sábado, 18 de agosto de 2018

A Presbiterianização da Assembleia de Deus? - Vale refletir


No vídeo abaixo, o professor Roney Ricardo comenta sobre a entrada de características do presbiterianismo e da Teologia Reformada nas Assembleias de Deus.

Não há qualquer indicativo em sua abordagem que vise criticar ou ofender a Igreja Presbiteriana, e isso fica claro já no início do vídeo.

Embora reconhecendo que há muito o que aprender com a Igreja Presbiteriana do Brasil, o Professor Roney sai, contudo, em defesa da identidade assembleiana no Brasil, realçando que esse fenômeno pode indicar o desconhecimento que existe por parte de líderes e membros das Assembleias de Deus quanto à própria história da denominação e do Movimento Pentecostal.

E mais grave ainda: o desconhecimento das doutrinas genuinamente pentecostais. Confira!

ASSSITA AQUI

Um comentário:

Anônimo disse...


1. Defina "Presbiterianização". Essa briguinha ridícula de teólogo tentando encontrar cabelo em ovo me levou a uma conclusão: Antes de ser pentecostal, sou cristão.
2 Falou certo: "peso da tradição". Deus nos livre disso: o peso dos robes de seda dos levitas, o peso do piano de cauda, o peso da constituição presbiteriana...
3. Pra quem quer adotar o princípio estranguladôôps...regulador do culto: Se adotarmos a liturgia presbiteriana, teremos igrejas que não batem palmas, não oram, nem cantam músicas contemporâneas. Simples assim.
4 Sou de origem pentecostal, mas atualmente frequento uma igreja reformada, Pregação expositiva ocupa quase 100% dos domingos e das reuniões de oração. Valorizam a Bíblia, mas esquecem de tratar de temas específicos, especialmente os atuais, como o aborto - algo que não dá pra explicar em pregacao expositiva. Às vezes me sinto um seminarista, e não alguém que vive no mundo real.
5 Discordo quanto ao fato de que o avanço do Calvinismo seja algo ruim. Pelo pouco que sei, Arminianismo diz respeito apenas à Soteriologia e Soberania, e não desenvolve muito outros temas como Escatologia e Graça Comum. Calvinismo me parece um sistema mais amplo, com o qual temos muito a aprender.
6 "Desconhecimento das doutrinas pentecostais" por parte dos pentecostais: no mundo pluralIsta, New age, pós-guerra de hoje, acho que os teólogos deveriam se preocupar mais com o desconhecimento das doutrinas cristãs.
7 Algo que me enojou em meu primeiro mês de igreja reformada foi o quanto eles escarnecem dos pentecostais. Em 10 anos de Pentecostalismo, nem de longe a recíproca foi verdadeira.
8 O escárnio revela algo dos presbiterianos: o quão cegos eles são para os próprios problemas- mundanismo, sectarismo, tradicionalismo.
9 "Ênfase no Espírito Santo": que só é autêntica quando estimula o relacionamento com Deus, na gratidão a Cristo, na leitura biblica, no serviço. A espiritualidade gera vida, e não esquisitices. Pentecostalismo (ou presbiterianismo) sadio=cristianismo sadio.
9 "impulso missionário na periferia": eu acrescentaria um fervor missionário coletivo e genuíno, algo que,em minha experiência reformada,não existe. Aqui se pratica o modelo católico de crescimento de igrejas: nasceu de pai católico, se batiza, entra no rol de membros, depois segue fazendo m.... na igreja.
10 heresia na igreja: na minha jornada pentecostal, já vi lídereS serEM repreendidoS por fofoca, afastadoS por assédio, convocadoS a explicar pregações esdrúxulas. Na minha experiência reformada... Ah, cara, aqui todo mundo é amiguinho...
11 Pra terminar: Muitos pentecostais vivenciam apenas o "espiritual" e negligenciam a Bíblia. Sabe qual a parte boa desse problema? Deus se revela através da oração, e incomoda seus filhos para que leiam a Palavra. E a presbiteriana, onde o nível de leitura biblica é tão parco quanto o de outras igrejas, e a oração coletiva é quase inexistente? Vai pra onde?
* Não me importaria nem um pouco se 99% da Assembléia de Deus adotasse a Teologia reformada. Continuariam sendo cristãos do mesmo jeito. O problema é se adotarem as práticas.
* Deus nos ajude - pentecostais e presbiterianos.
Q.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...