quinta-feira, 5 de maio de 2011

CONVENÇÃO - Vício e crise de abstinência



O vício convencional e a crise de abstinência


Com referência ao depoimento veiculado em rede nacional de televisão no último sábado, fiquei muito triste, envergonhado e também preocupado com o que vi e ouvi.  A princípio, sem palavras, mas agora, creio que posso avaliar com maior equilíbrio.

Quando as convenções foram comparadas à “cachaça” da qual os pastores participam e não conseguem largar, no meu entender foi mais uma força de expressão, quando o autor manifestou um sentimento pessoal, baseada na sua própria participação em todos esses anos de filiação, ou seja, com paixão e viciado nela.

Não duvido que, assim como o preclaro pastor que isso pronunciou, haja muitos outros que também participem dessa mesma forma, mas com todo o respeito, isso não pode ser atribuído a coletividade dos ministros filiados a uma convenção e, ao final, ele mesmo admitiu isso, quando disse que tem muita gente boa por lá que nada tem a ver com isso, mas é muito bom que se ressalte isso.

Quanto aos erros, propositais ou não, vícios de liderança e administração, utilização do sistema em benefício próprio, castração de novas lideranças e outras mazelas que o sistema produz, sou totalmente concorde com ele e creio ainda que a luta jamais vai parar. Luta pela erradicação ou mesmo inibição de tais atitudes, as quais considero grave pecado.

Sabemos perfeitamente que convenção não é Igreja, mas mesmo na Igreja quando se trata do quesito instituição, a associação de poder, administração, dinheiro e status, existem aqueles que lutam para se perpetuar, e os que lutam para se apoderar do comando.

Quando estão fora do poder, lutam pela democracia e denominam como ditador quem lá está. Quando assumem, se autodenominam homens escolhidos por Deus e ainda não existe alguém que possa substituí-los, nesse caso, aqueles que não estejam contentes, logo são taxados como rebeldes que se insurgem contra os “ungidos do Senhor”.

Nas convenções, em tese pelo que vejo, presumo que alguns dos envolvidos chegam a gastar fortunas para alcançarem seus propósitos, e pasmem, para assumirem cargos que legalmente não lhes dará um só centavo de retorno. Amor pela obra? Que assim seja! Glórias ao Senhor se assim for, mas se não...Misericórdia...

Ora, se temos a Cristo como nosso Mestre, não deveria ser assim, mas pelo jeito isso não é coisa nova no evangelho, começou há cerca de dois mil anos, quando Jesus ainda andava com seus discípulos na terra. O foco de Jesus era as pessoas e o reino de Deus, mas o dos discípulos era o poder temporal, infelizmente. Jesus precisou repreendê-los muitas vezes por isso. Disputavam entre si sobre quem seria o maior e até se implicavam quando outros fora do seu grupo faziam milagres e pregavam o evangelho. Para eles o nome de Jesus era uma espécie de marca patenteada pertencente somente a eles. A mãe dos filhos de Zebedeu chegou ao cúmulo de pedir a Jesus para que seus dois filhos tomassem assento nas cadeiras ao lado do Mestre, e mais, fez isso sem qualquer escrúpulo na frente dos demais discípulos, o que desagradou aos outros dez, criando tal animosidade entre eles, o que ensejou que o Senhor precisasse apaziguar a situação. Isso prova que todos estavam de olho nas duas cadeiras. Como vêem “a briga é velha”.

Hoje, a diferença entre igreja e convenção é que, na primeira, o caminho mais curto e objetivo de se ir á forra é a rebelião e a divisão, o que particularmente repudio, mas nas convenções (algumas, não todas) ainda existe a possibilidade democrática da alternância do poder e aí a disputa se arrocha a todo vapor e então, meus amados, quem pode mais chora menos.

No princípio das nossas convenções assembleianas no Brasil não era assim. Mesmo que houvesse uma disputa dura, ao final havia concordância e submissão, nisso também concordo com o nobre pastor. Hoje, a vida também continua, porém, infelizmente com brigas, intrigas, acusações e atitudes dignas de uma política secular, onde existe situação e oposição. Lamentável. Mesmo no mundo secular, quando a política é composta por homens maduros e comprometidos com o coletivo, existem pilares mínimos que são mantidos, no sentido de que não sejam prejudicadas, a governabilidade, a unidade e a saúde das instituições.

Em nosso caso, amados, agora que a “carroça já descarrilhou ladeira abaixo, em alta velocidade e o pior de tudo na banguela”, salve-se quem puder. É necessário muito equilíbrio e espírito cristão para se navegar no meio dessas elites.

Não podemos esquecer que, a Igreja é o alvo de tudo, a evangelização e salvação dos pecadores nossa missão principal, a volta do Senhor a nossa esperança e o céu o nosso futuro.

Pegando ainda um “gancho” nas palavras do nobre pastor, essa “cachaça convencional” tem que ser apreciada com muita moderação e, ao que parece ele exagerou na dose, pois agora que decidiu largar e está tentando se recuperar sofre uma séria crise de abstinência, com visíveis sintomas de nervos à flor da pele.

No caso do vício da cachaça, literalmente, o sujeito decidiu deixá-la, mas fica olhando a garrafa, não bebe, mas cheira o líquido.

No caso do vício da convenção, o pastor sai, mas não se esquece dela, não vê mais sentido em participar, mas fica olhando de longe, largou para não se envolver, mas mesmo assim gasta o precioso tempo do seu programa televisivo para falar dela.

Meu Deus... Que vício é esse?

Pelo jeito vamos ter que criar casas de recuperação para pastores viciados em convenção, de todos os lados. Lá dentro os profetas de Deus vão se acertar!


Que Deus tenha misericórdia de nós! (estou incluso e com muito temor)

37 comentários:

Pr. Flavio Constantino disse...

Querido Pastor e amigo Carlos Roberto,

A Paz do Senhor,

Com propriedade escreveu, sem perder a linha e com teor profético, tudo isso só foi possível pela capacidade de analisar e esperar os ânimos acalmarem depois de tudo o que foi dito pelo outro pastor na televisão.

Essa sim é a palavra falada no tempo certo.

Também me envergonho em alguns casos.

Mas que não viciemos nessa "cachaça".

Que Deus tenha misericórdia de nós e o abençoe nobre pastor por tão elucidativo texto e profético ao mesmo tempo.

Um grande abraço,

No Amor de Cristo,

Pastor Flavio Constantino

Victor Leonardo Barbosa disse...

Excelente artigo pastor Carlos, firme e equilibrado, oriundo de alguém que analisou a situação com calma, pesando cada afirmação proferida no sábado passado.

Não há dúvidas que a carroça descarrilou, infelizmente quem sai mais perdendo é a denominação.

Forte abraço e Deus o abençoe!

Anselmo Melo disse...

Querido Pr Carlos Roberto.
Lúcida e sem romantismos seu texto. Lucidez essa que falta infelizmente a muitos de nossos pares ao analisar o assunto em questão.
Para quebrar um pouco a seriedade que o assunto requer, gostaria de lhe propor uma sociedade.Gostei da sugestão quanto a "Casa de Recuperação", desse assunto sem falsa modéstia eu entendo.Se podemos tratar tal vício como tratamos aqui outros"cachaceiros",a coisa tem tudo para dar certo.
Paz!!!

disse...

Meu Deus... Que vício é esse?

Pelo jeito vamos ter que criar casas de recuperação para pastores viciados em convenção, de todos os lados. Lá dentro os profetas de Deus vão se acertar!

Rsss, adorei Pr. carlos é bem por aí mesmo! Saiu. Mas, fica olhando a marvada de longe!
Mas que vício é este??
muito bom seu artigo. Parabéns!

Pr. Elcio Brandao disse...

Caro Pr.Carlos Roberto
Pois é,parece que as bebidas alcoólicas, estão corriqueiramente sendo expressadas e até mesmo consumidas no meio evangélico,pior que na liderança. Primeiro vimos o Bispo Macedo declarando publicamente que bebe um vinhozinho e até uma cerva,
e daí disse ele. Agora vem um ilustre Pastor da ADGA digo CGADB, comparando a convenção como cachaça...só o sangue...Parabéns.. pela matéria...como disseste...quem tomou tem saudades, não esquece fica olhando pra garrafa e sentido o cheiro... Como dizia o poeta eu cheiro sim...digo bebo sim..tem gente que não se mete esta morrendo digo não bebe e está morrendo. Um forte abra;o Pr. Elcio Brandão

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro pastor Elcio Brandão,

Quem disse isso foi o Pastor Malafaia em seu programa de sábado, e para fazer jutiça, ele não mais pertence à CGADB, ou seja, agora ele que fez a comparação,não está mais bebendo, entendo que só cheirando! rrs

Pr Edilson Siqueira disse...

Pastor Carlos,
A PAZ DO SENHOR!

Parabéns pelo bom artigo.
Me ví escrevendo enquanto lia seu texto bem elaborado e creio, na direção do Espírito Santo.
Ele expressa totalmente minha opinião.
Estarei sempre orando por ti e implorando a Deus por Sua infinita misericordia.
Pr Edilson Siqueira
(Primeiro secretário da CIEADEP Paraná)

Pr Edilson Siqueira

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezamigo pr. Carlos Roberto,

A paz de Cristo, o nosso Senhor!

Eu também estou envergonhado. Triste não! Já sabia que este momento chegaria para ser o emlabuzador dos que se embebedasm com o poder.

Excelente e sentinela matéria que atenta para uma realidade que deve ser observada pelos críticos e pelos criticados. ainda existe uma chuva de possibilidades para que alguns se dediquem à oração e a percepção do que ocorre à nossa volta. Sem rodar como pião, como acontece nos bastidores dos Gideões de Camboriú.

A situação é devastadora e algumas pedras rolarão ladeira abaixo, pelo descuido do crescimento de suas raízes em terra profunda, e não em mantos de areia.

Graças a Deus não gosto de cachaça, muito menos desta com algumas pitadas de soberba em seus cálices e o limão apodrecido e amargo de enfeite em seus copos.

O Senhor seja contigo, nobre pastor!

O menor de todos os menores.

Pastor Geremias Couto disse...

"Eita cachacinha da boa, sô!". O pior são as supostas "fortunas" gastas para adquiri-la! Será que vale tanto assim?

Bem, meu irmão e amigo, é por essas e por outras que continuo a clamar pela terceira via, aquela que, a meu ver, precisa ter os pressupostos de Neemias.

Mas embora já não mais filiado e ainda sentindo o "cheirinho da mardita", o pastor Silas deixa a todos nós envergonhados, pois, neste episódio, está coberto de razão.

Só não sou adepto da linguagem, mas nisso todos também sabemos que este é o seu modo.

Abraços!

Thiago Alves disse...

Pr. Carlos, sou membro da Assembléia de Deus. E concordo plenamente com o que o Pr. Silas Malafaia disse. Como membro me envergonho da CGADB. E acho muito triste os partores a esta convenção ligados não fazerem nada. Será que se tivessemos uma convenção atuante nossa igreja não teria um crescimento maior. Queria pastores lá que lutassem pela povo? e não por cargos. PAstores que não tivessem medo de perdes cargos. Silas Malafaia é a pessoa que mais luta pela igreja nesse pais. Ninguem pode negar. tagss17@hotmail.com

Gospel Book disse...

Prezado Pastor Carlos Roberto parabéns pela publicação deste artigo. Poucos blogs assembleianos ousaram publicar o vídeo, falar sobre e outros simplesmente boicotaram a mensagem do pastor Silas Malafaia

presbitero A.Filho disse...

A paz do senhor,
gostaria de lidar os parabens pelo excelente artigo pastor carlos roberto, vejo pessoas dizerem que concordam com o pr. fez o dizabafo politico na tv, vejo um pouco de ciume ate no em grandecimento do mesmo quando disse " eu não perdi pra ele não irmãos" meus caros sei e reconheço que a cgadb tem que mudar muitas coisas; mais sei que a busca de tal grupo politico não levara a mudança nunca mais se a derrota, por isso sei que Deus que é o dono de toda a obra esta vendo e creio que no momento certo vai agir se for pra colocar outro divisor politico. pois a prendir que problemas da igreja se resolve na igreja e da convenção se resolve na convenção.

Sóstenes Cavalcante disse...

Pr. Carlos(Cachaceiro como eu),

Parabéns pelo seu artigo. Divorcio-me das suas opiniões em alguns pontos principalmente o sentimento de vergonha... Vergonha, eu tenho dos líderes da CGADB que realmente são um acinte!
Gostaria de entender, porque você excluiu de seus comentários o verdadeiro enfoque da fala o Centenário da Assembleia de Deus. Porque não falar nada sobre isso é uma estratégia para desviar o verdadeiro enfoque?
Sugiro ao nobre amigo um artigo falando do real enfoque do programa. O Centenário paralelo da CGADB e CPAD em Belém-PA

Sóstenes Cavalcante
Rio de Janeiro-RJ

ROBSON SILVA disse...

Paz, meu amigo e mestre.

"Ara danada de pinga marvada essa!"

Há que goste da PURA;
Há os que preferem COM LIMÂO;
Há os que introduzem FRUTAS nas garrafas para aromatizá-las;
Há quem coloque até COBRA;
Há os loucos por ela e o que por ela enlouquecem;
Há PINGA da roça e PINGA urbana; PINGA chique e PINGA vagabunda;
Há que a chame de ÁGUARDENTE; já outros preferem BRANQUINHA...
Seja como for, uma coisa aprendi por experiência familiar:
O fim daquele que por ela se deixa dominar é a MORTE.
Que o Senhor não me permita cair nesta tentação, e que me livre deste mal.

Abraços, e parabéns pela brilhante reflexão.

Robson Silva
Prossigo.net

Cineia Ferreira disse...

Pr Carlos Roberto; não concordo com alguns adjetivos usado pelo Pr Malafaia; mas penso que ele é um homem de muita coragem; concordo com ele quando ele disse: "vergonhoso não é quem denuncia é quem comente atrocidade" Como por exemplo: recebe uma convenção que rebeliou na Bahia e não recebe uma convenção que rebeliou no Para, Porque? porque querer mudar a historia da Assembleia de Deus? e por ai vai as carretas de irregularidades; Não concordo com a maneira grotesca com que Malafaia fala; mas, neste quesito ele tem RAZÃO.

Pastor Edi Marcos disse...

Meu amigo, Pastor Carlos,

Concordo contigo em gêneros, números e graus.

Nosso ex-companheiro convencional está sofrendo uma crise de abstinência aguda, e essas alucinações são semelhantes a um ex-alcoólatra quando está em crise.

O Problema é que o conselho de pastores que nosso companheiro faz parte, é bem parecido com nossas convenções...

Será que lá é um outro boteco?

Fica a pergunta.

Fica na Paz Pastor, Boa noite!

Edinei Siqueira disse...

Essa é da boa! Até quem para de beber sente saudades.kkkkkkkkkk
Café amargo pra eles.

Pb. Edinei, Th.B

semeadores disse...

Meu filho, faz tem po que não tenho a Graça de ler palavras humoradas, verdadiras e tão equilibradas, fruto de uma análise caprichada. Companheiro de evangelho, não vou andar pela via da bajulação falando de imparcialidade, mas que o texto foi competente e rasgou todos nós como uma navalha, isso sim (rs). Meu caro pastor oro para que o Senhor continue a dar discernimento, coragem, mansidão, principalmente AMOR a todos vcs que de nós cuidam. Graça d paz de Cristo seja com todos.

Jonatha Santos.

adriel vieira disse...

Caro pastor.
Convenção não é igreja. Sei que estou sendo redundante, mas não vejo no que a referida entidade tem contribuído com a denominação. E mais, das diversas convenções das ADs no Brasil, cada uma reivindica para si a sua autenticidade assembleiana em detrimento das outras. E tem mais enquanto os pastores estão envolvidos nestas militâncias suas igrejas sofrem com suas ausências e falta de dedicação. O povo sofre e eles brigam. O povo aguarda a direção e eles disputam. Há pastores muito mais dedicados a suas convenções do que ao rebanho que Deus o confiou. “ lembrai-vos da mulher de Ló”

Nill disse...

No meu entender, em vez de pastores ficarem fazendo brincadeirinhas, deveriam era se preocupar com a crise instalada na CGADB e por conseguinte na denominação Assembléia de Deus. Isso prova que muitos não estão nem aí para os absurdos que acontecem por lá. A CGADB só existe por causa dos pastores, são eles que votam na diretoria, portanto, são responsáveis, de certa forma, por tudo que acontece lá. É uma pena. Sou do tempo em que pastores eram mais preocupados com os escândalos.

Pr Ivair José Lehm disse...

Que Deus tenha misericordia de toda a liderança de todas as convenções das Assembleias de Deus, tanto das vinculadas a CGADB e a propria CGADB, tanto as vinculadas a CONAMAD (madureira) e até mesmo as ditas Independentes.
Nosso real objetivo deve ser: o CEU e a gloria de Deus.

Parabens pela postagem

Pr. Anderson Araujo disse...

Pr. Carlos Roberto;

A Paz do Senhor;

Mais uma vez gostaria de parabenizá-lo pela explanação coerente e equilibrada referente ao assunto veiculado, e é por essas e outras questões que precisamos orar cada vez mais por nossas lideranças, para que entendam de uma vez por todas que a nossa luta diária não é contra carne e nem sangue, porém contra os principados e potestades... Enquanto alguns perdem tempo degladiando por posições, status e poder na "dança das cadeiras", o inimigo está de mansinho puxando a "Cadeira" daqueles que estão desapercebidos.

Que o Eterno Deus tenha misericórdia dos cachaceiros .....

Parabéns Reverendo pelo Post.

um abraço.

Pr. Anderson Araujo.

Evandro Lemes disse...

Muito bom este texto Pr. Carlos Roberto Silva... Crítica imparcial e com muita sabedoria! Deus te abençoe sempre!

ROBSON SILVA disse...

Paz, meu pastor.

Estudando um pouco mais sobre os efeitos da MARVADA descobri o seguinte no site "Atitude Positiva":

"O consumo de grandes quantidades de álcool em pouco tempo pode provoca uma intoxicação etílica aguda, comumente conhecida como “bebedeira”, em que surgem comportamentos desajustados, como por exemplo expressão desinibida dos impulsos sexuais ou agressivos, um aumento da sensibilidade emocional, a deterioração da capacidade de raciocínio e da atividade social, descoordenação motora, mudanças de humor, irritabilidade, falta de atenção, aumento da velocidade e quantidade de discurso. A conduta habitual do indivíduo pode acentuar-se ou alterar-se. Às vezes, aparecem fenómenos de perda de memória e da orientação no espaço e no tempo durante a intoxicação."

Qualquer semelhança é mera coincidência!!! Rsssss!!!

Abraços!

Robson Silva
Prossigo.net

Anônimo disse...

Caro Pr.Carlos Roberto
A paz do Senhor!

Uma informação para Cineia Ferreira, conversei com meu Pr. que é uma pessoa imparcial e esteve na AGO Cuiaba, sobre esse assunto de a convenção estadual CIMADB criada pelo Pr. Samuel Câmara não ser recebida pela CGADB. O que me informou é que na AGO de Serra ES os pastores ligados a AD Belem Pará estavam ligados a CIADSETA Tocantins, portanto a CIMADB foi criada após esse periodo e de imediato solicitada a sua filiação na CGADB, por ser regra da CGADB o reconhecimento de novas convenções somente nas AGOs (que seria em Cuiaba, eles teriam que aguardar esta data)o que fizeram? entraram com um pedido de filiação via judicial, sendo que até o momento não foi julgado. Sendo assim ocorrido a AGO em Cuiaba que seria o momento de seu reconhecimento, a mesma tem que aguardar o desfecho judicial. Agora as convenções de Manaus AM, Salvador BA e Betim MG independente dos caminhos obscuros em que foram criadas especialmente a de Salvador, foram recebidas por aguardar os trâmites da CGADB.
Agora quanto as festividades do centenário um pouqinho de humildade e amor cristão faria a união de todas as correntes assembleianas. No mais desejo que essa data passe logo e que no dia 18 de junho cada assembleiano no Brasil faça uma oração sincera de coração em favor de nossa querida AD, afim de que Deus tenha misericordias de nós.( Eu particularmente vou comemorar meu aniversário dia 17/06,em 18/06 aniv. das AD's e o dia do Químico)
Dc.Paulo
AD Interior de São Paulo.

Nill disse...

O irmão acima que falou sobre a CIMADB está redondamente enganado. Esta Convenção foi criada em 2006 e desde então vem tentando ser reconhecida. A via judicial foi a única opção depois de várias tentantivas. Seria muita inocência não reconhcer que a CIMADB não foi reconhecida por causa da briga entre CGADB e Igreja-Mãe. Isso é fato!

Paulo Henrique Rodrigues da Silva disse...

Pr. Carlos, a paz do Senhor!


Parabéns pelo excelente Post! Imparcial e refletindo a realidade de muitos pastores vinculados à CGADB.

Se possível visite e adicione meu blog: orarepensar.blogspot.com

Em Cristo,

Dc. Paulo Henrique (Itabira-MG)

PR MARCOS CRUZ disse...

Paz Pr Carlos!

Seu provocou em mim uma crise de risos..

Muito bom!

ahahahahahahahahahahahahaha!!

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Pr. Sóstenes Cavalcante,

Graça & Paz!

Quanto ao seu comentário, digo o seguinte:

Se o amado leu com cuidado, deixei bem claro no artigo que sou concorde quanto ao teor do comentário do Pr. Silas Malafaia, discordando no entanto, da forma como ele o fez, mas isso é uma questão de fórum íntimo e cabe a mim respeitar, afinal, ele sempre foi assim e sempre será.

Ele disse o que disse e na forma que quis em seu programa. Eu concordei com o conteúdo e discordei da forma aqui em meu singelo blog, por sinal, quase não lido, em comparação com o programa do nosso preclaro amigo. Eu não terei chance de discordar dele em seu programa, mas aqui, em ele querendo as portas estão abertas, tanto é que, você como um dos seus assessores tem completa liberdade por aqui.

Agora, quanto a minha tristeza contestada pelo amado, não é só pela denúncia, não, mas pelos fatos em si. Aos fatos porque nem deveriam acontecer entre nós, isso é vergonhoso sim, e a denúncia, porque em seu formato foi muito mais uma desforra e desabafo público, a qual não trará qualquer contribuição benéfica para o evangelho. Me perdoe se o contradigo, mas esse é o meu parecer. O tempo mostrará isso. Natã, apontou sim o pecado do rei Davi, mas para o próprio pecador.

Por outro lado, quando o Pastor Silas Malafaia decidiu sair da CGADB, já o foi por essas coisas e veio a público declarar.

Ora, se saiu, o fez voluntariamente e não forçado, poderia muito bem ter ficado e continuar questionando, creio que seria mais legítimo.

Quanto ao centenário em si da nossa querida AD, já dei a minha contribuição apelando pela unidade, lá atrás, quando participei ativamente da campanha aqui na net.

Naquele momento, o nosso foco aqui na blogosfera era esse, mas o das equipes dos dois lados não era, tanto que se calaram, e a prova de que não estavam dispostas a isso, é o resultado que estamos vivenciando. Agora, caro amigo, infelizmente, "Inez é morta". Só Deus e mais duas pessoas podem fazer isso, e você sabe muito bem a quem me refiro e, se não fizeram até agora...

No meu entender, cartas e ou convites formais, não atendem à necessidade, quando o caso requer confissão, arrependimento e reconciliação, do tipo "olho no olho". E isso, amado, não estou jogando para nenhum dos lados, mas para todos, inclusive para este blogueiro no que estiver incluído, afinal, não é assim que ensinamos de acordo a Bíblia para as ovelhas que pastoreamos?

Quanto ao termo "cachaceiro", pela misericórdia de Deus, creio que não se aplica a mim, talvez, considerando a comparação do nobre pastor Silas Malafaia, da mesma ao termo convenção, quem sabe tomo uma ou outra dose socialmente, mas saiba que, se precisar deixar de tomar essa "CGADBRINA" (termo usado pelo meu amigo Pb. Robson Silva em seu blog Prossigo.net), farei sem qualquer crise de abstinência. Não é ainda o caso, mas se precisar sair, sairei saído, e nem olharei para trás como fez a mulher de Ló, para ver quem pegou a garrafa. A meu ver nosso amigo está de longe, mas continua de olho nela. rsrs

Bem, voltando à vida real, desse negócio de cachaça, nunca tomei e não entendo nada, mas tive que ir atrás para entender o que o Pastor Silas quis dizer, por isso é que redigi o artigo.

Caro Sóstenes, vamos em frente e me perdoe em nome do Senhor Jesus, se fui ácido e o magoei nessas falas. A minha verdadeira intenção é servir ao Senhor em espírito e em verdade, e entrar no céu com meus amados irmãos.

Sua participação aqui é sempre muito bem vinda.

Seu conservo em Cristo,

Pr. Carlos Roberto

Pr.Rogério de Oliveira disse...

A paz amado,o nobre Pr.,foi muito bem em suas linhas a respeito da matéria emfoco pois eu vi o programa(e ouvi também)os assuntos abordados pelo mesmo.Faço uma pergunta;Será que isso é a priore no Reino de Deus para se ganhar almas?Creio que defender não é contra-atacar(isso mesmo,contra-atacar).No mais deixa Deus te usar meu amado.Blog da Palavra,Pr.Rogério de Oliveira,seu servo e admirador,um forte abraço.
Obs:Será que haverá salas de AAC(Alcoolicos Anônimos Cristãos),para eles?

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Anselmo Melo,

Graça & Paz!

Está de pé a sociedade na CASA DE RECUPERAÇÃO PARA PASTORES.

Esta aí um bom projeto.

rsrrs

Um grande abraço!

Pr. Carlos

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro irmão e amigo
Pb. Robson Silva,

Suas pesquisas aqui postadas, agregaram valores, para uma melhor compreensão do que o nobre Pr. Silas Malafaia quidizer! rsrs

Grato,

Um grande abraço!

Pr. Carlos Roberto

Gígio e Aline Lopes Dias disse...

Achei muito pertinente a reflexão CONVENÇÃO. Não posso nada diretamente sobre a mesma por não ser parte legítima, visto que sou apenas membro, portanto, não participo. Só posso dizer que concordo plenamente contigo. Como admirador e intercessor de ambos os lados da questão, só peço a Deus que abençoe a nossa denominação. Que ela não venha a deixar os princípios porque, por algum motivo, o seu pastor deixou a CGADB. Não julgo e nem condeno quem saiu. Creio que pelo andar da carruagem, muitos ainda vão sair. Mas, clamo e batalho, mesmo que na minha pequena 'paróquia', pela unidade do corpo, mesmo que esta unidade não seja convencional.

Via Facebook

Esteves disse...

A Cgadb é uma fraude.... A Igreja é projeto de Deus... ficará firme... O meu temor é essa terceira via, desejada por alguns, nao venha nascer ja contaminada nivel etílico de seus pais...

Pr Esteves Jacinto

Esteves disse...

Quem se habilita a responder:
1 como sao pagas as depesas de campanha de alguns candidatos a presidencia da CGADB(onibus fretados, passagens aereas para alguns convencionais,hoteis fechados para lideres e auxiliares de grandes campos, Tendas com café, almoço de graça no periodo convencional, botons, panfletos,e camisas, Lobistas que circulam pelo pais inteiro, meses antes da eleiçao com tudo pago)...?
2. por que é tao importante para o presidente JWBC ser mantido no cargo e só repassa-lo para quem for indicado por ele ?
3. por que é tao importante para o SC vencer as eleiçoes, mesmo que isso custe o enfraquecimento da CGADB e da igreja ?
4. Quanto vale a CPAD ? nossa Casa ?

Anônimo disse...

Gostaria de destacar aos paragrafos abaixo:


"Pegando ainda um “gancho” nas palavras do nobre pastor, essa “cachaça convencional” tem que ser apreciada com muita moderação e, ao que parece ele exagerou na dose, pois agora que decidiu largar e está tentando se recuperar sofre uma séria crise de abstinência, com visíveis sintomas de nervos à flor da pele.


No caso do vício da cachaça, literalmente, o sujeito decidiu deixá-la, mas fica olhando a garrafa, não bebe, mas cheira o líquido.


No caso do vício da convenção, o pastor sai, mas não se esquece dela, não vê mais sentido em participar, mas fica olhando de longe, largou para não se envolver, mas mesmo assim gasta o precioso tempo do seu programa televisivo para falar dela."

Leandro Renovato disse...

Quando o Reino Da Terra passa a ser mais importante que o Reino dos Céus, então nos é necessário o início de uma nova "Cruzada" para expulsarmos os infiés dos lugares supostamente "sagrados" e queimarmos os hereges.Estamos indo no mesmo caminho da, tão por nós mal-falada, Igreja Cristã anterior a Reforma, dominação, poder, controle e ignorância medieval...
Ah! Outra Reforma? NÃO!

O melhor é MARANATA! ORA, VEM SENHOR JESUS.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...