quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Artista nu destrói imagem católica em “performance”



Antonio Obá diz que no ato “há uma crítica, há também uma exaltação. É uma celebração antagônica, um ritual”.

O artista visual Antonio Obá, 33 anos, é professor de artes em Taguatinga, no Distrito Federal. Ele é um dos finalistas do prêmio Pipa, cobiçado prêmio de arte visual contemporânea. Se vencer, receberá R$ 130 mil e uma residência artística na Residency Unlimited, em Nova York.
Também irá participar juntamente com os outros três finalistas de uma exposição no MAM-Rio no final do mês, onde o público escolherá o seu preferido, que levará R$ 24 mil.
Obá diz que faz "pesquisa" com temas como o sincretismo religioso, a miscigenação, as raízes afro-brasileiras e o erotismo. Contudo, sua performance mais conhecida – Atos da Transfiguração: Desaparição ou Receita para Fazer um Santo – é simplesmente a destruição de uma imagem sacra.
Nu, o artista passar em um grande ralador uma imagem de gesso de Nossa Senhora Aparecida, reduzindo a santa católica a um pó branco com o qual cobre seu corpo. Segundo ele, isso produz "novos significados, que criticam o racismo velado da sociedade brasileira e remetem às tradições das religiões de matriz africana".
Ele realiza a tal performance desde 2015. Em entrevista ao site UOL, ele explica que escolheu a santa por que ela é "supostamente negra. Digo isso, porque vem de uma tradição histórico-religiosa que nada tem a ver com a religiosidade africana".
Usando conceitos religiosos da África, Obá diz que cobrir o corpo com pó branco é um ato que "diviniza o corpo" e, ao mesmo tempo, "faz referência ao rito de fazer a cabeça, fazer o santo, no Candomblé.  Ou seja, ao mesmo tempo em que há uma crítica, há também uma exaltação. É uma celebração antagônica, um ritual".
Até o momento, Antonio Obá não foi alvo de críticas formais de movimentos católicos, nem de políticos. Ao contrário, por exemplo, do apóstolo Agenor Duque, que gravou um vídeo comparando a imagem de Nossa Senhora de Aparecida com uma garrafa de Coca-Cola.
Acabou sendo atacado por padres e milhares de católicos enfurecidos nas redes sociais e ameaçado de processo por "vilipêndio de objeto de culto religioso", artigo 208 do Código Penal Brasileiro.
Ao que parece, a indignação seletiva dos movimentos de esquerda também se aplica em grande extensão a questões religiosas no país.

Fonte: Gospel Prime

MEU COMENTÁRIO:
Na tentativa de explicação do artista, entre a "crítica" e a "exaltação", há uma confusão que, a meu ver nada explica e ainda causa e deixa mais polêmica.

Se fosse o caso de uma peça teatral contestadora contra a idolatria às imagens de escultura, ainda assim haveria outras maneiras com textos bíblicos apropriados, com uma discussão no campo da interpretação do texto sagrado, sem agravos com ares de provocação e ou intolerância religiosa.

Não sou católico e, na condição de cristão evangélico, sou contra a idolatria à imagens de escultura, no entanto, independente de qual seja a religião, essa é uma atitude criminosa:

"Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa."

Simplesmente lamentável...
Assista (cenas explicitas):

Um comentário:

Pb. José Roberto da Rocha disse...

Isto não foi veiculado na Globo,se fosse um pastor chutando a santa,passaria em horário nobre a semana toda! Por falar nisto vc ainda assiste esse canal de promiscuidade?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...