sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Senador Arolde de Oliveira rebate “fake news” da Globo contra ele e Yvelise no caso Flordelis



O casal Yvelise e Arolde de Oliveira (PSD) consideram que a associação de seus nomes à investigação do homicídio do pastor Anderson do Carmo é um movimento de calúnia e difamação.
Nas redes sociais, o senador fluminense expressou indignação com a situação: "Eu e minha esposa estamos sem chão, nos sentindo caluniados e difamados com o noticiário da Globo buscando nos envolver no assassinato do pastor Anderson do Carmo. Nunca poderíamos imaginar que alguém pudesse nos odiar tanto para justificar um tal absurdo. Deus está no controle", escreveu, em sua página no Facebook.
Nesta quinta-feira, 23 de janeiro, Arolde de Oliveira usou o Twitter para classificar como inverídicas as reportagens do telejornal RJTV, da Globo: "Fake news. Único fato real foi o telefonema da minha esposa para dar os pêsames a deputada pela morte do Pastor. Estou indignado"
Yvelise de Oliveira, presidente da MK Music, foi intimada pela Polícia Civil na investigação sobre o assassinato do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis (PSD-RJ). O celular da vítima teria sido usado dias após o crime com um chip registrado no nome da empresária.
A Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo intimou Yvelise a prestar esclarecimentos sobre o telefone celular do pastor Anderson do Carmo. Dados técnicos teriam apontado que o aparelho também se conectou ao wi-fi da residência onde ela vive com Arolde.
A delegada Bárbara Lomba vem aprofundando as investigações e sua equipe teria apurado que, horas depois que o celular foi usado no wi-fi da residência dos donos da MK Music, na Barra da Tijuca, foi levado para Brasília, onde foi conectado novamente a um wi-fi de um endereço residencial, antes de desaparecer definitivamente.
A MK Music é a gravadora que distribui os CDs e singles da deputada Flordelis, que além de cantora pentecostal, é pastora. Anderson do Carmo foi assassinado na garagem da casa em que a família vivia no dia 16 de junho, com diversos tiros.
Yvelise de Oliveira deverá comparecer à delegacia para prestar depoimento nos próximos dias, e a intenção da Polícia Civil é esclarecer os motivos para o celular supostamente ter sido levado à sua casa, e por qual razão um chip em seu nome teria sido usado para acessar dados no aparelho.
O senador Arolde de Oliveira foi militar e exerceu nove mandatos consecutivos como deputado federal pelo Rio de Janeiro, entre 1984 e 2019. Nas eleições de 2018 foi eleito para um mandato no Senado com mais de 2 milhões de votos, tomando posse para o cargo no dia 01 de fevereiro de 2019.


Não há maiores informações sobre os detalhes do dia e local que a presidente da MK Music comparecerá para prestar depoimento na investigação do assassinato de Anderson do Carmo.
Fonte: Gospel+

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...