domingo, 1 de setembro de 2019

A Bíblia não é um manifesto comunista e Jesus não pregou o socialismo, declara líder conservador

A Bíblia Sagrada não é um manifesto comunista e Jesus Cristo não foi um pregador do socialismo. Com essas palavras, o líder cristão conservador Ralph Reed se opôs à crescente onda entre políticos do Partido Democrata que propõem transformar os Estados Unidos em um país marxista.
Numa entrevista concedida à Fox News, Ralph Reed disse para a comentarista de política Laura Ingraham que Bíblia não é "um manifesto comunista religioso” e que Jesus não era “um socialista que usava a Birkenstock".
Em sua visão, o apelo socialista dos pré-candidatos do Partido Democrata que tentam a vaga para enfrentar o presidente Donald Trump em 2020 não encontrará espaço entre os eleitores norte-americanos.
"Eu não acho que isso vai tocar no coração porque a boa notícia é que os cristãos na América conhecem sua Bíblia e sabem que a Bíblia ensina que 'aquele que não trabalha não deve comer', fala sobre a importância de trabalho, e fala sobre a importância de ser produtivo", disse Reed.
"Sim, somos chamados a cuidar dos pobres, dos necessitados, dos enfermos e dos estrangeiros, mas esse chamado é para os fiéis. Ele chama as pessoas mais próximas da necessidade de atender a essa necessidade. Não o grande governo, não burocratas em Washington", enfatizou o líder conservador, que é fundador do movimento Faith & Freedom Coalition, de acordo com informações do portal The Christian Post.
Ingraham citou o político Pete Buttigieg, prefeito da cidade de South Bend, no estado de Indiana, que é um cristão episcopal e homossexual, que vive com um companheiro e fala sobre suas crenças cristãs em sua campanha pela indicação para disputar a Casa Branca e tem simpatia pela ideia socialista.
Ralph Reed respondeu que esperava que o prefeito Buttigieg e seus colegas dessem a justificativa bíblica para a proposta de legalização do aborto tardio, que o candidato presidencial democrata apoia.
"Aqui está o que eu acho que as pessoas estão famintas. Eles estão famintos por líderes que possam fazer uma conexão entre sua fé e seus valores e políticas públicas", continuou Reed.
"Quando se trata da santidade da vida, da liberdade religiosa e do apoio a Israel, e da proteção dos menores entre nós, e falando pelos pobres e atendendo às suas necessidades, é uma questão do que é mais eficaz… e o que é mais próximo dos necessitados, e o grande governo é o último que fará isso", acrescentou.
O líder conservador argumentou que esta e outras conversas de fé por parte dos líderes e apoiadores democratas são uma resposta à eleição de 2016, quando um grande número de fiéis religiosos votou nos republicanos.
"Eles perderam o voto evangélico em 65 pontos, perderam o voto católico em 10 pontos, perderam fiéis católicos praticantes, frequentadores da missa, por 24 pontos", disse ele. "Eles perceberam tardiamente que, se o seu partido chutar os eleitores de fé nos dentes e os chamarem de 'irredimíveis' e essencialmente disserem que são 'deploráveis', essas pessoas podem não ser atraídas por eles".
Essas declarações vieram em resposta a um discurso do reverendo William Barber II, afeito aos ideais progressistas/socialistas, em uma reunião de verão do Comitê Nacional Democrata na semana passada.
"Se alguém o chama de socialista, então devemos obrigá-los a reconhecer que a Bíblia deve promover o socialismo porque Jesus ofereceu assistência médica gratuita a todos e ele nunca cobrava pagamento de um leproso", disse Barber na ocasião, distorcendo a mensagem dos evangelhos para que se encaixe em sua narrativa política.
"A Bíblia diz que uma nação será julgada pela maneira como trata os pobres, os doentes, as mulheres e os imigrantes. A Bíblia diz que Deus faz chover sobre os justos e os injustos. Se você quer chamar o cuidado de 'socialismo popular', então a Constituição é um documento socialista – porque nos chama a promover o bem-estar geral e a estabelecer a justiça", acrescentou Barber na ocasião.
Fonte: Gospel+

2 comentários:

Jaziel disse...

Fica aí a verdade, o manisfesto comunista é contra a família, quer que o homem destrua a hierarquia para que o Estado controle todos e tudo, neste manifesto Karl Marx incentiva o fim da família compara as mulheres casadas a prostitutas não remuneradas e os filhos devem ser criados e educados pelo Estado, além da rebelia da mulher contra o homem do homem contra seu empregador, do pobre contra o rico. Um livro que qualquer um pode comprar hoje ou baixar na internet e poderá ler e comprovar a corrupção deste homem em nossa sociedade.

José Roberto disse...

Sabe o que eu acho engraçado nesses socialistas/comunistas? É que eles se inspiram tanto em Jesus,que um dos seus projetos de quando chegam no poder e banir,fechar,destruir...
as igrejas cristãs! dar parta entender isto?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...