terça-feira, 7 de julho de 2020

Igrejas são obrigadas a provar lealdade ao Partido Comunista para reabrir na China


Cerimônias como o hasteamento da bandeira e elogios às medidas do Partido Comunista durante a pandemia estão entre as exigências às igrejas que desejam reabrir


Algumas igrejas já registradas pelo governo foram autorizadas a reabrir na China, após um bloqueio de 5 meses em razão da pandemia do coronavírus. Mas somente depois de provar sua lealdade ao Partido Comunista.
A Igreja Católica Lishiting no distrito de Shunhe, em Kaifeng, uma cidade no nível da prefeitura da província central de Henan, reabriu em 14 de junho, depois de permanecer fechada por cinco meses.
"Nós levantamos solenemente a bandeira nacional aqui hoje após a epidemia, testemunhando os frutos de todas as pessoas que trabalham juntas sob a liderança de Xi Jinping, que dirige o governo e o Partido", disse um padre em uma reunião de cerca de 20 pessoas, supervisionadas por funcionários do governo. .
A igreja cristã de Gangxi, no distrito, também foi reaberta às 8 horas da mesma manhã.
A igreja finalmente reabriu após cinco meses, 147 dias ou 21 domingos, mas em vez de cantar hinos para louvar a Deus, o governo exigiu que hasteássemos a bandeira nacional e cantássemos o hino nacional, elogiando a vitória de Xi Jinping e do Partido Comunista no combate à pandemia'”, um membro da congregação comentou. "Isso é completamente contrário à nossa crença".
Alguns locais de culto administrados pelo Estado foram autorizados a reabrir em junho, muito depois que outros locais públicos na China voltaram ao normal após a suspensão das restrições em razão do coronavírus. Mas somente aqueles que se comprometem a apoiar o “patriotismo” — o que na prática é ser fiel ao Partido Comunista — têm permissão para abrir suas portas às congregações.
Aceitação
Os dois conselhos cristãos chineses autorizados pelo governo em Henan, Zhejiang e outras províncias exigiram que, no dia da reabertura, as igrejas “promovam o patriotismo”, hasteando a bandeira nacional, cantando o hino do país e contem aos fiéis "histórias comoventes sobre a batalha da China contra a pandemia".
Às 7 da manhã de 13 de junho, mais de 20 membros do clero da Igreja de Quannan, a maior igreja cristã da cidade de Quanzhou, na província de Fujian, sudeste do país, realizaram uma cerimônia de hasteamento de bandeiras em seu pátio. Um slogan atraente que promove os principais valores socialistas foi colocado na parede atrás do mastro da bandeira.
Naquele dia, sob a supervisão de funcionários do Departamento de Trabalho da Frente Unida e do Departamento de Assuntos Religiosos da cidade, o pastor da igreja elogiou as realizações do Presidente Xi Jinping no combate à epidemia.
"Devemos amar o sistema socialista e o Partido Comunista", disse ele, promovendo a "superioridade do sistema socialista" e criticando os Estados Unidos por seus esforços no combate à pandemia.
"O Departamento de Trabalho da Frente Unida e o Departamento de Assuntos Religiosos exigem a realização de cerimônias para levantar bandeiras e promover o patriotismo", comentou um membro da igreja. "A partir de agora, todas as igrejas precisam fazê-lo, ou serão fechadas e seus líderes demitidos".
Um pregador da cidade de Zhumadian, em Henan, disse a Bitter Winter que antes de sua igreja reabrir, ele precisava participar de uma conferência organizada pelos Dois Conselhos Cristãos Chineses locais. Os participantes tiveram que estudar os principais discursos de Xi Jinping sobre prevenção e controle do surto de coronavírus e ouvir "histórias heróicas de combate à epidemia".
O governo exige promover essas coisas para as congregações depois que as igrejas reabrem”, explicou o pregador. “Esses textos são publicados em um livreto, com mais de 100 páginas. Os pregadores devem falar principalmente sobre as políticas do Estado. Quem desobedecer será preso”.
Alerta
Um pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia acredita que a exigência de hastear a bandeira nacional e provar lealdade ao Partido Comunista no dia em que as igrejas reabrem tem como objetivo "perturbar as mentes dos crentes para transformar suas ideologias e mudar a essência de suas crenças".
Ele está preocupado que o Partido Comunista Chinês intensifique ainda mais seu controle sobre as pessoas de fé através da educação patriótica e doutrinação.
"Seu objetivo final é fazer com que todas as pessoas acreditem apenas no comunismo, para 'sinicizar' o cristianismo", acrescentou o pastor, exortando os fiéis a "vigiarem as intenções perversas do Partido Comunista Chinês e não se tornarem prisioneiros do comunismo".
As igrejas menores devem seguir o caminho das igrejas domésticas e realizar reuniões em segredo, para evitar serem controladas pelo Partido Comunista Chinês e preservar sua pura fé”, concluiu o pastor.
Fonte: CPAD News

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...