quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Pr. Marcello de Oliveira - Artigo publicado no Mensageiro da Paz - Edição Agosto/2011

Mensageiro da Paz - CPAD



Pr. Marcello de Oliveira
Quero parabenizar o amigo e pastor MARCELO DE OLIVEIRA pelo artigo de sua lavra, publicado na página 16 da  edição de Agosto/2011 do Jornal MENSAGEIRO DA PAZ, editado pela CPAD - Casa Publicadora das Assembleias de Deus.

Abaixo uma parte do artigo. Não deixe de ler, compre o jornal e seja abençoado [a] !

O dilúvio e o épico de Gilgamesh
A Mesopotâmia (que é a combinação das tradições suméria e acádica) nos legou três importantes relatos de dilúvio (Gênesis Eridu, Gilgamesh e Atrahasis).  Em outras palavras, parece que o dilúvio foi uma tradição bem atestada na Mesopotâmia antiga. Apesar do fato de que o herói do dilúvio (o equivalente a Noé no texto bíblico) tinha um nome diferente nessas composições (Ziusudra, Utnapishtim e Atrahasis), a história basicamente continua a mesma, ainda que o relato mais completo esteja no épico de Gilgamesh.
O épico de Gilgamesh é com certeza a mais conhecida das antigas composições mesopotâmicas, embora não cite nenhum relato da criação, sua história do dilúvio é aquela com as mais relevantes semelhanças com o relato bíblico do dilúvio. Mas Gilgamesh apenas narra o dilúvio no contexto de um enredo maior que tentaremos resumir neste ensaio.
Gilgamesh é o rei de Uruk e no início do conto ele é bem impopular entre os seus súditos. Como conseqüência, eles vão se queixar ao deus Anu, o qual responde, criando Enkidu. Este iria, presumivelmente, ser rival de Gilgamesh e distraí-lo para que deixasse de lado seu comportamento opressivo com os cidadãos de Uruk. Ele é um homem primevo que aprecia a companhia dos animais do campo. Todavia, isto não atende aos interesses do povo, de modo que enviam uma prostituta para fora da cidade com o objetivo de “civilizar” Enkidu. A prostituta tem sucesso tem sucessoem seduzir Enkidu, e com relutância consegue leva-lo até Uruk. Uma vez ali, Enkidu se encontra com Gilgamesh, e eles lutam. Em meio à luta ambos se tornam amigos e embarcam juntos numa série de feitos.
Entre outras aventuras, derrotam Huwawa, o protetor da floresta de cedros do Líbano. Durante este período a capacidade e a beleza de Gilgamesh atraem a deusa Ishtar, que propõe casar com ele. Gilgamesh a rejeita, o que faz com que ela procure o pai, o deus Anu, em busca de vingança. Anu não deseja matar Gilgamesh, mas, em vez disso, o castiga matando Enkidu. Gilgamesh é bastante tocado pela morte de Enkidu, não apenas porque é seu amigo, mas também, ao que parece, porque a morte de Enkidu o confronta com sua própria mortalidade. È justamente esta indagação que o leva até Utnapishtim, visto que  Utnapishtim é o único ser humano a não experimentar a morte. A pergunta de Gilgamesh a Utnapishtim sobre por que ele não morreu é o que leva este último a relatar sua experiência com o dilúvio (tábua 11 do épico).
Respondendo a Gilgamesh, Utnapishtim narra o tempo em que os deuses decidiram trazer um dilúvio contra a humanidade. O deus Ea, se comunicou com seus devotos e lhe disse para construir uma embarcação que transportaria os moradores da terra em meio à devastação causada pelo dilúvio. As dimensões dessa arca foram as de um grande cubo. Tendo terminado de construir a arca em apenas sete dias, Utnapishtim carregou a arca com provisões, mas, o mais importante ainda, também levou sua família e animais dentro. Quando todos estavam seguros dentro da embarcação, chuvas terríveis começaram. Até os deuses “ficaram assustados com o dilúvio”. A tempestade durou sete dias, e a embarcação veio a parar sobre o monte Nimush.
A essa altura Utnapishtim soltou algumas aves em seqüência – duas pombas e, em seguida, uma andorinha – para ver se a terra firme já tinha aparecido. O “truque” deu certo com a última ave, e desembarcaram. Sua primeira providência foi oferecer um sacrifício, o que foi um grande prazer aos deuses, que estavam esfomeados devido à falta de atenção dispensada pelos seres humanos.
Nesta altura, você deve estar se perguntado: Qual é a relação e as diferenças entre o dilúvio e o épico de Gilgamesh?  Não podemos negar as semelhanças entre o épico de Gilgamesh e o relato bíblico do dilúvio. De outro lado, claras diferenças vêm à tona, quando comparamos os relatos.
Tal qual Enlil, Yaweh decide usar uma inundação catastrófica para trazer juízo sobre suas criaturas. No entanto, o que os motiva é uma diferença muito importante. Enlil estava cansado do “barulho” da humanidade, provavelmente como resultado da superpopulação. A motivação bíblica para o dilúvio foi moral (Gn 6.5) e não uma questão de inconveniência causada à divindade.  A dimensão moral está ausente na versão mesopotâmica. 
Em vários pontos da história existem diferenças em meio às semelhanças. As duas histórias registram a construção do barco, a duração do dilúvio, a entrada de animais e outros seres humanos, mas os detalhes são diferentes.
Para ilustrar um episódio que é parecido mas ao mesmo tempo extremamente diferente, podemos comparar os dois relatos da oferta de sacrifícios. A semelhança é que nos dois casos o “herói” do dilúvio oferece sacrifícios ao seu Deus ou deuses como o primeiro ato depois de desembarcar. No entanto, a descrição da reação dos deuses no relato mesopotâmico é radicalmente diferente do relato bíblico. Afinal, os deuses mesopotâmicos dependiam de sacrifício oferecido pelos humanos para se alimentarem.
Talvez a semelhança mais notável entre os dois relatos seja o emprego de aves para determinar se as águas do dilúvio haviam ou não baixado. De acordo com o texto bíblico de Gn 8.6-12, Noé enviou um corvo e depois uma pomba. No épico de Gilgamesh a arca veio a pousar sobre o monte Nimush, e, depois que passaram seis dias, lemos o seguinte relatório:
Quando chegou o sétimo dia,
Soltei uma pomba para que se fosse,
A pomba foi e voltou,
Não apareceu nenhum lugar para pousar, então retornou.
Soltei uma andorinha para que se fosse,
Não apareceu nenhum lugar para pousar, então retornou.
Soltei um corvo para que se fosse,
O corvo partiu, viu o baixar das águas,
Comeu, voou em círculos, não retornou.
Pr Marcelo Oliveira
P.s>> Leia a conclusão deste artigo na Pág 16 da Edição de Agosto do Jornal Mensageiro da Paz!

3 comentários:

*Patricia* disse...

Muito interessante, bela postagem.

Humberto Queiroz disse...

Paz do Senhor!

Excelente artigo, que o Deus Todo-Poderoso sempre pode ajudá-lo e orientá-lo onde quer que vá.

Deus te abençoe mil vezes mais, (Deuteronômio 1.11).

Eu sou seu seguidor!

http://conselhosanto.blogspot.com/

Marcello de Oliveira disse...

Shalom!

Nobre amigo, muito agradecido pela postagem do artigo em seu ótimo blog. Deus abençoe todos que lerem este artigo!

Pr Marcello Oliveira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...