suas crenças, disse Blazer: “Você tem uma vida mais integrada nesse sentido”.
Por Tiago Chagas - Gospel+

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...