quarta-feira, 4 de outubro de 2017

ESSA GENTE INCÔMODA - Preconceito da Revista Veja e o comentário de Asaph Borba


Por J.R. Guzzo - VEJA 4/10/2017

Quem é contra a liberdade de religião no Brasil? Mais gente do que você pensa, com toda a certeza, embora quase ninguém vá dizer isso em público, é claro — provavelmente não dirá nem mesmo no anonimato de uma pesquisa de opinião. Mas é preciso ser realmente muito bobo, ou muito hipócrita, para achar que está tudo em ordem com a liberdade religiosa no Brasil quando as nossas classes mais altas, que também se consideram as mais civilizadas, sentem tanto desprezo, irritação e antipatia pela religião que mais cresce no país.

Trata-se da "fé evangélica", como se chama, para simplificar, a vasta constelação de igrejas, seitas e cultos de origem protestante que nas estatísticas já reúnem um terço da população brasileira — e na vida real podem estar além disso.

Esse povo, em grande parte do "tipo moreno", ou "brasileiro", vem sendo visto com horror crescente pela gente bem do Brasil. Sabe-se quem são: os mais ricos, mais instruídos, mais viajados, mais capacitados a discutir política, cultura e temas nacionais. São geralmente descritos como esclarecidos, liberais, intelectuais, modernos, politizados, sofisticados e portadores de diversas outras virtudes. Toda a esquerda nacional, por definição, está aí dentro. Também estão todos os que são de direita ou de centro — desde que não se misturem com o povo brasileiro.

CONTINUE LENDO NO BLOG DE ORIGEM DO AMIGO E PASTOR JUBER DONIZETE:

3 comentários:

Pesquisa "A Multa da Pobreza" disse...

Sou evangélico, professor doutor de uma universidade federal, no penúltimo degrau mais elevado da carreira. Já fui ateu. Nada disso porém é suficiente para indicar a alegria e confiança que sinto em saber que temos um Deus que nos ama e que revelou tudo que tinha a nos dizer através de Cristo Jesus. Quero falar sobre o que é o foco real do que foi postado acima. Acho que o jornalista foi muito mal interpretado pelo pastor que respondeu à sua matéria. A matéria tem um estilo tão depurado que aqueles que a lêem apressadamente não percebem que o jornalista critica não os evangélicos, mas aqueles que se acham elite e estiveram/estão no poder mais à esquerda. Sobre o que se faz com o dízimo não é de se condenar quem só vê pelo lado do mau uso do mesmo, que, como dito na matéria, é fato em alguns lugares. devemos reler a matéria e dissociar, sim aqueles que buscam uma vida com Deus manifesta naquilo que faz e nos seus relacionamentos. É bem fato que o jornalista não disfarça, numa leitura também atenta que é elitista, assim como os que ele próprio critica.

Pesquisa "A Multa da Pobreza" disse...

Sou evangélico, professor doutor de uma universidade federal, no penúltimo degrau mais elevado da carreira. Já fui ateu. Nada disso porém é suficiente para indicar a alegria e confiança que sinto em saber que temos um Deus que nos ama e que revelou tudo que tinha a nos dizer através de Cristo Jesus. Quero falar sobre o que é o foco real do que foi postado acima. Acho que o jornalista foi muito mal interpretado pelo pastor que respondeu à sua matéria. A matéria tem um estilo tão depurado que aqueles que a lêem apressadamente não percebem que o jornalista critica não os evangélicos, mas aqueles que se acham elite e estiveram/estão no poder mais à esquerda. Sobre o que se faz com o dízimo não é de se condenar quem só vê pelo lado do mau uso do mesmo, que, como dito na matéria, é fato em alguns lugares. devemos reler a matéria e dissociar, sim aqueles que buscam uma vida com Deus manifesta naquilo que faz e nos seus relacionamentos. É bem fato que o jornalista não disfarça, numa leitura também atenta que é elitista, assim como os que ele próprio critica.

Carlos Roberto Silva, Pr. disse...

Concordo com o seu comentário posado acima.
Veja o meu comentário sôbre o mesmo assunto no post abaixo:

http://www.pointrhema.com.br/2017/10/cgadb-responde-ao-artigo-essa-gente.html

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...