quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

O Tribunal de Cristo e os galardões - LB EBD/ CPAD - 07.02.2016 - Subsídio Teológico

O Tribunal de Cristo e os galardões - Por Adaylton Almeida Conceição


O TRIBUNAL DE CRISTO. O QUE É?

Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um segundo a sua obra (Ap. 22.12). “Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Deus”.  (Rom. 14.10). “Porque é necessário que todos nós sejamos manifesto diante do tribunal de Cristo, para que cada um receba o que fez por meio do corpo, segundo o que praticou, o bem ou o mal (II Cor. 5.10).

Estes versos dizem respeito somente aos cristãos. A Bíblia diz, em Hebreus 9:27: “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo... Até mesmo um cristão salvo não poderá escapar do julgamento. Quem não é salvo vai ser julgado no Trono Branco (fé mais obras, após a Grande Tribulação, segundo Apocalipse 20:11-13) e quem é salvo vai ser julgado no Tribunal de Cristo (fé somente) após o Arrebatamento. Esse julgamento é descrito na 1Coríntios 3:11-15: “Mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo”.

Tribunal de Cristo – O Que é e Quando é?

A palavra “tribunal” vem do grego bema. O conceito de bema vem das Olimpíadas antigas. Um juiz sentava-se no assento bema, situado na linha final. O objetivo do juiz era determinar em que lugar os corredores tinham chegado – primeiro, segundo, etc. – para depois entregar os respectivos prêmios. Este é o contexto do uso e propósito do Assento Bema, uma das designações do Tribunal de Cristo.

O Tribunal de Cristo é o primeiro dos eventos das bodas do Cordeiro.
Pode parecer estranho que incluamos o Tribunal de Cristo nas bodas do Cordeiro, mas não devemos nos esquecer de que, as bodas do Cordeiro são a celebração da vitória da Igreja e têm a duração de sete anos, como as bodas judaicas duravam sete dias. Deste modo, todo o período de sete anos deve ser considerado como o das bodas do Cordeiro.
Além do mais, o que, normalmente, é chamado de bodas do Cordeiro, as Escrituras denominam de ceia das bodas do Cordeiro (Ap 19.9), numa clara demonstração de que as bodas envolvem mais de um ato, entre os quais um deles é a ceia.
Este Juízo ou Tribunal terá lugar depois do arrebatamento da igreja e antes das Bodas do Cordeiro.
Precisamos compreender o que a Palavra de Deus ensina sobre o julgamento do homem.
Haverá três julgamentos:

– O dos crentes  no Tribunal de Cristo;
– O das Nações, por ocasião da volta do Senhor (no fim da grande Tribulação) e
– O do Grande Trono Branco no final do milênio.

Entre os vários Juízos das Escrituras, um dos mais importantes é o Juízo do Tribunal de Cristo, onde se julga e se recompensa a Igreja. No que diz respeito ao pecado, as Escrituras ensinam que o filho de Deus que está sob a graça não virá a juízo (João 3.18; 5.24; 6.37; Rom. 5.1; I /cor. 11.32). Em sua posição diante de Deus, e sobre a base de que o castigo de todos os pecados – passados, presentes e futuros – foi levado por Cristo como o substituto perfeito, o crente se encontra não apenas fora de toda condenação (Rom. 8.1), mas que estando em Cristo , é aceito pela perfeição de Cristo ( I cor. 1.30; Ef. 1.6; Heb. 10.7) e é amado por Deus. Porém, em relação a sua vida cotidiana e seu serviço a Deus, o cristão deve prestar conta diante do Tribunal de Cristo (Rom. 14.10. II cor. 5.10. Ef. 6.8). Julgamento que se celebrará logo depois da vinda de Cristo pelos seus (I Cor. 4.5. II Tim. 4.8. Ap. 22.12. Mat. 16.27. Luc. 14.14).

Não devemos confundir o Tribunal de Cristo com o Juízo final. A Bíblia diz claramente quem são os que terão de comparecer perante Cristo e seu tribunal. São os cristãos. São Paulo quando escreve aos crentes, afirma que “todos estaremos diante do tribunal de Cristo, e que ali a obra de cada um será provada. Neste juízo não haverá condenação, pois todos os que ali comparecerão já são salvos (I Cor. 3.15). Que será que acontecerá ali?

A IGREJA PERANTE CRISTO
A Bíblia ensina que todos os crentes salvos terão um dia de prestar contas “Ante o Tribunal de Cristo”, de todos os seus atos praticados por meio do corpo, sejam bons ou maus.
“Porque todos devemos comparecer ante o Tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal” (2ª Co 5.10).
Bema; (no gr. agathon, “espiritual e moralmente bom ou útil aos olhos de Deus”) ou mal (gr. Phaulos, “sem valor, iníquo; inclusive egoísmo, inveja, e preguiça)”.
Neste julgamento o Senhor avaliará o serviço de cada cristão. Não será tanto a quantidade, mas sim, a qualidade dessa obra.
Todos os participantes do arrebatamento terão suas vidas reveladas perante todo o céu, ou seja, pecados não confessados, erros não admitidos, pensamentos levianos, mau uso da liberdade cristã, falta de amor, etc.
O Juiz será o próprio Senhor Jesus, aquele cujo aspecto é descrito em Ap 1.13-17, o “Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus” (Jo 5.22). No evangelho segundo João Jesus diz: “E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho ‘todo o juízo” (2ª Tm 4.8) “justo juiz”.
1- Julgamento das obras realizadas para Deus. Esse julgamento mostrará como administramos os bens, as dádivas, nossa vida, energias, dons, talentos, enfim, tudo o que dele recebemos. O Senhor ensinou esta verdade a seus discípulos quando lhes disse: “Que tens que não tenha recebido? Isso porque como redimidos pelo sangue de Cristo, fomos comprados e não nos pertencemos mais. Não temos mais o direito de fazer o que queremos com nossa vida e com tudo o que temos. Somos simples administradores. Esse é o dia de prestação de contas, conforme lemos em Mateus 25.14”.

2- Julgamento da conduta do cristão ( II cor. 5.10).  Nesse julgamento, cada um receberá segundo o que tenha feito, seja bom ou seja mal.

3- Julgamento do tratamento para com os irmãos na Fé (Rom. 14.10). Assim que devemos Ter muito cuidado em como tratamos nosso semelhante, principalmente aos mais débeis  na fé (Rom. 14.1). A recompensa nesses julgamentos será sempre conforme o que se fez e a qualidade daquilo que se fez.
Em Col. 3.23,24, somos ensinados como prepararmos para o tribunal de Cristo (ver Romanos 7.4).

Muitos não entendem o porquê dos cristãos terem de comparecer diante de um tribunal, porém, conforme já aclaramos, a declaração apostólica é clara ao dizer: “Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Deus. Por minha vida, diz o Senhor, diante de mim se dobrará todo joelho e toda língua louvará a Deus(Rom. 14.10,11). Mas como já vimos, não será um tribunal de acusação, mas de benção. “Quem intentará acusação  contra os escolhidos de Deus?  É Deus quem os justifica;  Quem os condenará> Cristo Jesus é quem morreu, ou antes quem ressurgiu dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós(Rom 8.33,34).

Em resumo, dizemos que: Ali não haverá condenação de alma. Não é o Grande Trono Branco. Não é julgamento de alma, mas de obras. O crente não pode ser julgado, pois sua vida não lhe pertence mais.  ( I Cor. 6.20; Gal. 2.20).

O JUIZ: Cristo (João 5.22)

ONDE SERÁ O TRIBUNAL?

Existem muitas divergências entre os comentaristas sobre o lugar exato onde será levado a cabo o tribunal de Cristo.  Alguns afirmam que será aqui mesmo na terra. Eles dizem que o homem pecou aqui, aqui foi salvo, aqui trabalhou – logo aqui deve ser avaliado seu trabalho. Enquanto que outros declaram que esse julgamento deve ser no Céu e confrontam o Tribunal de Cristo com o Grande Trono Branco. Só o separam por frases: 1) Tribunal, 2) Juízo das Nações, 3)  Grande Trono Branco. (ver Mat. 25.32. 2 Cor. 5.10. Ap. 20.11). Porém essa forma de interpretação carece de fundamentos e não é aceita pela maioria dos comentaristas. Visto que estes três juízos obedecem a uma ordem cronológica bem definida: Tribunal de Cristo será depois do arrebatamento da Igreja; o Juízo das Nações vivas, será depois da Vinda de Cristo, e o Juízo final, no fim do milênio.

As passagens de Mateus 9.15 e Apocalipses 22.12 nos levam a entender que o Tribunal de Cristo não será “dentro dos Céu”.  Motivo pelo qual o Senhor Jesus declara que os filhos das bodas (que será no Céu- Ap. 19.7) não podem andar tristes e, em I cor. 3.15 lemos que isso pode acontecer diante do Tribunal de Cristo, ainda que esse leve momento de tristeza de converta em alegria. No segundo texto, Jesus declara: “ Eis que cedo venho e esta comigo a minha recompensa para dar a cada um segundo a sua obra” .  No texto original diz: “Meu galardão virá comigo”.

Se essa recompensa fosse feita no céu, não seria necessário Jesus trazer consigo este galardão ou recompensa. Antigamente, os juízes e anciãos tinha o costume de julgar seus subalternos e suas causas na ‘porta da cidade’ (Gen. 19.1,9; I Sam. 4.13,18; 2 Sam. 15.2).

QUAIS OS GALARDÕES QUE O SENHOR DARÁ AOS SALVOS?
O próprio Jesus distribuirá os galardões.
Jesus tem um galardão ou recompensa para entregar aos fiéis. Ele não mandará um representante seu fazer isso, pois Ele mesmo disse: “E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras” (Ap 22.12).
Haverá diferentes tipos de galardões simbolizados por coroas, porque no mundo bíblico no Novo Testamento os galardões que os vencedores recebiam nas olimpíadas gregas (o termo vem de olimpo, o monte sagrado dos deuses). Uma coroa de ouro era conferida aos vencedores. Paulo faz menção disso em 1ª Co 9.24-25.

A RECOMPENSA – Coroas

Em I Coríntios 9.16-27, e principalmente nos versículos 24-27, se usa a figura de uma carreira e o fato de ganhar o prêmio para revelar a qualidade da vida e do serviço cristão. Referindo-se ao seu próprio serviço na pregação do evangelho, o apostolo pergunta: “Qual é o meu galardão”?
A verdadeira resposta a esta pergunta depende, naturalmente, da natureza e qualidade do serviço prestado a Deus. Portanto, o apostolo continua fazendo um  repasso de sua fidelidade na obra (vers. 18-23). Ninguém negará a veracidade de seu relatório.

As vezes a recompensa do cristão é mencionada como um prêmio (I cor. 9.24) e as vezes como uma coroa (I cor. 9.25; /fil. 4.1; I Tes. 2.19; II Tim. 4.8; Tiago  1.12; I Ped. 5.4; Ap. 2.10; 3.11). Estas coroas podem ser classificadas sob cinco formas de serviços e sofrimento cristão. Inclusive há uma constante advertência para que os filhos de Deus não percam a recompensa (Col. 2.18; II Jo. 8;  Ap. 3.11) .

Ainda que as recompensas dos crentes estejam simbolizadas por coroas, segundo Apocalipses 4.10 as coroas, como símbolo da recompensa, serão depositadas aos pés do Salvador no céu.

Os vencedores voltavam às suas cidades com uma coroa de folhas de oliveira e um imenso prestígio

As coroas que a Bíblia identifica a serem recebidas pelos fieis que terão suas obras aprovadas no tribunal de Cristo.

A coroa da vida (Ap 2:10; Tg 1: 12). A coroa da vida está reservada e será conquistada pelos cristãos que foram provados e aprovados na vida cristã. “Bem-aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam. “Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida” (Ap 2.10)
A coroa da justiça (2ª Tm 4: 8) A coroa da justiça é para os que amam a segunda vinda de Jesus. Ela manifesta uma das mais sublimes doutrinas dos atributos morais de Deus, que é a justiça. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia: e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” (2ª Tm 4.8).
A coroa de glória (1ª Pe 5: 4). A coroa de glória é para os que apascentam o rebanho de Deus. Ela está preparada para os pastores e mestres. . “Apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória (1ª Pe 5.2-4- outras referências Fl 4.1; Dn 12.3;1ª Ts 2.19; Pv 11.30).
A coroa incorruptível (1ª Co 9: 25) A coroa incorruptível é exclusivamente para aqueles que obtiverem vitória sobre o velho homem. (a velha natureza). E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível(1ª Co 9.25).
A coroa da alegria (1ª Ts 2: 19,20; Fl 4:1). A coroa de alegria é destinada a todos os cristãos que pregam o evangelho com o único objetivo de ganhar almas para o reino de Deus.

O crente nesta vida precisa batalhar pela fé e trabalhar sem cessar pela causa do Mestre, por-que a nossa recompensa não será nesta terra, mas no céus. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus” (Mt 5.12) “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa(Ap 3.11).

Pr. Dr. Adaylton Conceição de Almeida (Th.B.;Th.M.;Th.D.;D.Hu.) 
(O Pr. Dr. Adaylton de Almeida Conceição foi Missionário no Amazonas e por mais de 20 anos exerceu seu ministério na Republica Argentina, é Bacharel, Mestre e Doutor em Teologia, Escritor, Professor Universitário, Pós graduado em Ciências Políticas, membro da Academia de Letras Machado de Assis de Brasília, Diretor da  Faculdade Teológica Manancial).

Facebook: adayl manancial

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...