segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Igreja Católica da China jura lealdade ao Partido Comunista


A aliança com o Partido Comunista da China foi reafirmada após acordo entre o país e o Vaticano.


A Igreja Católica da China reafirmou neste domingo (23) sua lealdade ao Partido Comunista, ao mesmo tempo em que firmou um acordo histórico com o Vaticano sobre a nomeação de novos bispos.

O Vaticano assinou no sábado um acordo reconhecendo a nomeação de bispos na China, prometendo reconciliar as relações diplomáticas entre ambos, rompidas há quase 70 anos.

A Igreja Católica na China disse que "vai perseverar em seguir um caminho adequado a uma sociedade socialista, sob a liderança do Partido Comunista Chinês".

A instituição também declarou que "ama profundamente a pátria" e apoiou o acordo, esperando que as relações entre a China e o Vaticano sejam ainda mais estreitadas.

O Vaticano disse que o acordo, um avanço depois de anos de negociações, "não é político, mas pastoral", e espera que isso leve à "plena comunhão de todos os católicos chineses".

Impacto nas igrejas
Enquanto alguns católicos elogiam a iniciativa do Papa Francisco, outros definem o movimento como uma "submissão" ao regime político da China, que tem perseguido cristãos de igrejas domésticas não registradas.

Os protestantes devem seguir as normas do Movimento Patriótico das Três Autonomias e da Associação Cristã da China, enquanto os católicos devem se registrar na Associação Patriótica Católica. Todas as associações religiosas são supervisionadas pelo Estado.

Já as igrejas que não seguem a liturgia oficial do governo são consideradas clandestinas. As chamadas "igrejas domésticas" são formadas por cristãos que se reúnem nas casas.

A China Aid, organização que defende cristãos perseguidos no país, também expressou suas preocupações. O acordo "poderia sujeitar igrejas que atualmente não estão sob controle do governo ao escrutínio e perseguição", disseram em comunicado.

O número de cristãos chineses continua crescendo, embora seja impossível fazer uma contagem exata. O governo diz que são 25 milhões, sendo 19 milhões de protestantes e 6 milhões de católicos.

No entanto, fontes não oficiais disseram à BBC News que os números oficiais são modestos demais. Entre as estimativas independentes, as mais conservadoras apontam para uma número em torno de 60 milhões.

Fonte: Guiame

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...