quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Inteligência Artificial tenta substituir Deus, alerta pastor

À medida que a tecnologia continua avançando num ritmo acelerado, ela ameaça o relacionamento das pessoas com Deus, no aspecto coletivo. O teólogo e autor de best-sellers, Wallace Henley, fez alguns alertas sobre isso. 

"Somos todos feitos para a transcendência, para ver a glória abrangente de Deus. Como disse Salomão em Eclesiastes: Deus colocou a eternidade em nossos corações", disse em entrevista ao Christian Post.

"Agostinho também disse: 'O coração humano foi feito por Deus e para Deus e só Ele pode preenchê-lo'. E se não o enchermos com Deus, o encheremos com tudo o que pudermos encontrar. É disso que se trata toda idolatria", relacionou.

Hanley disse que esse tipo de adoração às máquinas, na verdade, já começou. "Ironicamente, vivemos no tempo em que algumas pessoas estão adorando as obras de suas mãos", disse.

O pastor da Grace Church, em Woodlands, no Texas, aborda a crescente dependência tecnológica da sociedade, através da inteligência artificial. Em seu novo livro "Who Will Rule the Coming 'Gods'?" (Quem governará os deuses vindouros? em tradução livre), ele menciona as escolhas morais e éticas que os cristãos podem ser forçados a fazer.

"O ex-assessor do presidente Nixon, de 79 anos, foi compelido a escrever um livro, logo após saber que um ex-funcionário do Google registrou uma igreja de Inteligência Artificial, na Califórnia", lembrou.

"Os engenheiros de computação tendem a ser um pouco engraçados, às vezes, e têm um senso de humor sombrio, mas, mesmo assim, ele estava levando isso muito a sério, aparentemente, porque foi até o fim", disse.

Igreja de Inteligência Artificial

Henley se referiu ao multibilionário Anthony Levandowski, que há alguns anos ganhou notoriedade por ser o "criador de uma nova religião". O engenheiro que se envolveu com projetos de carros autônomos e com a criação do Uber, diz ser adepto da "Singularidade" — nome que deu à sua crença.

Segundo Levandowski, a Inteligência Artificial (IA) vai superar a capacidade humana em algum momento. Pensando nisso, ele abriu uma Igreja de IA, em 2017, logo após ser demitido e processado por espionagem industrial.

A "Igreja Caminho do Futuro" tentou promover uma divindade baseada em inteligência artificial. Os documentos da tal igreja foram submetidos pela liderança do Estado da Califórnia, nos EUA, com o seguinte argumento: "Por meio da compreensão e adoração da Divindade, contribuir para o melhoramento da sociedade". 

Um de seus amigos, que preferiu não ser identificado, chegou a comentar na época: "Ele tinha essa motivação estranha sobre robôs tomando o mundo, num sentido militar", declarou.

De acordo com informações da Techcrunch, o ex-engenheiro da Google foi obrigado a fechar a igreja judicialmente. Ele recebeu o "perdão presidencial", o que o livrou de uma sentença de 18 meses de prisão. 

Crise espiritual

Sobre as ideias de Levandowski, Henley observa que a humanidade criou uma máquina que pode ir um bilhão de vezes mais rápido do que o cérebro humano "por isso pensam em chamá-la de Deus". 

"Precisamos entender a crise espiritual que está chegando, e que ela será o caminho para a idolatria final, que é a adoração à máquina. E já vimos muitos sinais disso", frisou. 

Os robôs, disse ele, estão cada vez mais assumindo tarefas tradicionalmente humanas, como aspirar, dirigir e entregar comida, só para citar alguns. 

"E, à medida que esses robôs continuam a progredir e a dependência dos humanos em relação a eles aumenta, há implicações preocupantes", apontou o pastor Henley. 

"Por exemplo, quem vai trabalhar a ética nessas máquinas? Eles vão conectar uma visão de mundo a essas máquinas; qual é a natureza dessa pessoa? É uma preocupação muito séria" disse ainda. 

Humanidade em perigo

O que pode ocorrer, segundo Henley, é não haver nenhuma diretiva dentro da máquina dizendo: 'Não matarás'. "Como as máquinas vão resolver problemas da raça humana?", preocupou-se.

"As máquinas têm tudo a ver com utilidade e rapidez, mas quando você olha para algo que é puramente utilitário, está olhando para a seguinte questão: 'O que precisa ser retirado do caminho para que o objetivo utilitário seja alcançado?' Se eles disserem que é a raça humana, isso será um problema", mencionou.

"É ingênuo descartar tais preocupações e dizer que estamos sendo alarmistas, quando a história já provou que a humanidade tenta substituir Deus por seus ídolos", disparou.

Para o pastor, a idolatria às máquinas foi impulsionada pelo avanço da ciência e da tecnologia na sociedade. "Embora os mais antigos compreendam a importância de reconhecer a transcendência de Deus, não podemos nos esquecer que, na era da escravidão, os humanos eram tratados como objetos. Essa mesma mentalidade está se repetindo hoje", concluiu.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post via Folha Gospel

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...